Universidades de ponta têm menos aulas e mais tempo livre para estudo

A maioria dos estudantes brasileiros de graduação que foram estudar em universidades de ponta pelo programa Ciência sem Fronteiras do MEC conta que estranhou a quantidade reduzida de aulas das instituições estrangeiras. Um estudante universitário de uma escola como a Universidade Harvard, nos Estados Unidos, considerada a melhor do mundo, tem em média 15 horas-aula por semana. Para comparar, quem faz engenharia na USP tem quase 3 vezes mais aulas. A filosofia de universidades como Harvard é que cada hora de aula demanda em média uma hora extra de estudos e leituras do aluno. Ou seja, as 15 horas semanais viram 30. Além disso, a universidade espera que o aluno se envolva em atividades de pesquisa, empresas-júnior, trabalho sociais e culturais e que pratique esportes. Com tudo isso, a formação fica completa e a grade fica cheia. Enquanto isso, o aluno da USP mal consegue ter tempo para estudar para as disciplinas obrigatórias porque as aulas tomam o dia inteiro. Fazer atividades fora da engenharia, então, esquece.

Essa questão é comumente abordada pelos gestores do Ciência sem Fronteiras. Na reunião anual de cientistas da SBPC, que neste ano aconteceu em Recife-PE, o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, discutiu o assunto e defendeu a redução da grade obrigatória de aulas. O problema, de acordo com Guimarães, é fazer com que as universidades brasileiras topem essa redução. O diretor da Poli-USP e candidato à reitor da USP, José Roberto Cardoso, falou sobre o assunto nesta quarta-feira (16), no primeiro dia de debates dos candidatos à reitoria da universidade. De acordo com Cardoso, a redução das horas-aulas liberaria os professores para fazer mais pesquisa. E, quem sabe, poderia até fazer com que a quantidade de vagas se expandisse.

Fonte: Abecedário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Uma opinião sobre “Universidades de ponta têm menos aulas e mais tempo livre para estudo

  • 7 de abril de 2014 em 12:04
    Permalink

    Eu acredito que tal metodologia funciona, como aluno, mesmo com todas as dificuldades me envolvi em atividades diversas na faculdade, porém nem todos têm tanta disposição…
    Eu só digo uma coisa: “Por que não tentar?”
    E digo mais: “Só digo isso!”

    Resposta

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: