Graduados – documentário completo

Dividido em três episódios, o documentário a seguir mostra o dia a dia de brasileiros que estudam nas melhores universidades do mundo, como as americanas Harvard, Princeton Yale. O documentário revela a rotina desses jovens que apostaram na aventura do conhecimento em um país estrangeiro, em busca da excelência acadêmica.


Conheça a rotina da Universidade Harvard

Assista abaixo uma série de três reportagens sobre como é o dia a dia numa das melhores universidades do mundo: a americana Harvard.


Universidades de ponta têm menos aulas
e mais tempo livre para estudo

A maioria dos estudantes brasileiros de graduação que foram estudar em universidades de ponta pelo programa Ciência sem Fronteiras do MEC conta que estranhou a quantidade reduzida de aulas das instituições estrangeiras. Um estudante de uma universidade como Harvard, considerada a melhor do mundo, tem em média 15 horas-aula por semana. Para comparar, quem faz engenharia na USP tem quase três vezes mais aulas. A filosofia de universidades como Harvard é que cada hora de aula demanda em média uma hora extra de estudos e leituras do aluno. Além disso, a universidade espera que o aluno se envolva em atividades de pesquisa, empresas-júnior, trabalho sociais e culturais e que pratique esportes. Com tudo isso, a formação fica completa e a grade fica cheia. Enquanto isso, o aluno da USP mal consegue ter tempo para estudar para as disciplinas obrigatórias porque as aulas tomam o dia inteiro. Essa questão é comumente abordada pelos gestores do Ciência sem Fronteiras. Na reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que neste ano aconteceu em Recife, o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, discutiu o assunto e defendeu a redução da grade obrigatória de aulas. O problema, de acordo com Guimarães, é fazer com que as universidades brasileiras topem essa redução.

Fonte: Abecedário.

Ranking das melhores universidades brasileiras, latino-americanas e lusófonas

As 27 melhores universidades lusófonas

A lista a seguir mostra quais são as 27 melhores universidades de países de língua portuguesa que apareceram no ranking das melhores universidades do mundo feito pelo QS World University Rankings 2014. Apenas universidades brasileiras e portuguesas entraram na lista (22 brasileiras e 5 portuguesas). O nome de cada universidade aparece ao lado do nome do país sede, bem como da sua posição no ranking mundial.

1. Universidade de São Paulo, Brasil (127)
2. Universidade Estadual de Campinas, Brasil (215)
3. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil (284)
4. Universidade do Porto, Portugal (343)
5. Universidade Nova de Lisboa, Portugal (353)
6. Universidade de Coimbra, Portugal (358)
7. Universidade Federal de São Paulo, Brasil (411-420)
8. Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (481-490)
9. Universidade Estadual Paulista, Brasil (491-500)
10. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil (501-550)
11. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil (551-600)
12. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil (551-600)
13. Universidade de Brasília, Brasil (551-600)
14. Universidade Católica Portuguesa, Portugal (551-600)
15. Universidade de Lisboa, Portugal (551-600)
16. Universidade Federal da Bahia, Brasil (601-650)
17. Universidade Federal de São Carlos, Brasil (601-650)
18. Universidade Federal de Viçosa, Brasil (601-650)
19. Pontifícia Universidade Católica do RS, Brasil (651-700)
20. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil (651-700)
21. Universidade Federal do Paraná, Brasil (651-700)
22. Universidade Federal Fluminense, Brasil (651-700)
23. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil (+701)
24. Universidade Estadual de Londrina, Brasil (+701)
25. Universidade Federal de Santa Maria, Brasil (+701)
26. Universidade Federal do Ceará, Brasil (+701)
27. Universidade Federal de Pernambuco, Brasil (+701)


As 50 melhores universidades da América Latina

A lista a seguir mostra quais são as 50 melhores universidades da América Latina que apareceram no ranking das melhores do mundo do QS World University Rankings 2014 .

1. Pontifícia Universidade Católica do Chile, Chile
2. Universidade de São Paulo, Brasil
3. Universidade Estadual de Campinas, Brasil
4. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
5. Universidade de Los Andes, Colômbia
6. Universidade do Chile, Chile
7. Instituto Tecnológico de Monterrey, México
8. Universidade Nacional Autônoma do México, México
9. Universidade Estadual Paulista, Brasil
10. Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil
11. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
12. Universidade de Concepción, Chile
13. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil
14. Universidade Nacional da Colômbia, Colômbia
15. Universidade Federal de São Paulo, Brasil
16. Universidade de Santiago, Chile
17. Universidade de Brasília, Brasil
18. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
19. Universidade de Buenos Aires, Argentina
20. Universidade Austral, Argentina
21. Universidad Nacional de La Plata, Argentina
22. Pontifícia Universidade Católica da Argentina, Argentina
23. Universidade de Antioquia, Colômbia
24. Universidade da Costa Rica, Costa Rica
25. Universidade Nacional de Córdoba, Argentina
26. Instituto Politécnico Nacional, México
27. Universidade Central da Venezuela, Venezuela
28. Universidade Iberoamerica, México
29. Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso, Chile
30. Pontifícia Universidade Católica do Peru, Peru
31. Pontificia Universidad Javeriana, Colômbia
32. Universidade Simón Bolívar, Venezuela
33. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil
34. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil
35. Universidade Autônoma Metropolitana, México
36. Instituto Tecnológico Autônomo do México, México
37. Universidade Austral do Chile, Chile
38. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil
39. Universidade Técnica Federico Santa Maria, Chile
40. Universidade Federal do Paraná, Brasil
41. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil
42. Universidad del Rosario, Colômbia
43. Universidade Federal do Pernambuco, Brasil
44. Universidade Torcuato Di Tella, Argentina
45. Instituto Tecnológico de Buenos Aires, Argentina
46. Universidade de San Andrés, Argentina
47. Universidade Nacional de Rosário, Argentina
48. Universidad de Porto Rico, Porto Rico
49. Universidade Federal Fluminense, Brasil
50. Universidad de las Américas Puebla, México


18 brasileiras entre as mil melhores do mundo em 2015

Saiu o ranking de 2015 das mil melhores universidades do mundo feito pelo Center for World University Rankings. 18 brasileiras entraram na lista. Mais uma vez a Universidade de São Paulo (USP) foi a brasileira melhor colocada, ficando na posição 132 do ranking mundial. A Universidade de Harvard lidera o ranking, junto com outras universidades americanas. Veja aqui o ranking completo e veja abaixo quais foram as brasileiras classificadas e suas respectivas posições no ranking:

1. Universidade de São Paulo (USP) – 132
2. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – 322
3. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – 404
4. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – 526
5. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – 583
6. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – 589
7. Universidade Estadual Paulista (Unesp) – 664
8. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – 826
9. Universidade Federal Fluminense (UFF) – 915
10. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – 918
11. Universidade de Brasília (UnB) – 920
12. Universidade Federal do Paraná (UFPR) – 934
13. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) – 939
14. Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) – 941
15. Universidade Federal do ABC (UFABC) – 961
16. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – 974
17. Universidade Federal da Bahia (UFBA) – 992
18. Universidade Federal do Ceará (UFC) – 998


Unicamp ultrapassa USP e fica em 1º lugar em ranking de universidades da América Latina de 2017

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) é a nova primeira colocada no ranking das melhores universidades da América Latina realizado pela revista Times Higher Education. Pela primeira vez, a instituição ultrapassou a Universidade de São Paulo (USP), que ficou na segunda posição na edição deste ano. Na edição de 2016, a USP era a primeira colocada, e a Unicamp ficou em segundo lugar. Veja na lista abaixo as dez melhores universidades da América Latina, segundo o ranking atual:

1. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Brasil
2. Universidade de São Paulo (USP) – Brasil
3. Pontifícia Universidade Católica do Chile – Chile
4. Universidade do Chile – Chile
5. Universidade dos Andes – Colômbia
6. Instituto de Tecnologia de Monterrey – México
7. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – Brasil
8. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – Brasil
9. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) – Brasil
10. Universidade Nacional Autônoma do México – México

Em nota, Phil Baty, editor do ranking, afirmou que Unicamp e USP são universidades muito diferentes que “representam a diversidade e a excelência no setor do ensino superior do Brasil”. Segundo o ranking da THE, o Brasil é o país latino-americano com o melhor desempenho na lista em 2017: das dez primeiras colocadas, cinco são universidades brasileiras. O país também tem outras 27 instituições listadas. Veja abaixo a lista de universidades brasileiras e a posição de cada uma no ranking:

1. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
2. Universidade de São Paulo (USP)
7. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
8. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
9. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
11. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
12. Universidade Estadual de São Paulo (UNESP)
14. Universidade Federal do ABC (UFABC)
15. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
16. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
18. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
19. Universidade de Brasília (UnB)
24. Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj)
26–30. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
31–35. Universidade Federal de Viçosa (UFV)
36–40. Universidade Federal do Ceará (UFC)
41–45. Universidade Federal Fluminense (UFF)
41–45. Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR)
51–60. Universidade Federal de Goiás (UFG)
51–60. Universidade Federal de Lavras (Ufal)
51–60. Universidade Federal do Paraná (UFPR)
51–60. Universidade Federal de Pelotas (Ufpel)
51–60. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
51–60. Universidade Estadual de Londrina (UEL)
61–70. Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop)
61–70. Universidade Presbiterana Mackenzie
61–70. Universidade do Vale dos Sinos
61–70. Universidade Estadual de Maringá (UEM)
61–70. Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
71+. Universidade Nove de Julho (Uninove)
71+. Universidade Estadual da Bahia (Uneb)
71+. Universidade do Vale do Itajaí

Fonte: G1.

Marcelo Gleiser no Canal Livre falando sobre vida extraterrestre, ciência e religião

Entrevista concedida por Marcelo Gleiser, professor de física e astronomia na Universidade de Dartmouth, nos Estados Unidos, ao programa Canal Livre, da Band.
Na ocasião, ele falou sobre a probabilidade e as consequências de existir vida fora da Terra, sobre a relação entre ciência e religião, e sobre os limites éticos da ciência.




Veja também: Cientistas discutem procedimentos padrão em caso de contato alienígena


BÔNUS 1: Programa Canal Livre (Band) exibido no dia 23 de março de 2014, com a presença de Douglas Galante, doutor em astronomia pelo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP), e do professor emérito da USP, Sylvio Ferraz Mello, doutor em ciências matemáticas pela Academia de Paris e Doutor Honoris Causa do Observatório de Paris. Apresentação de Boris Casoy, com a presença dos jornalistas Fernando Mitre e Ulisses Capozzoli na bancada.


BÔNUS 2: Garoto filósofo de 9 anos falando sobre a vida, o universo e tudo o mais. Não sei se um adulto escreveu o texto e ele apenas decorou ou se esses questionamentos são de fato dele, mas esse garotinho fala sobre problemas filosóficos bem intrigantes (além de ser um pouco engraçado ver uma criança com preocupações tão sofisticadas).


BÔNUS 3: Neil deGrasse Tyson em “A mais humana das atividades”.


O que não se pode conhecer

Artigo de Marcelo Gleiser.

Quanto podemos saber sobre o mundo? Tudo? Ou existem limites fundamentais para o que a ciência pode explicar? Esse é o tema do meu novo livro, A Ilha do Conhecimento: Os Limites da Ciência e a Busca por Sentido. Vemos apenas uma ínfima fração do Cosmos. Muito do que existe é invisível, mesmo quando aumentamos nossa percepção com telescópios, microscópios e outros instrumentos. Todo instrumento também tem alcance limitado. Como muito da natureza permanece oculto, nossa visão de mundo se baseia só na fração da realidade que podemos analisar. O conhecimento é uma ilha, cercada pelo oceano do desconhecido. A ciência permite acessar partes desse desconhecido e, com isso, a ilha cresce. Mas cresce também a fronteira com o desconhecido: surgem novas questões, que nem poderíamos ter antecipado. Imagine a biologia antes do microscópio, ou a astronomia antes do telescópio. A questão essencial é se existem regiões inacessíveis aos métodos da ciência. A resposta é um sonoro “sim”.

Existem limites intrínsecos às leis da natureza. Por exemplo, a velocidade da luz, sendo a maior que existe, impõe limites sobre o quanto podemos saber do Universo. Visto que o Cosmos surgiu há cerca de 13,8 bilhões de anos e vem expandindo, a informação que podemos receber fica contida numa bolha, com raio dado pela distância que a luz viajou nesse tempo. O Universo pode continuar além desse “horizonte”, mas não podemos ver o que está por lá. A física quântica oferece outro limite, devido ao princípio de incerteza. Não podemos conhecer a posição e a velocidade de uma partícula com precisão acima de um certo valor. Isso revela um mundo estranho, onde objetos podem ser partícula e onda: sua natureza depende do experimento que, por sua vez, depende do observador. Com a física quântica perdemos a objetividade no nível essencial da matéria. Processos ocorrem aleatoriamente; podemos determiná-los apenas usando probabilidades. Finalmente, temos os limites da mente. Não entendemos a natureza do consciente humano. Será possível construir uma simulação do cérebro? Como entender o cérebro, se não podemos “sair” dele? Basta simular neurônios e sinapses? Dos confins do Cosmos ao mundo dos átomos à natureza da mente, vivemos cercados de mistérios.

Pesquisadores brasileiros tentam decifrar o enigmático Manuscrito Voynich

Físicos brasileiros utilizaram uma técnica de análise de textos desenvolvida por eles para estudar o manuscrito Voynich, um livro misterioso supostamente escrito no início do século 15 em um alfabeto desconhecido. A esperança é que a descoberta ajude a decifrar o texto, considerado um dos mais enigmáticos que se conhece. Por meio de ferramentas estatísticas avançadas, o físico Diego Amâncio, da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos, se esforça para descobrir se o manuscrito é um texto coerente ou apenas um amontoado aleatório de símbolos sem sentido.

Leia mais na reportagem O código Voynich. Leia o artigo científico citado no vídeo.
Veja o Manuscrito Voynich, disponibilizado pela Universidade Yale (EUA).


Codex Seraphinianus: o misterioso livro
escrito em uma língua que não existe

Em 1981, o artista e arquiteto italiano Luigi Serafini publicou uma enciclopédia com mais de mil ilustrações e extensos textos sobre animais, plantas, roupas e pessoas. Nada de mais até aí. O que intrigou na época e continua um mistério até hoje é que o livro é escrito em uma língua que, até onde se sabe, não existe, e as ilustrações parecem interpretar zoologia, mineralogia, botânica, antropologia, física e arquitetura de uma maneira que simplesmente não existem no mundo que conhecemos. O artista italiano passou 30 meses dedicado a escrever o Codex, que tem quase 400 páginas.

Serafini nega que o texto do livro tenha qualquer significado – alega que são caracteres inventados e é tudo uma obra de ficção. Eu não acredito nele (e muita gente também não), mas ninguém teve sucesso, até hoje, em desvendar a escrita de Serafini ou encontrar ao menos uma sintaxe entre as “letras”. O texto inclui também palavras em inglês e francês usadas aleatoriamente e de maneira incompreensível no contexto. Alguns dizem que o Codex é diretamente inspirado no Manuscrito Voynich – as ilustrações, no entanto, retratam coisas que conhecemos.

A editora italiana Rizzoli está lançando uma nova edição do Codex Seraphinianus. O Dangerouns Minds entrevistou o editor responsável pelo lançamento, Charler Miers. Curiosamente evasivo, em um tom quase humorístico, ele disse ao site que Serafini existe e não é um pseudônimo, que o autor tem casas em Roma e em Milão e uma oficina de cerâmica na Umbria, e que a nova edição traz, além de novas ilustrações, 22 páginas inéditas em que o autor explica a origem do livro: um gato vira-lata branco teria se juntado ao autor enquanto ele escrevia a obra e a teria transmitido telepaticamente para ele (isso é sério). O vídeo abaixo tem uma porção de páginas do Codex:

USP oferece curso online e gratuito que ensina a escrever artigos científicos

brasao-uspPara melhorar a qualidade da elaboração de artigos científicos por pesquisadores brasileiros, a  Universidade de São Paulo (USP), líder em produção científica no país, lançou o curso online de Escrita Científica, que tem como objetivo auxiliar pesquisadores e estudantes de pós-graduação na elaboração de artigos de maior relevância acadêmica.

“A redação de artigos científicos, elaborados para serem publicados em revistas, é um dos gargalos para o crescimento da produção científica das universidades, incluindo a própria USP. A técnica não é dominada amplamente, em especial pelos pesquisadores principiantes e alunos de pós-graduação”, afirmou o Pró-Reitor de Pesquisa da instituição, Marco Antonio Zago. É por isso que o curso foi pensado de forma didática e intuitiva. Desenvolvido pelo professor Valtencir Zucolotto, do Instituto de Física de São Carlos-SP, o curso é dividido em 8 módulos e conta com videoaulas que explicam, passo a passo, cada uma das partes que compõem o paper (títulos, introdução, resultados, conclusões). Há um tópico especial sobre a elaboração de textos científicos em inglês. Além das videoaulas, que podem ser consultadas a qualquer momento, os interessados ainda contam com apostilas e materiais didáticos extras, que trazem indicações de obras de referência recomendadas por Zucolotto. Todos os materiais podem ser baixados livremente. O curso, no entanto, não disponibiliza a emissão de certificados.

Com informações de: USP.


ATUALIZAÇÃO EM 28/04/2016: A notícia veiculada neste post é de 2013. Por quase três anos, o curso foi oferecido gratuitamente na internet e não emitia certificado. Este ano, porém, ele foi reformulado: passou cobrar uma taxa de inscrição e a emitir certificado. Isso levou alguns leitores tardios e desatentos a acusarem este post de “propaganda enganosa”. Não se trata disso: as informações apenas ficaram desatualizadas com o tempo. O material do curso continua disponível para consulta ou download nestes links:

ARTIGO CIENTÍFICO

1. Modelo padrão de artigo feito pela Intercom
2. Normas da ABNT sobre artigos acadêmicos
3. Professora da USP detalha os tipos de  artigos
4. Professora da USP ensina a produzir artigos

TCC DE GRADUAÇÃO

1. Modelo pré-formatado de TCC da USP São Carlos
2. Prezi: uma alternativa aos slides do Powerpoint

MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO

1. Recomendações para a monografia da USP
2. Instruções detalhadas para elaboração de uma monografia
3. Ferramenta para ajudar na formatação do trabalho

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

1. Diretrizes sobre dissertações da USP
2. Manual sobre dissertações da UFRJ
3. 
Softwares para facilitar a elaboração da dissertação

TESE DE DOUTORADO

1. Manual de elaboração de teses da UFRJ
2. Organize sua rotina de estudos com o software Colabolo

3. Modelo de esqueleto de uma tese de doutorado da COPPE

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 1 de 11
%d blogueiros gostam disto: