Trânsito na Etiópia e origem da “barbeiragem”

Essa é pra você que reclama do trânsito em São Paulo. Repare neste cruzamento em Addis Ababa, na Etiópia. Pra quê semáforo no cruzamento? São apenas oito pistas se cruzando, cada uma delas com somente oito faixas. Moleza!

E uma curiosidade:

Por que maus motoristas são chamados de barbeiros?

A palavra “barbeiragem” com sentido pejorativo consta no dicionário desde 1938. O termo está relacionado à função histórica do barbeiro. Até o início do século 19, o ofício abrangia muito mais do que aparar a barba ou cortar o cabelo. Devido à precariedade da medicina da época, os barbeiros também ajudavam a arrancar dentes ou fazer pequenas sangrias (extração de sangue) quando era preciso. Como não tinham especialização em procedimentos cirúrgicos, cometiam muitos erros e, por isso, foram estereotipados como inexperientes e desastrados. O Brasil importou a expressão de Portugal e, por aqui, ela se popularizou para designar motoristas atrapalhados, que só fazem bobagem no trânsito.

Fonte: Superinteressante.

O misterioso Triângulo das Bermudas

bermuda triangleMais de 100 navios e aviões desapareceram, desde o final da Segunda Guerra Mundial, na área localizada entre o arquipélago das Bermudas, no Atlântico norte; a cidade de Miami, na Flórida; e a cidade de San Juan, em Porto Rico. Os limites dessa região formam um triângulo imaginário sobre as águas do Mar do Caribe que há séculos desperta temores. Mas a fama do Triângulo das Bermudas como cenário de fenômenos inexplicáveis cresceu mesmo a partir de dezembro de 1945, quando cinco aviões da Marinha americana sumiram sem deixar vestígios. As especulações sobre o incidente e a lembrança de casos semelhantes deixaram muita gente curiosa e logo a mídia passou a explorar o assunto em livros, filmes e programas de TV. Publicado em 1974, o livro O Triângulo das Bermudas, do escritor americano Charles Berlitz, vendeu 20 milhões de exemplares.

Como o interesse popular crescia, os cientistas começaram a levar o assunto a sério, buscando uma resposta plausível. Uma das teorias que hoje tem certo crédito no meio científico culpa o gás metano pelos mistérios. Alguns cientistas garantem que no subsolo oceânico do Triângulo há metano estocado como hidrato gasoso, em estruturas como cristais de gelo. O movimento das placas tectônicas muda a pressão e a temperatura das profundezas, transformando esse hidrato em gás. O gás de metano sobe para a superfície em forma de bolhas e reduz a densidade da água. “A liberação do metano reduz a capacidade de flutuação de um navio e pode afundá-lo”, diz o físico Bruce Denardo, da Escola de Pós-Graduação Naval de Monterey, nos Estados Unidos. Além do risco de naufrágio, essas bolhas também podem liberar o gás na atmosfera, de modo que uma pequena faísca produzida pelas turbinas de um avião que passe pelo local nesse momento seria suficiente para provocar uma explosão, já que estamos falando de “uma forma bruta do gás de cozinha”, como descreve o geólogo Carlos José Archanjo, da USP.

Essa teoria, porém, está longe de ser uma unanimidade. Para vários especialistas há muito exagero em torno do assunto. Fenômenos bem mais comuns, como tempestades, explicariam boa parte dos naufrágios e muitos podem ter ocorrido longe da área. Em 1975, no livro The Bermuda Triangle Mystery – Solved (“O Mistério do Triângulo das Bermudas – Solucionado”, inédito no Brasil), o ex-piloto americano Larry Kusche mostra o trabalho de meses de investigações sobre vários incidentes e conclui que os aviões desaparecidos em 1945 caíram no mar por causa da simples falta de combustível. De qualquer forma, as histórias sobre o Triângulo das Bermudas ainda impressionam. A catarinense Heloisa Schurmann, matriarca da família que deu a volta ao mundo em um barco entre 1984 e 1994, navegou pela região com o marido Vilfredo em 1978. E não tem boas lembranças: “Quando entramos no arquipélago das Bahamas, uma forte tempestade se aproximou. De repente, vimos um redemoinho de água vindo em nossa direção. Imediatamente mudamos de rumo e fugimos daquele lugar”, revela a brasileira.

Alguns fatos curiosos e misteriosos envolvendo o Triângulo das Bermudas:


500 a.C. – Pesadelo fenício

Cinco séculos antes de Cristo, os fenícios, civilização de exímios navegadores que surgiu onde hoje fica a Síria, no Oriente Médio, temiam monstros marinhos que se moviam num oceano de algas. Hoje, há especialistas que vêem nisso uma indicação de que eles teriam chegado ao mar de Sargaços, área infestada de algas sobre o Triângulo das Bermudas.


Século 15 – Sustos de Colombo

O navegador espanhol Cristóvão Colombo também temia essa parte do Mar do Caribe. Em seu diário de bordo, ele menciona estranhos acontecimentos no local, como o mau funcionamento de sua bússola e a presença de luzes emergindo do oceano.


Século 18 – Primeiro naufrágio

Em 1790, a embarcação do navegador espanhol Juan de Bermudez afundou na região, mas ele conseguiu sobreviver e encontrar uma ilha, que depois passaria a se chamar Bermudas (nome atual), por causa de seu sobrenome. O navegador não só esteve num dos primeiros naufrágios registrados no Triângulo como ainda batizou o arquipélago.


1945 – O caso mais polêmico

Cinco bombardeiros Torpedo, da Marinha americana, decolam de Fort Lauderdale, na Flórida, e desaparecem com 14 tripulantes a bordo. O incidente do chamado Vôo 19 (seu número de controle no tráfego aéreo) tornaram a região mundialmente famosa como local de sumiços misteriosos.


1951 – Gigante desaparecido

Um avião cargueiro C-124, da Força Aérea americana, deixa de ser registrado por radares ao sobrevoar o Triângulo das Bermudas. Considerado um dos maiores aviões de carga do mundo, ele levava 52 tripulantes e jamais foi encontrado.


1963 – Rotina de sumiços

Em 1963, o navio cargueiro Marine Sulphur Queen, com seus 130 metros de comprimento, desaparece com 39 homens a bordo. Nenhum sinal de socorro foi emitido e o navio jamais foi encontrado.


1972 – O último caso

O desaparecimento do navio cargueiro alemão Anita, de 20 mil toneladas, foi o último acontecimento misterioso do Triângulo das Bermudas a ter grande repercussão em todo o mundo. Ele levava a bordo 32 pessoas e jamais foi encontrado.

Fonte: Mundo Estranho.

Previsões futurísticas para o ano 2000

Veja também: Previsões para os próximos 100 anos | A futurologia de Murilo Gun

Você já tentou imaginar como será o mundo no ano de 2100? Pois saiba que se você o fizer e colocar tudo no papel, as pessoas daquela época darão muitas risadas de sua ingenuidade. Afinal, é isso que fazemos hoje com quem fez aquelas famosas previsões futurísticas para o ano 2000. As ilustrações abaixo foram feitas por futuristas franceses em 1910 e pertencem a uma coleção extraída diretamente da Bibliothèque Nationale de France. A intenção era retratar como eles imaginavam o mundo no ano 2000, com todos os avanços tecnológicos do “novo milênio”. Muitas coisas que você verá aqui vão muito além da realidade e nem mesmo Steve Jobs ou Bill Gates foi capaz de pensar em algo tão miraculoso. Outras coisas refletem a ingenuidade das expectativas. Veja:

Todo mundo teria um monomotor e os guardas de trânsito voariam com asas!
Os bombeiros também teriam asas para apagar incêndios voando!
Um protótipo de um trem bala?
Nessa eles acertaram: previram os patins! (e as quedas rsrs)
Robôs para cortar cabelo? Deus me livre!
Esta é a minha preferida. Parece estúpida, mas acerta no ponto principal: livros de papel dando lugar à informação em mídias digitais!

Saindo da ópera no ano 2000

Como são tolas e ingênuas nossas previsões futurísticas! Prova disso está no passado; ou melhor, nas previsões futurísticas feitas no passado, sobre como seria o mundo hoje. Veja por exemplo esse desenho, feito pelo ilustrador francês Albert Robida, em 1882, que mostra uma vista aérea de Paris com pessoas saindo de uma ópera no ano 2000. Dois graves erros: primeiro, os nossos carros ainda não voam; e segundo, salvo raríssimas exceções, as pessoas não vão mais a óperas.

14342049131_fc60e02f34_b

Nos detalhes abaixo, note que muitos tipos de aeronaves são mostradas, incluindo ônibus voadores, limusines e o que seriam, presumivelmente, veículos policiais. Alguns veículos se parecem com peixes. À esquerda da cena, entre os veículos voadores, podemos ver um restaurante, que, como o prédio da ópera, é elevado a uma enorme altura acima da cidade vagamente discernível abaixo. À distância, pode-se ver a Torre Eiffel.

14345382535_299bd344f5_b

14343774132_ab08eab706_b

14342045881_d89680515c_b

14322249706_c06dcc8625_b

14158726548_175defaa57_b

14365566963_2d94c532ed_b

14365568063_9ed358fde4_b

Fonte: The Public Domain Review.


Como Isaac Asimov previu 2014

Em 1964, durante a Feira Mundial de Ciência e Tecnologia de Nova York, o jornal americano The New York Times convidou o futurólogo e escritor de ficção científica Isaac Asimov (1920-1992) a fazer previsões de como seria o mundo 50 anos depois, ou seja, agora em 2014. As previsões são surpreendentes.


Cozinha: Asimov prevê que os equipamentos de culinária pouparão a humanidade de fazer trabalhos tediosos. “As cozinhas estão equipadas para fazer auto-refeições. Almoços e jantares serão feitos com comidas semi-preparadas, que poderão ser conservadas em freezer. As cozinhas terão equipamentos capazes de preparar uma refeição individual em poucos segundos”. Só faltou usar a palavra “microondas”.

Computadores: O escritor previu um mundo repleto de computadores capazes de fazer as mais complexas tarefas. “Em 2014, haverá minicomputadores instalados em robôs”, escreve ele, no que parece ser uma alusão aos chips. E garantiu que eles serão capazes de traduzir, como se previsse a existência do Google Translator.

Comunicação: As ligações telefônicas terão imagem e voz, garantiu Asimov. “As telas serão usadas não apenas para ver pessoas, mas também para estudar documentos e fotos e ler livros”. E prevê que satélites em órbita tornarão possível fazer conexões telefônicas para qualquer lugar da Terra e até mesmo “saber o clima na Antártica”. Mas em Terra haverá outras soluções. “A conexão terá que ser feita em tubos de plástico, para evitar a interferência atmosférica”, escreve ele, como se já conhecesse a fibra ótica.

Cinema: Asimov previu que o cinema seria apresentando em 3D, mas garantiu que certas coisas nunca mudariam: “Continuarão a existir filas de três horas para ver o filme”.

Energia: Ele previu que já existiriam algumas usinas experimentais produzindo energia com a fusão nuclear. Errou. Mas acertou quando vaticinou a existência de baterias recarregáveis para alimentar muitos aparelhos elétricos de nossa vida cotidiana. Mais ainda: “Uma vez usadas, as baterias só poderão ser recolhidas por agentes autorizados pelos fabricantes” — o que deveria acontecer, mas nem sempre acontece.

Veículos: Asimov erra feio nas suas previsões relacionadas ao transporte. Ele acreditou que carros e caminhões pudessem circular sem encostar no chão ou água, deslizando a uma altura de “um ou dois metros”. E que não haveria mais necessidade de construir pontes, “já que os carros seriam capazes de circular sobre as águas, mas serão desencorajados a fazer isso pelas autoridades”.

Marte: Para o escritor, em 2014 o homem já terá chegado a Marte com espaçonaves não tripuladas, embora “já estivesse sendo planejada uma expedição com pessoas e até a formação de uma colônia marciana”. O que nos faz lembrar da proposta pública de uma viagem a Marte só de ida, feita recentemente, para formar a primeira colônia no planeta.

Televisão: Asimov cita a provável existência de “televisões de parede”, como se pudesse prever as telas planas, mas acredita que os aparelhos serão substituídos por cubos capazes de fazer transmissões em 3-D, visíveis de qualquer ângulo.

População: O escritor previu que a população mundial seria de 6,5 bilhões em 2014 (já passou dos 7 bilhões) e que áreas desérticas e geladas seriam ocupadas por cidades — o que não é exatamente errado. Mas preconizou, também, a má divisão de renda: “Uma grande parte da humanidade não terá acesso à tecnologia existente e, embora melhor do que hoje, estará muito defasada em relação às populações mais privilegiados do mundo. Nesse sentido, andaremos para trás”, escreve ele.

Comida: “Em 2014 será comum a ‘carne falsa’, feita com vegetais, e que não será exatamente ruim, mas haverá muita resistência a essa inovação”, escreve Asimov, referindo-se provavelmente aos hambúrgueres de soja.

Expectativa de vida: O escritor preconizou problemas devido à super população do planeta, atribuindo-a aos avanços da medicina: “O uso de aparelhos capazes de substituir o coração e outros órgãos vai elevar a expectativa de vida, em algumas partes do planeta, a 85 anos de idade”. A média mundial subiu de 52 anos em 1964 para 70 anos em 2012. Em alguns países, como Japão, Suíça e Austrália, já está em 82 anos.

Escola: “As escolas do futuro apresentarão aulas em circuitos fechados de TV e todos os alunos aprenderão os fundamentos da tecnologia dos computadores”, escreve Asimov.

Trabalho: Asimov previu uma população entediada, como sinal de uma doença que “se alastra a cada ano, aumentando de intensidade, o que terá consequência mentais, emocionais e sociais”. Depressão? “Ouso dizer”, prossegue ele, “que a psiquiatria será a especialidade médica mais importante em 2014. Aqueles poucos que puderem se envolver em trabalhos mais criativos formarão a elite da humanidade”.

É interessante observar que Asimov acerta bastante. E qual é o mistério nisso? Ele é algum tipo de profeta? Muito longe disso! É ciência pura. É futurologia. Ele simplesmente se apoiou em dados disponíveis em 1964 que possibilitaram a construção de cenários possíveis a partir da projeção dos avanços tecnológicos já desenhados naquela época. Porém, tanto Asimov quanto a maioria dos futurólogos de sua época não foram capazes de prever a internet. A meu ver, a rede mundial de computadores é tão importante para a difusão da informação e a democratização do conhecimento que pode ser comparada com o advento da imprensa de Gutemberg no século 15.

Com informações de: Hype Science.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 2 de 212
%d blogueiros gostam disto: