Quais são os sobrenomes mais comuns?

Os sobrenomes surgiram para diferenciar nomes repetidos – fato comum desde as culturas mais antigas. Os primeiros sobrenomes de que se tem notícia são os patronímicos, isto é, os que fazem referência ao pai. Esse gênero difundiu-se bastante na língua inglesa, em que há uma grande quantidade de sobrenomes que terminam em son (filho) – como Jackson, “filho de Jack”. Como esse método era limitado, alguns sobrenomes começaram a identificar também o local de nascimento: Tales de Mileto, Paulo de Tarso, Agostinho de Hipona, Tomás de Aquino, Francisco de Assis…

Os sobrenomes se tornaram hereditários à medida que a posse das terras passou a ser transmitida de geração em geração. Por isso mesmo, nobreza e clero foram os primeiros segmentos da sociedade a ter sobrenome, enquanto as classes baixas eram chamadas apenas pelo primeiro nome. O último nome, identificando a família, era inclusive usado como “documento” na hora da compra e venda da terra, um luxo reservado apenas aos mais favorecidos. “Existem documentos de 1161 em que as pessoas citadas já tinham sobrenomes”, diz a historiadora Rosemeire Monteiro, da Universidade Federal do Ceará.

O costume se ampliou com a inclusão de características físicas e geográficas ou de nomes de profissões. Assim, o sobrenome Rocha significa que o patriarca dessa família provavelmente vivia numa região rochosa. Silva vem do latim e indica que o patriarca dessa família vivia na selva, na floresta. Ferreira era ferreiro. Leite provavelmente possuía gado e produzia leite. Oliveira e Pereira eram famílias que originalmente plantavam olivas e peras. E assim sucessivamente (Fonte: Mundo Estranho). Agora vamos ao que interessa: Quais são os sobrenomes mais comuns no Brasil e no mundo?


Sobrenomes mais comuns do Brasil

1. Silva (5 milhões)

2. Santos (3,9 milhões)

3. Oliveira (3,7 milhões)

4. Souza (2,6 milhões)

5. Rodrigues (2,3 milhões)

6. Ferreira (2.3 milhões)

7. Alves (2,2 milhões)

8. Pereira (2,2 milhões)

9. Lima (2 milhões)

10. Gomes (1,6 milhão)

Fonte: Lista10.

Veja também: A origem dos 50 sobrenomes mais comuns do Brasil


Sobrenomes mais comuns do mundo

1. Lee (China)

2. Zhang (China)

3. Wang (China, Japão e Coreias)

4. García (Espanha e América Latina)

5. González (Espanha e América Latina)

6. Hernández (Espanha e América Latina)

7. Smith (Inglaterra e Estados Unidos)

8. Smirnov (Rússia)

9. Müller (Alemanha)

10. Silva (Brasil e Portugal)

Fonte: Top10Mais.


Sobrenomes mais comuns da Europa

sobrenomes-mais-comuns-na-europa


Brasões das famílias portuguesas

brasoes-familias

População de São Paulo comparada

Que São Paulo é grande todo mundo já sabe. Só pra você ter uma ideia, a capital paulista é dona da maior região metropolitana do mundo (considerando a população) e, segundo estimativas internacionais, já é a 10ª cidade mais rica do mundo (considerando o PIB) e até 2025 será a 6ª mais rica. Ter uma noção do tamanho da multidão paulista pode ser mais fácil se a compararmos à de alguns dos mais importantes países do mundo. Veja abaixo uma lista (não exaustiva) dos países que têm uma população menor que a do estado, região metropolitana e município de São Paulo.


Considerando o Estado:

800px-SaoPaulo_MesoMicroMunicip.svg

SÃO PAULO – 44 milhões

ARGENTINA – 41 milhões

POLÔNIA – 38 milhões

CANADÁ – 34 milhões


Considerando a região metropolitana:

800px-SaoPaulo_RM_SaoPaulo.svg

GRANDE SÃO PAULO – 32,5 milhões

VENEZUELA – 28,9 milhões

PERU – 28,7 milhões

ARÁBIA SAUDITA – 28,7 milhões

AUSTRÁLIA – 23,8 milhões

HOLANDA – 16,8 milhões

CHILE – 15,1 milhões

EQUADOR – 15,0 milhões


Considerando só o município:

800px-SaoPaulo_Municip_SaoPaulo.svg

SÃO PAULO – 11,5 milhões

GRÉCIA – 11,3 milhões

PORTUGAL – 10,5 milhões

BOLÍVIA – 10,4 milhões

BÉLGICA – 10,4 milhões

SUÉCIA – 9,4 milhões

ÁUSTRIA – 8,4 milhões

ISRAEL – 8,1 milhões

SUÍÇA – 8,0 milhões

PARAGUAI – 7,4 milhões

DINAMARCA – 5,6 milhões

FINLÂNDIA – 5,3 milhões

NORUEGA – 5,1 milhões

IRLANDA – 4,5 milhões

NOVA ZELÂNDIA – 4,4 milhões

CROÁCIA – 4,4 milhões

URUGUAI – 3,4 milhões


Entre rios: a urbanização de São Paulo

Quando chove, os moradores de São Paulo percebem algo que os índios que aqui viviam já sabiam desde sempre: a cidade é cercada de água por todos os lados. Só que os índios, ao contrário dos atuais habitantes, sabiam conviver em harmonia e até aproveitar as virtudes dos rios. Na verdade, a própria origem da cidade de São Paulo tem a ver com o entroncamento dos rios Tamanduateí, Tietê, Ipiranga e outros. A ladeira Porto Geral, no centro de compras da 25 de Março, por exemplo, tem esse nome justamente porque ali havia um importante porto. Os rios estavam no DNA da vocação inicial da cidade: um hub comercial em direção ao interior. Com o crescimento urbano, alguém teve a infeliz ideia de dar as costas para os rios. Pior: endireitá-los, aterrá-los e enterrá-los. Tudo para aproveitar o espaço, agilizar o escoamento de água e esgoto e espantar os mosquitos.

Esta e outras histórias são contadas no curta “Entre Rios”. O documentário foi realizado como trabalho de conclusão do curso de audiovisual do SENAC-SP pelos alunos Caio Silva Ferraz, Luana de Abreu e Joana Scarpelini e contou com a colaboração de várias pessoas. Vale a pena conhecer a origem das dores de cabeça das enchentes de hoje para poder mudar a forma como olhamos para os rios e a nossa história.

Como medir a qualidade de uma cidade

Artigo publicado na revista Gangorra para comemorar o Dia Mundial Sem Carro.

Quer saber se uma cidade é boa ou ruim? É simples: olhe para fora da janela e tente calcular a proporção de crianças entre as pessoas que estão na rua. A cada 100 pessoas que passam, quantas são crianças caminhando para a escola, pedalando pela rua ou brincando na calçada? Se forem muitas, sua cidade está saudável. Se forem poucas, sua cidade está doente. Se não houver nenhuma, a doença é grave: sua cidade precisa de uma intervenção urgente, seu prefeito está trabalhando errado. A quantidade de crianças na rua é o melhor indicador para medir a qualidade de uma cidade porque ele é multidimensional: traz ao mesmo tempo informação sobre saúde, segurança e educação, três itens centrais para definir qualidade de vida. Pelo seguinte:

Saúde: Caminhar ou andar de bicicleta por meia hora diariamente é o suficiente para uma criança afastar muito o risco de sofrer no futuro diabetes, hipertensão, câncer e doenças do coração. Criar condições para que todas as crianças façam esse tipo de exercício na ida e na volta da escola é uma forma infalível de garantir uma população saudável e economizar uma fortuna de dinheiro público em hospitais.

Segurança: Está bem estabelecida a relação estatística entre o número de crianças pedalando e a segurança no trânsito. Crianças de bicicleta são um indicador preciso: se há muitas delas na rua, praticamente não ocorrem acidentes, em parte porque seres humanos são geneticamente programados para tomar cuidado quando há crianças por perto. Além disso, crianças aumentam muito a quantidade de “olhos da rua”, que são as pessoas que ficam na entrada de casa olhando para o movimento da calçada, e que fazem com que o índice de crimes naquele lugar caia imensamente. Ruas com muita vida comunitária tendem a ter muitos “olhos”, e portanto são bem mais seguras.

Educação: Uma pesquisa com 20 mil estudantes dinamarqueses revelou que crianças que vão para a escola a pé ou de bicicleta têm uma capacidade bem maior de se concentrar na aula, e aprendem mais do que as que vão de carro. A pesquisa revelou que, quatro horas depois do início das aulas, os alunos que pedalaram ou caminharam continuam mais atentos e aprendendo mais do que os outros. Outra pesquisa reveladora foi feita na Califórnia, em 1993. Cientistas pediram a crianças que vão para a escola a pé, de bicicleta ou de carro para que elas desenhassem o bairro, e depois as entrevistaram. A conclusão foi que crianças que caminham ou pedalam tem habilidades cognitivas muito maiores: elas têm mais noção de espaço e desenvolvem mais suas capacidades sociais.

Enfim, para resumir: cidades sem crianças nas ruas possuem índices maiores de obesidade infantil e gastam mais combatendo doenças, são mais violentas no trânsito, têm maior criminalidade, atrapalham o rendimento escolar das crianças, reduzem a eficácia da educação e prejudicam as capacidades cognitivas e sociais das crianças. Ainda assim, muitas cidades brasileiras medem a qualidade de suas vias simplesmente contando quantos veículos passam por determinada rua em uma hora. Quanto mais veículos, maior a eficácia da via. Ou seja: para os administradores urbanos das principais cidades brasileiras, cidade boa é aquela onde as filas de carro não param nunca de passar, espalhando fumaça tóxica e expulsando as crianças. É um critério ruim, e ajuda a entender por que nossas cidades estão tão ruins. Deveríamos exigir dos nossos prefeitos que monitorem a proporção de crianças no espaço público e que governem todos os dias com um objetivo central: aumentar essa proporção. Simples assim.


Ranking do custo de vida nas capitais

De acordo com o ranking abaixo, elaborado pelo site Custo de Vida, São Paulo é a capital brasileira mais cara para se viver, junto com Brasília e Rio de Janeiro. A minha João Pessoa é a mais barata. Aqui, mesmo com a crise e a inflação, seu dinheiro vale mais.

ranking - custo de vida

São Paulo será 6ª cidade mais rica do mundo até 2025, segundo estimativas internacionais

Veja também: População de São Paulo comparada

A cidade de São Paulo deve se tornar a sexta mais rica do mundo até 2025, segundo ranking compilado pela consultoria econômica internacional PwC. De acordo com o estudo, a capital paulista, atualmente na décima posição, deve crescer em média 4,2% ao ano até 2025, ultrapassando cidades como Paris, Osaka e Cidade do México. Com um crescimento semelhante, o Rio de Janeiro deve passar da 30ª para a 24ª posição. Outras sete cidades brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba, Recife, Fortaleza e Salvador) devem figurar entre as 150 cidades com maior PIB no mundo em 2025.

O estudo destaca ainda o crescimento acelerado das economias emergentes, que deve elevar de 39 para 48 o número de cidades de países em desenvolvimento entre as 100 mais ricas do mundo. “Se olharmos para a projeção de crescimento do PIB de 2008 para 2025 das maiores cidades de países emergentes e de países desenvolvidos, a comparação é impressionante. Cidades como Xangai, Pequim e Mumbai, por exemplo, têm um crescimento projetado de 6% a 7% ao ano em termos reais, enquanto cidades como Nova York, Tóquio, Chicago e Londres devem crescer somente em torno de 2% ao ano em média”, observa John Hawksworth, diretor do setor de macroeconomia da PwC.

A cidade de Mumbai, centro financeiro da Índia, deve ser, entre as 30 primeiras, a que mais posições subirá no ranking, segundo o levantamento, saindo da atual 29ª posição para a 11ª em 2025. No mesmo período, a capital da China, Pequim, deve saltar do 38º para o 17º lugar, enquanto Xangai, o centro financeiro chinês, deve subir da 25ª para a 9ª posição. O ranking das cidades com o maior crescimento estimado do PIB até 2025 é liderado por duas cidades do Vietnã (Hanoi e Ho Chi Min), com uma elevação média de 7% no período. Entre as 30 cidades com o maior crescimento econômico no período estão ainda 12 indianas e 9 chinesas. As três primeiras posições do ranking (Tóquio, Nova York e Los Angeles) devem se manter inalteradas até 2025. O estudo da PwC foi baseado nas estimativas de população e crescimento das Nações Unidas, da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e de governos locais.


As 10 cidades mais ricas do mundo em 2012:

1. Tóquio (Japão)

2. Nova York (EUA)

3. Los Angeles (EUA)

4. Chicago (EUA)

5. Londres (Inglaterra)

6. Paris (França)

7. Osaka (Japão)

8. Cidade do México (México)

9. Filadélfia (EUA)

10. São Paulo (Brasil)


Estimativa das cidades mais ricas do mundo em 2025:

1. Tóquio

2. Nova York

3. Los Angeles

4. Londres

5. Chicago

6. São Paulo

7. Cidade do México

8. Paris

9. Xangai

10. Buenos Aires

24. Rio de Janeiro

51. Brasília

85. Porto Alegre

89. Belo Horizonte

112. Curitiba

132. Recife

141. Fortaleza

149. Salvador


As 45 cidades mais ricas das Américas:

Segundo ranking da PwCdas 45 metrópoles com maior PIB do continente americano, mais da metade (23 delas) ficam nos Estados Unidos. Fora dos EUA, a cidade mais bem colocada no ranking é São Paulo, na quarta colocação, atrás apenas das americanas Nova YorkLos Angeles e Chicago. A segunda cidade brasileira melhor colocada é o Rio de Janeiro, na 18ª posição. Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba, Recife, Fortaleza e Salvador também aparecem entre as 45 mais ricas do novo mundo. Veja:

PosiçãoCidadePaísPIB (bi US$)capital nacional
1Nova York EUA$ 1406
2Los Angeles EUA$ 792
3Chicago EUA$ 574
4São Paulo Brasil$ 477
5Filadélfia EUA$ 388
6Cidade De Mexico México$ 388
7Washington DC EUA$ 375
8Boston EUA$ 363
9Buenos Aires Argentina$ 362
10Dallas EUA$ 338
11Atlanta EUA$ 304
12São Francisco EUA$ 301
13Houston EUA$ 297
14Miami EUA$ 292
15Toronto Canadá$ 253
16Detroit EUA$ 253
17Seattle EUA$ 235
18Rio de Janeiro Brasil$ 201
19Phoenix EUA$ 200
20Minneapolis EUA$ 194
21San Diego EUA$ 191
22Denver EUA$ 165
23Montreal Canadá$ 148
24Baltimore EUA$ 137
25St. Louis EUA$ 126
26Tampa EUA$ 123
27Santiago Chile$ 120
28Cleveland EUA$ 112
29Brasília Brasil$ 110
30Portland EUA$ 110
31Lima Peru$ 109
32Monterrey México$ 102
33Bogotá Colômbia$ 100
34Pittsburgh EUA$ 99
35Vancouver Canadá$ 95
36Guadalajara México$ 81
37Porto Alegre Brasil$ 66
38Belo Horizonte Brasil$ 61
39Medellín Colômbia$ 50
40Curitiba Brasil$ 44
41Puebla México$ 42
42Caracas Venezuela$ 41
43Recife Brasil$ 35
44Fortaleza Brasil$ 25
45Salvador Brasil$ 10

PIB de São Paulo comparado ao de países:

Todos os países vizinhos da América do Sul, além de grandes nações europeias como Suécia, Noruega, Bélgica, Polônia, Áustria, Dinamarca, Grécia, Finlândia, Portugal e Irlanda ficam no chinelo comparadas à cidade de São Paulo. Segundo o Wikipedia, o PIB atual da capital paulista é de 1,4 trilhões de reais. Feita a devida conversão, isso equivale a aproximadamente 537 bilhões de dólares. A tabela a seguir traz uma lista de países que têm um PIB menor do que isso e informa a posição de cada país no ranking do PIB e o seu respectivo valor (em milhões de dólares). Repare que apenas a cidade de São Paulo possui um PIB mais de três vezes maior que o de todo o Uruguai!

21 Suécia520.256
22 Noruega499.827
23 Irã483.780
24 Bélgica476.796
25 Argentina474.812
26 Polónia470.354
27 Taiwan466.054
28 Áustria391.469
29 África do Sul390.919
30 Tailândia376.989
31 Colômbia365,402
32 Emirados Árabes361.912
33 Venezuela337.979
34 Dinamarca309.180
35 Malásia307.178
36 Nigéria272.550
37 Chile268.278
38 Singapura267.941
39 Hong Kong260.471
40 Egito255.001
41 Grécia254.978
42 Finlândia247.189
43 Israel246.780
44 Filipinas240.664
45 Paquistão230.525
46 Portugal210.620
47 Argélia206.545
48 Irlanda204.710
49 Cazaquistão200.642
50 Peru200.292
51 República Checa193.513
52 Catar184.566
53 Ucrânia180.174
54 Kuwait174.628
55 Romênia171.401
56 Nova Zelândia166.923
57 Vietnã137.681
58 Iraque130.574
59 Hungria129.959
60 Bangladesh118.639
61 Angola114.833
62 Marrocos97.173
63 Eslováquia91.186
64 Líbia85.109
65 Equador80.927
66 Azerbaijão71.043
67 Omã79.974
68 Sri Lanka59.773
69 República Dominicana59.133
70 Bielorrússia58.125
71 Croácia57.493
72 Luxemburgo55.287
73 Myanmar54.049
74 Uzbequistão51.622
75 Sudão51.583
76 Bulgária50.806
77 Guatemala50.296
78 Uruguai49.716

Documentário sobre a cidade de São Paulo


Chegando em São Paulo (GRU Airport)

Com informações de: PwCBBC Brasil e Wikipedia.

As 50 maiores metrópoles do mundo

Veja também: População de São Paulo comparada

A questão sobre quais são as maiores metrópoles do mundo é complexa, visto que não há uma única resposta correta, simplesmente porque existem muitas maneiras diferentes de definir uma “metrópole”. Um dos métodos mais aceitos é o que leva em consideração a região metropolitana. No entanto, atualmente não existe uma definição amplamente aceita de região metropolitana. Uma tentativa é o estudo de Richard Forstall, Richard Greene e James Pick. Com base em critérios definidos de forma consistente sobre área metropolitana, eles tabularam as 20 maiores regiões metropolitanas do mundo em 2003. Como os números da população são interpretados e apresentados de forma diferente de acordo com diferentes métodos de coleta de dados, definições e fontes, estes números devem ser vistos como aproximados. Dados de outras fontes podem ser igualmente válidos, mas diferem por serem medidos de acordo com diferentes critérios ou retirados de diferentes anos censitários. (Fonte: Wikipedia).

Área metropolitanaPaísEstimativa oficialAno
Tóquio Japão37 883 000[3]2014
Seul Coreia25 360 000[4]2013
Xangai China25 850 000[5]2014
Deli Índia21 753 486[6]2011
Cidade do México México21 178 959[7]2014
Pequim China21 148 000[8]2013
São Paulo Brasil20 935 204[9]2014
Mumbai Índia20 748 395[6]2011
Jacarta Indonésia17 939 000[10]2010
Nova York EUA19 949 502[11]2013
Osaka-Kobe-Kyoto Japão19 342 000[3]2010
Cairo Egito16 292 269[12]2006
Calcutá Índia14 617 882[6]2011
Istambul Turquia14 160 467[13]2013
Londres Reino Unido13 614 409[14]2012
Los Angeles EUA13 131 431[11]2013
Buenos Aires Argentina13 074 000[15]2010
Daca Bangladesh12 797 394[16]2008
Paris França11 978 363[17]2011
Rio de Janeiro Brasil11 973 505[9]2014
Manila Filipinas11 855 975[18]2010
Reno-Ruhr Alemanha11 470 000[19]2012
Lima Peru9 735 587[20]2014
Chicago EUA9 537 289[11]2013
Bogotá Colômbia9 512 407[21]2013
Nagoia Japão9 107 000[3]2010
Taipei Taiwan9 093 674[6]2014
Chennai Índia8 917 749[6]2011
Bangalore Índia8 728 906[6]2011
Teerã Irão8 154 051[22]2011
Hyderabad Índia7 749 334[6]2011
Milão Itália7 400 0002013
Hong Kong Hong Kong7 234 800[23]2014
Dallas–Fort Worth EUA6 810 913[11]2013
Santiago Chile6 683 852[24]2012
MadridFlag of Spain.svg Espanha6 414 620[25]2012
Ahmedabad Índia6 352 254[6]2011
Houston EUA6 313 158[11]2013
Filadélfia EUA6 034 678[11]2013
Toronto Canadá5 959 505[26]2013
Washington, D.C. EUA5 949 859[11]2013
Miami EUA5 828 191[11]2013
Frankfurt Alemanha5 821 523[27]2012
Belo Horizonte Brasil5 767 414[9]2014
Atlanta EUA5 522 942[11]2013
BarcelonaFlag of Spain.svg Espanha5 357 422[28]2011
Singapura Singapura5 312 000[29]2012
Munique Alemanha5 203 738[30]
Berlim Alemanha5 145 576[27]2012
Hamburgo Alemanha5 100 000[27]2012
Pune Índia5 049 968[6]2011
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 2 de 212
%d blogueiros gostam disto: