Qual é o seu ikigai?

Artigo do professor Marco Mello no blog Sobrevivendo na Ciência.

Na cultura de Okinawa, no Japão, há um conceito muito simples e profundo, com infinitas camadas, conhecido como ikigai (生き甲斐). Em uma tradução aproximada, significa “razão de viver”. Também tem sido traduzido, de maneira bem livre, como “razão pela qual você se levanta de manhã”. No tradutor do Google, a tradução literal é “sal da vida”. No Ocidente, o conceito de ikigai tem sido aplicado à orientação vocacional e ao coaching no mundo corporativo. Graças a alguns estudos muito interessantes e à menção do conceito em palestras para grandes públicos, ele tem sido estendido a várias outras áreas. Veja uma síntese gráfica do ikigai:

ikigai

Vamos considerar que qualquer atividade que desenvolvemos pode cair em um desses quatro grandes conjuntos: (1) aquilo que amamos, (2) aquilo que fazemos bem, (3) aquilo do que o mundo precisa, e (4) aquilo que te pagam para fazer. Esses conjuntos têm diferentes interseções entre si. Pode haver uma atividade que você ame e faça bem; se você descobri-la, saiba que essa é a sua paixão. Outra atividade você faz bem e é rentável; essa é sua vocação. Em alguns casos, há uma atividade que você e ama e da qual o mundo precisa; essa é sua missão. Quando o mundo precisa de uma atividade, está disposto a pagar por ela e você está disposto a realizá-la, essa é sua profissão.

A maioria das pessoas tem apenas uma ocupação, que é um emprego ou bico que paga as contas, por mais que elas o detestem ou ganhem mal por ele. Outras mais realizadas têm uma profissão. Aquelas que têm mais sorte ainda encontram uma vocação e a realizam. Poucas pessoas conseguem ganhar dinheiro com uma paixão, deixando essa atividade no campo do hobby. Menos pessoas ainda conseguem botar pão na mesa com uma missão, mas, por acreditarem muito nela, acabam realizando-a no campo do voluntariado. Qualquer uma dessas quatro interseções pode levar a uma vida produtiva e feliz. Contudo, para viver uma vida plena, o ideal é conseguir colocar a principal atividade que você desenvolve na interseção dos quatro conjuntos. Este é o ikigai. Ou seja: uma vida plena envolve ocupar a maior parte do seu tempo e energia com algo que você ama, faz bem, o mundo precisa e ainda te pagam para fazer.

Além dessa atividade principal, é saudável dedicar-se também a atividades paralelas, como hobbies e voluntariado. Por exemplo, pode ser que você trabalhe como cientista, mas também goste muito de praticar artes marciais. Como essas duas coisas são muito diferentes entre si e exigem talento, treinamento e prática, é improvável que o seu ikigai esteja nas duas. Pode ser que você ame ambas, mas faça uma bem melhor do que a outra. Se isso for verdade, provavelmente as pessoas estarão dispostas a te pagar por uma delas, mas não pela outra. Assim, a decisão mais sábia para alguém que presta atenção à própria voz interior é focar naquela em que pode ter um desempenho mais elevado e fazer dela sua ocupação principal, mantendo a outra como hobby.

Em alguns casos mais raros, acontece de a pessoa amar muito uma atividade, fazê-la bem, mas o mundo achar que não precisa dela e, por isso, ninguém estar disposto a pagar a conta. Quem cai nesse tipo de combinação pode se perder em um vórtice de frustração e auto-piedade, como muitos gênios incompreendidos que não dão em nada. Contudo, algumas dessas pessoas à frente do próprio tempo têm uma ambição tão grande e uma capacidade de convencimento tão forte que conseguem mostrar ao mundo que ele realmente precisa de algo que sequer sabia existir. Pense no exemplo dos produtos criados pelo Steve Jobs, que não era bom em programação ou engenharia eletrônica, mas sabia como ninguém enxergar dois passos à frente e reger “orquestras” formadas por excelentes profissionais de diferentes áreas.

E já que estamos falando nele, recomendo que você assista abaixo ao famoso discurso de Steve Jobs na Universidade Stanford, nos Estados Unidos, em 2005. Ele fala sobre ligar os pontos e descobrir o seu ikigai. Siga o conselho dele e não viva a vida de outra pessoa. Ninguém pode dizer a você qual é o seu ikigai. Descobri-lo é uma jornada pessoal, íntima e introspectiva. Contudo, você deve ficar constantemente atento aos sinais que indicam se você está ou não no caminho certo. Além disso, procure se cercar de pessoas que te puxam para cima e te deixam mais próximo do seu ikigai. Procurar o próprio ikigai pode parecer uma meta egoísta, mas uma pessoa plenamente realizada torna o mundo um lugar melhor para as outras pessoas, enquanto uma pessoa frustrada leva outras para o buraco com ela. Antes de arrumar o mundo, arrume o seu quarto.

Por que os profissionais da geração Y estão infelizes com suas carreiras?

Ana é parte da Geração Y, a geração de jovens nascidos entre o fim da década de 1970 e a metade da década de 1990. Ela também faz parte da cultura Yuppie, que representa uma grande parte da geração Y. “Yuppie” é uma derivação da sigla “YUP”, expressão inglesa que significa “Young Urban Professional”, ou seja, Jovem Profissional Urbano. É usado para referir-se a jovens profissionais entre os 20 e os 40 anos de idade, geralmente de situação financeira intermediária entre a classe média e alta.

Os yuppies em geral possuem formação universitária, trabalham em suas profissões de formação e seguem as últimas tendências da moda. Eu dou um nome para yuppies da geração Y — costumo chamá-los de “Yuppies Especiais e Protagonistas da Geração Y”, ou “GYPSY” (Gen Y Protagonists & Special Yuppies). Um GYPSY é um tipo especial de yuppie, um tipo que se acha personagem principal de uma história muito importante.

Então Ana está lá, curtindo sua vida de GYPSY, e ela gosta muito de ser a Ana. Só tem uma pequena coisinha atrapalhando: Ana está meio infeliz. Para entender a fundo o porquê de tal infelicidade, antes precisamos definir o que faz uma pessoa feliz, ou infeliz. É uma formula muito simples. Quando a realidade da vida de alguém está melhor do que essa pessoa estava esperando, ela está feliz. Quando a realidade acaba sendo pior do que as expectativas, essa pessoa está infeliz.

Para contextualizar melhor, vamos falar um pouco dos pais da Ana. Os pais da Ana nasceram na década de 1950 — eles são Baby Boomers. Foram criados pelos avós da Ana, nascidos entre 1901 e 1924, e definitivamente não são GYPSYs. Na época dos avós da Ana, eles eram obcecados com estabilidade econômica e criaram os pais dela para construir carreiras seguras e estáveis. Eles queriam que a grama dos pais dela crescesse mais verde e bonita do que eles as deles próprios. Algo assim:

Eles foram ensinados que nada podia os impedir de conseguir um gramado verde e exuberante em suas carreiras, mas que eles teriam que dedicar anos de trabalho duro para fazer isso acontecer.

Depois da fase de hippies insofríveis, os pais da Ana embarcaram em suas carreiras. Então nos anos 1970, 1980 e 1990, o mundo entrou numa era sem precedentes de prosperidade econômica. Os pais da Ana se saíram melhores do que esperavam, isso os deixou satisfeitos e otimistas.

Tendo uma vida mais suave e positiva do que seus próprios pais, os pais da Ana a criaram com um senso de otimismo e possibilidades infinitas. E eles não estavam sozinhos. Baby Boomers em todo o país e no mundo inteiro ensinaram seus filhos da geração Y que eles poderiam ser o que quisessem ser, induzindo assim a uma identidade de protagonista especial lá em seus sub-conscientes. Isso deixou os GYPSYs se sentindo tremendamente esperançosos em relação à suas carreiras, ao ponto de aquele gramado verde de estabilidade e prosperidade, tão sonhado por seus pais, não ser mais suficiente. O gramado digno de um GYPSY também devia ter flores.

Isso nos leva ao primeiro fato sobre GYPSYs: eles são ferozmente ambiciosos.

President1

O GYPSY precisa de muito mais de sua carreira do que somente um gramado verde de prosperidade e estabilidade. O fato é, só um gramado verde não é lá tão único e extraordinário para um GYPSY. Enquanto seus pais queriam viver o sonho da prosperidade, os GYPSYs agora querem viver seu próprio sonho. Cal Newport aponta que “seguir seu sonho” é uma frase que só apareceu nos últimos 20 anos, de acordo com o Ngram Viewer, uma ferramenta do Google que mostra quanto uma determinada frase aparece em textos impressos num certo período de tempo. Essa mesma ferramenta mostra que a frase “carreira estável” saiu de moda, e  também que a frase “realização profissional” está muito popular.

Para resumir, GYPSYs também querem prosperidade econômica assim como seus pais – eles só querem também se sentir realizados em suas carreiras, uma coisa que seus pais não pensavam muito. Mas outra coisa está acontecendo. Enquanto os objetivos de carreira da geração Y se tornaram muito mais específicos e ambiciosos, uma segunda ideia foi ensinada à Ana durante toda sua infância:

Esta é provavelmente uma boa hora para falar do nosso segundo fato sobre os GYPSYs: eles vivem uma ilusão. Na cabeça de Ana passa o seguinte pensamento: “mas é claro… todo mundo vai ter uma boa carreira, mas como eu sou prodigiosamente magnífica, de um jeito fora do comum, minha vida profissional vai se destacar na multidão”. Então se uma geração inteira tem como objetivo um gramado verde e com flores, cada indivíduo GYPSY acaba pensando que está predestinado a ter algo ainda melhor: Um unicórnio reluzente pairando sobre um gramado florido.

Mas por que isso é uma ilusão? Por que isso é o que cada GYPSY pensa, o que põe em xeque a definição de especial: “melhor, maior, ou de algum modo diferente do que é comum”. De acordo com esta definição, a maioria das pessoas não são especiais, ou então “especial” não significaria nada. Mesmo depois disso, os GYPSYs lendo isto estão pensando: “Bom argumento… Mas eu realmente sou um desses poucos especiais”.

É aí que está o problema. Outra ilusão é montada pelos GYPSYs quando eles adentram o mercado de trabalho. Enquanto os pais da Ana acreditavam que muitos anos de trabalho duro eventualmente os renderiam uma grande carreira, Ana acredita que uma grande carreira é um destino óbvio e natural para alguém tão excepcional como ela, e para ela é só questão de tempo e escolher qual caminho seguir. Suas expectativas pré-trabalho são mais ou menos assim:

Infelizmente, o mundo não é um lugar tão fácil assim, e curiosamente carreiras tendem a ser muito difíceis. Grandes carreiras consomem anos de sangue, suor e lágrimas para se construir – mesmo aquelas sem flores e unicórnios – e mesmo as pessoas mais bem sucedidas raramente vão estar fazendo algo grande e importante nos seus vinte e poucos anos. Mas os GYPSYs não vão apenas aceitar isso tão facilmente.

Paul Harvey, um professor da Universidade de New Hampshire, nos Estados Unidos, e expert em GYPSYs, fez uma pesquisa onde conclui que a geração Y tem “expectativas fora da realidade e uma grande resistência em aceitar críticas negativas” e “uma visão inflada sobre si mesmo”. Ele diz que “uma grande fonte de frustrações de pessoas com forte senso de grandeza são as expectativas não alcançadas. Elas geralmente se sentem merecedoras de respeito e recompensa que não estão de acordo com seus níveis de habilidade e esforço, e talvez não obtenham o nível de respeito e recompensa que estão esperando”.

Para aqueles contratando membros da geração Y, Harvey sugere fazer a seguinte pergunta durante uma entrevista de emprego: “Você geralmente se sente superior aos seus colegas de trabalho/faculdade, e se sim, por quê?”. Ele diz que “se o candidato responde sim para a primeira parte mas se enrola com o porquê, talvez haja um senso inflado de grandeza. Isso é por que a percepção da grandeza é geralmente baseada num senso infundado de superioridade e merecimento. Eles são levados a acreditar, talvez por causa dos constantes e ávidos exercícios de construção de auto-estima durante a infância, que eles são de alguma maneira especiais, mas na maioria das vezes faltam justificativas reais para essa convicção”. E como o mundo real considera o merecimento um fator importante, depois de alguns anos formada, Ana se encontra aqui:

A extrema ambição de Ana, combinada com a arrogância, fruto da ilusão sobre quem ela realmente é, faz ela ter expectativas extremamente altas, mesmo sobre os primeiros anos após a saída da faculdade. Mas a realidade não condiz com suas expectativas, deixando o resultado da equação “realidade – expectativas = felicidade” no negativo. E a coisa só piora. Além disso tudo, os GYPSYs tem um outro problema, que se aplica a toda sua geração: eles estão sendo atormentados.

Obviamente, alguns colegas de classe dos pais da Ana, da época do ensino médio ou da faculdade, acabaram sendo mais bem-sucedidos do que eles. E embora eles tenham ouvido falar algo sobre seus colegas de tempos em tempos, através de esporádicas conversas, na maior parte do tempo eles não sabiam realmente o que estava se passando na carreira das outras pessoas. A Ana, por outro lado, se vê constantemente atormentada por um fenômeno moderno: Compartilhamento de fotos no Facebook.

As redes sociais criam um mundo para a Ana onde: A) tudo o que as outras pessoas estão fazendo é público e visível a todos, B) a maioria das pessoas expõe uma versão maquiada e melhorada de si mesmos e de suas realidades, e C) as pessoas que expõem mais suas carreiras (ou relacionamentos) são as pessoas que estão indo melhor, enquanto as pessoas que estão tendo dificuldades tendem a não expor sua situação. Isso faz Ana achar, erroneamente, que todas as outras pessoas estão indo super bem em suas vidas, só piorando seu tormento.

Então é por isso que Ana está infeliz, ou pelo menos, se sentindo um pouco frustrada e insatisfeita. Na verdade, seu início de carreira provavelmente está indo muito bem, mas mesmo assim, ela se sente desapontada. Aqui vão meus conselhos para Ana:

1) Continue ferozmente ambiciosa. O mundo atual está borbulhando de oportunidades para pessoas ambiciosas conseguirem sucesso e realização profissional. O caminho específico ainda pode estar incerto, mas ele vai se acertar com o tempo, apenas entre de cabeça em algo que você goste.

2) Pare de pensar que você é especial. O fato é que, neste momento, você não é especial. Você é outro jovem profissional inexperiente que não tem muito para oferecer ainda. Você pode se tornar especial trabalhando duro por bastante tempo.

3) Ignore todas as outras pessoas. Essa impressão de que o gramado do vizinho sempre é mais verde não é de hoje, mas no mundo da auto-afirmação via redes sociais em que vivemos, o gramado do vizinho parece um campo florido maravilhoso. A verdade é que todas as outras pessoas estão igualmente indecisas, duvidando de si mesmas, e frustradas, assim como você, e se você apenas se dedicar às suas coisas, você nunca terá razão pra invejar os outros.

Fonte do texto em inglês: Wait but why.

Fonte da tradução em português: QGA.

Veja também: A educação moderna criou adultos que se comportam como bebês

Como ser um estudante profissional

estudandoTodas as pessoas devem encontrar a sua vocação profissional e viver daquilo que mais sabem fazer. A maioria delas, quando descobrem o que querem fazer da vida, estudam até conseguir se tornar um profissional na sua área. Quando conseguem, param de estudar e vão procurar um emprego no mercado de trabalho, para exercer a profissão que aprenderam e colocar os conhecimentos adquiridos em prática. Algumas pessoas, porém, têm vocação para o próprio estudo: estudam muito para se tornar um estudante profissional e continuar estudando para o resto da vida. Esses optam por seguir a carreira acadêmica, continuam seus estudos na pós-graduação até o doutorado e se tornam pesquisadores, que são, podemos dizer, algo como “estudantes profissionais”. Mas vejamos o que isso significa.

Muita gente tem o hábito de preencher a palavra “estudante” na área destinada à profissão em formulários e documentos oficiais. Na grande maioria dos casos, isso é um erro. Um erro não porque a pessoa não seja de fato um estudante, mas porque isso quase sempre não é uma profissão. Profissão é aquilo que fazemos para sobreviver, é aquilo de onde tiramos nosso sustento, é a nossa principal fonte de renda. Qualquer atividade que eu pratique, por maior que seja a minha competência e excelência naquilo, não pode ser considerada a minha profissão se essa não for a minha principal fonte de renda. Portanto, mesmo que você não tenha um emprego formal e só faça isso da vida, ainda que com bolsa integral em uma instituição particular, não pode dizer que estudar é a sua profissão. Estudar pode ser a sua principal atividade, mas profissão é outra coisa.

Isso não quer dizer, todavia, que não haja estudantes profissionais. Como eu já disse, em nossa sociedade costumamos dar o nome de “pesquisador” a quem faz da carreira acadêmica a sua profissão. Na maioria dos casos, esse tipo de profissional trabalha também como professor universitário – essas duas atribuições, estudar e ensinar, quase sempre estão juntas. Mas, rigorosamente, um pesquisador é alguém que ganha a vida estudando (na verdade, pesquisando, que é um pouco diferente) e recebe um salário para estudar (ou pesquisar), quer seja do Estado (como é o caso das universidades públicas) ou da iniciativa privada – muitas empresas e indústrias contratam pesquisadores para desenvolver novas tecnologias. Em geral, para ser um pesquisador profissional, exige-se o título de doutor ou equivalente (PhD). No entanto, conquistar o título de doutor requer bastante tempo e esforço intelectual (pelo menos em tese, sem trocadilho). Além disso, antes de se tornar um pesquisador, você em geral precisa ser aprovado em um concurso público para fazer parte do corpo docente de um departamento (colegiado) em uma universidade pública.

Antes de ser pago para estudar, portanto, é preciso se dedicar bastante e investir muito tempo e esforço nos estudos de maneira, digamos, “amadora”, ou seja, não remunerada, até conseguir provar o seu valor e passar a receber um salário por isso. Em sentido mais amplo, também podemos considerar “estudantes profissionais” os alunos bolsistas da pós-graduação stricto sensu, que recebem da Capes atualmente entre R$ 1.500 (mestrado) e R$ 2.200 (doutorado) para desenvolver seus projetos de pesquisa. É claro que, uma vez recebendo um salário pago com dinheiro público, esses “estudantes profissionais” (leia-se pesquisadores) não podem simplesmente estudar de qualquer jeito, como bem entenderem. Além de planejar e dar aulas, corrigir provas e trabalhos, orientar alunos, participar de bancas e eventos acadêmicos e desenvolver projetos de pesquisa e extensão, o professor universitário precisa produzir trabalhos acadêmicos relevantes para o avanço da ciência, publicá-los em periódicos e revistas especializadas para a apreciação da comunidade científica e julgar o mérito do trabalho de seus colegas. Portanto, se você gosta de estudar e quer fazer isso pelo resto da sua vida, se você acha que tem vocação para a carreira acadêmica, arregace as mangas e comece desde já a levar a sério os estudos, pois você tem muito trabalho pela frente.

O que define um bom cientista?

Artigo do professor Marco Mello no blog Sobrevivendo na Ciência.

Essa pergunta, no fundo, não é tão difícil de responder: um bom cientista é aquele que produz conhecimento novo, seja investigando novas hipóteses ou destruindo hipóteses antigas que estavam incorretas. E um ótimo cientista é aquele que produz conhecimento tão original, que acaba por mudar substancialmente nossa forma de pensar sobre algum tema, ou que até mesmo inventa um tema inteiramente novo. Contudo, num mundo saturado de cientistas profissionais, tornou-se necessário responder essa pergunta de forma mais fina, criando-se um gradiente de qualidade a ser esmiuçado. Neste artigo conto um pouco sobre as formas de se avaliar cientistas e comento sobre as armadilhas envolvidas na cienciometria individual comparada.

Uma grande precisão cienciométrica nem sempre foi necessária. Até bem pouco tempo atrás, considerando que a ciência é uma cultura milenar, ninguém se preocupava muito em separar com exatidão o joio do trigo, porque o número de pesquisadores não era assim tão grande. Injustiças à parte, quem produzia má ciência era inicialmente ignorado por seus pares, e quem fazia descobertas relevantes era louvado. Isso porque, até meados do século 19, a pesquisa era uma atividade paralela para a maioria, que vivia de outros trabalhos. Poucos eram os profissionais, ou seja, aqueles que se sustentavam através da pesquisa. Dentre esses poucos profissionais, alguns contavam com fortunas de família (era o caso do Darwin, por exemplo) ou recebiam verbas de patrocinadores particulares, como os mecenas das artes. Raros eram os cientistas que contavam com verbas públicas. Contudo, no século 20, o quadro mudou radicalmente. Atualmente, no século 21, a grande maioria dos cientistas básicos se mantém com auxílios governamentais, e quase todos os cientistas aplicados contam com o apoio da indústria e das empresas. Isso fez o número de profissionais crescer exponencialmente nos países desenvolvidos (como a Alemanha) ou em desenvolvimento (como o Brasil), levando à uma produção maciça de conhecimento, mas também à uma saturação do mercado. Com isso criou-se um grande dilema: quem deve ser financiado com o dinheiro que vem dos impostos, ou seja, do meu e do seu bolso?

Essa grande pergunta tem várias facetas; mas ser financiado, na prática, significa duas coisas: (1) receber um salário ou bolsa para se dedicar integralmente à ciência e (2) receber verbas para cobrir os gastos das pesquisas. No caso das pesquisas em si, a situação é relativamente mais simples, mas ainda assim depende de quão caros são o material e a mão de obra necessários. Já em se tratando da subsistência do cientista, a situação fica mais complicada, especialmente para aqueles que fazem pesquisa básica, sem aplicação imediata para o desenvolvimento de tecnologia ou produtos, e portanto raramente financiada pela iniciativa privada. No caso de países em que a maioria dos cientistas básicos vive de salários e bolsas dados pelos governos, hoje em dia a briga por empregos é brutal em universidades e institutos de pesquisa.

Para resolver essa briga e decidir quem ganha qual cargo ou qual auxílio, várias abordagens já foram usadas. Antigamente, quando a competição não era tão forte, muitas vezes as decisões se baseavam em  conhecimento pessoal ou mesmo “herança”: geralmente quem era contratado eram os pupilos ou colaboradores próximos dos colegas já empregados. Os governos simplesmente confiavam no julgamento da comunidade científica e, infelizmente, muitas injustiças eram cometidas. Dos anos 1980 para cá, os órgãos de fomento à ciência começaram a procurar mecanismos de avaliação mais imparciais, mirando-se na ideia da revisão por pares, já usada nas revistas científicas há séculos. Quer dizer, cada candidatura a um cargo ou pedido de verba passou a ser avaliado por colegas, de preferência externos à instituição contratante, que se mantinham no anonimato. Pareceres eram emitidos pelos pares e então analisados por quem tinha o poder de decisão. Isso tornou o sistema mais imparcial, apesar de erros e injustiças continuarem a ser cometidos, mesmo que em menor escala.

Contudo, quando o número de profissionais e aspirantes atingiu um valor gigantesco no fim dos anos 1990, a revisão por pares tornou-se insuficiente em muitos casos. Foi preciso começar a buscar mecanismos baseados em indicadores, que pudessem ser avaliados por técnicos sem conhecimento científico ou até mesmo de forma automatizada. Resumidamente, num primeiro momento, definiu-se que mais era melhor: o melhor cientista era aquele que tinha mais publicações ou mais alunos orientados. Não importavam a qualidade dos artigos e nem dos alunos, apenas sua quantidade. Essa mentalidade ainda perdura até hoje, especialmente nos países em desenvolvimento. Porém, felizmente, isso já começou a mudar em alguns países e a qualidade passou a entrar na equação. O problema é que a única forma de se avaliar decentemente a qualidade de um cientista é conhecer bem sua área de pesquisa, ler seus artigos e saber o quanto eles influenciaram o conhecimento na área. Só assim é possível estimar com mais segurança a chance de que novos projetos de um pesquisador avaliado gerem resultados interessantes. Mas fazer isso para cada proponente é inviável num sistema com milhares competindo por verbas. Por isso, foram criados diferentes índices de qualidade, no caso das publicações; infelizmente os lados orientador e professor do cientista continuam negligenciados.

A Thomson Scientific (antigamente conhecida como Institute for Scientific Information), uma empresa americana, criou uma solução usada mundialmente: ela passou a monitorar a produção de uma amostra das principais revistas científicas mundiais, a fim de registrar quantos artigos elas produzem, quais desses artigos são citados por outras revistas e com que frequência. Daí nasceram a base de dados Web of Science (WoS) e o famigerado “fator de impacto” (IF, na sigla em inglês): um índice que mede a relevância de cada revista com base na frequência com que seus artigos são citados. Quanto maior o IF, melhor teoricamente é a revista. Esse índice dá uma medida relativamente boa de qualidade, porém que não é 100% precisa, já que não leva em conta fatores qualitativos, como o prestígio da revista, sua contribuição histórica, seu rigor na seleção de artigos e sua abertura para novidades que se desviem dos paradigmas vigentes (é muito mais fácil ser citado por concordar do que por discordar). Além disso, o IF só é comparável dentro de uma mesma área específica, já que o perfil de citações difere muito de uma ciência para a outra, ou mesmo entre especialidades de uma mesma ciência. Apesar dessas limitações, tornou-se possível assim avaliar a produção de um cientista tanto pelo número dos seus artigos, quanto pelo IF das revistas onde eles foram publicados.

Só que avaliar um cientista pelo IF médio das revistas onde ele publica tem um problema sério: o IF é uma propriedade da revista, não do cientista. Um artigo ter saído numa revista de alto impacto não significa necessariamente que ele mesmo teve um alto impacto. Ele pode até mesmo nunca ter sido citado. Por causa dessa limitação, começou-se a tentar medir o impacto individual de cada cientista. Assim, o próximo passo lógico nessa evolução foi contar quantas citações ao todo cada cientista já recebeu pelo total de suas publicações. Por essa lógica, quanto mais citado é um cientista, melhor ele deve ser. Porém, esse índice também não é completamente satisfatório, porque não leva em conta a distribuição das citações. Pode ser que 90% das citações de um cientista venham de um único artigo que ele publicou, sendo que seus outros artigos todos quase não tiveram impacto algum. Pode ser também que esse cientista hipotético tenha mais citações do que um outro, apesar de esse outro ter um número maior de artigos bem citados. A saída foi pensar num índice que contemplasse também essa heterogeneidade. Então chegou-se ao índice H. Ele é medido ranqueando-se todos os artigos de um cientista em ordem decrescente de acordo com seu número de citações. Estando todos ranqueados, o H é igual ao número em que o ranking do artigo é igual ao seu número de citações. Por exemplo, um cientista com H = 5 tem cinco publicações que receberam 5 ou mais citações. Agora sim, parecia que tínhamos chegado a uma medida mais precisa e fácil de se usar.

Mas nem tudo são flores… A primeira pegadinha na história do índice H é que ele só pode ser medido dentro de uma mesma base de dados, para que os valores sejam comparáveis entre cientistas. Até poucos anos, só tínhamos a base de dados WoS para fazer esse tipo de avaliação cienciométrica. E ela contém só uma amostra das revistas científicas existentes no mundo. Logo, as citações feitas em revistas não monitoradas são simplesmente ignoradas. Como a Thomson Scientific é uma empresa privada, ela define seus próprios critérios de inclusão de revistas e cobra um preço bem alto pelo acesso aos dados. Daí surgem diversos problemas políticos e práticos. Atualmente há concorrentes, tanto privados como públicos, como o Scopus e o Scielo. Mas o WoS continua sendo a principal base de dados usada por cientistas do mundo todo. Independente da acurácia do H no que diz respeito à citabilidade do cientista, a avaliação da qualidade ainda peca por não ser capaz de considerar aspectos qualitativos. Por exemplo, mesmo que 90% das citações se concentrem em um único trabalho do cientista, quem falaria alguma coisa contra ele, caso esse trabalho fosse a Origem das Espécies ou a Teoria Geral da Relatividade, por exemplo? Porém, como já dito, avaliar decentemente a qualidade fica cada vez mais difícil num sistema saturado.

Há ainda outro problema. A citabilidade, mesmo que medida acuradamente, também tem seu lado mau: trabalhos que realmente inovam, indo radicalmente contra a maré, dificilmente são aceitos para publicação nas melhores revistas e, muito menos, são citados nos primeiros anos. É bom lembrar que esses índices cienciométricos costumam ser medidos apenas para os últimos 3 ou 5 anos. Sujeitos como o Darwin, o Mendel e o Hennig mudaram a Biologia, porém nunca se sairiam bem nas avaliações cienciométricas modernas (não eram cientistas com H maiúsculo, de acordo com esse índice). No caso de muitos países em desenvolvimento, como o Brasil, a arte da cienciometria comparada tem ainda outro problema mais grave. A grande maioria dos cientistas básicos trabalha como professor universitário nesses países. E suas atribuições, obviamente, não envolvem só pesquisa, mas também formação de novos cientistas (orientação), ensino (graduação e pós), administração (cargos de chefia e coordenação de projetos) e extensão (divulgação científica, treinamento e consultoria educacional). Isso, desde o início da carreira. Desta maneira, como podemos ranquear os professores universitários por sua qualidade, tomando como critério apenas índices relacionados ao seu lado cientista, como IF médio, H ou similares?

Na minha opinião, isso é injusto, pois deveríamos considerar, ao menos, duas ou mais de suas facetas profissionais. É comum observarmos que alguns professores fazem ótimas pesquisas, mas dão péssimas aulas. Ou vice-versa. Outros são ótimos para captar recursos para o departamento, mas não produzem boa ciência, nem dão boas aulas. E há aqueles que são bons cientistas e bons professores, mas que não se comunicam bem com o público leigo, contribuindo para o estereótipo da “torre de marfim”. Cada profissional tem essas habilidades combinadas em diferentes medidas. Creio que, para sermos justos e darmos a cada um o que ele realmente merece, poderíamos seguir duas alternativas: (1) criar índices específicos para cada faceta ou (2) criar cargos específicos para cada uma. Eu prefiro a segunda, pois acho que seria ótimo acabarmos com a figura do professor faz-tudo, criando cargos distintos dentro da universidade para professores, pesquisadores, divulgadores e administradores realmente competentes no seu ramo. E, especialmente, cargos intermediários e não-vitalícios, para estágios iniciais da carreira após o doutoramento (tenure track, etc.). Isso é comum nos EUA e na Europa, por exemplo, onde os resultados são ótimos. Nesses países, há apenas um ou dois professores faz-tudo (catedráticos) por departamento, que só chegam ao cargo após terem muita experiência profissional.

Para terminar este artigo curto que acabou ficando longo, gostaria de enfatizar mais uma coisa importante: o respeito aos mais velhos. Por causa da atual atmosfera de competição acirrada e da pressão social dela resultante, tem aumentado também a tensão entre jovens e velhos cientistas. Vejo muitos colegas da minha geração ou mais novos criticando acaloradamente os colegas mais velhos e já estabelecidos. Criticam-se principalmente sua maneira de fazer ciência e sua velocidade de produção, ignorando-se o todo de sua contribuição e a bases que ela criou. Besteira. Cada geração tem seus valores e seu modus operandi. E cada uma contribui para a ciência à sua maneira. Quem hoje chama os mais velhos de cientistas antiquados, deve se lembrar de que provavelmente também será chamado assim daqui a uma ou duas gerações, pois a principal característica da ciência é a constante mudança, inclusive nos costumes.

O professor anacrônico

Artigo do blog Ensino e Pesquisa em Direito.

Veja também: O melhor professor que já tive
O computador pode substituir o professor?

O professor anacrônico é uma figura muito presente na educação brasileira, em todos os níveis. Ele é definido por aquilo que considera ser basicamente seu trabalho: “dar aula”, isto é, expor o assunto da ementa à turma, elaborar e corrigir provas, além de eventualmente tirar dúvidas dos alunos. No atual século 21, essa personagem é, sem exagero, uma peça de museu, assim como as pesadas armaduras de guerra, as máquinas de escrever e os telégrafos. Ou pelo menos é isso o que pretendo defender neste texto.

A oralidade foi a forma mais importante de transmitir informação e conservar a cultura, até o advento da invenção de Johannes Gutenberg, em meados do século 15. A prensa de tipos móveis permitiu disponibilizar a informação numa escala muito maior do que até então era possível, através da produção massiva de livros, panfletos e jornais. As primeiras universidades europeias (que ensinavam teologia, medicina, direito e “artes liberais”) surgiram entre o século 11 e 13 e, nesse período, a produção de livros, originais ou cópias, era feita por um demorado processo manual. Nesse contexto, de escassez de meios de informação, as aulas expositivas não eram apenas úteis, mas necessárias para a transmissão do conhecimento acumulado.

Hoje temos meios de comunicação inimagináveis para os professores medievais: uma quantidade enorme de material impresso e virtual, sendo que facilmente e por baixo custo é possível obter cópias de textos; diversos programas de rádio e televisão; sites de todo tipo e qualidade; blogs, redes sociais, canais online de vídeo, etc. Por isso, usar a sala de aula para quase somente expor conhecimentos acumulados é uma atividade que está em descompasso com as mudanças sociais desde pelo menos a época da invenção da prensa de tipos móveis. O professor anacrônico está desatualizado em 500 anos!

Uma aula que é quase somente a exposição de um assunto não é muito diferente da leitura de um livro. Algumas pessoas podem achar mais fácil aprender por uma explicação oral. Isso, porém, confunde a diferença de mídias com a diferença entre exposições de conteúdo: a diferença da explicação feita por um professor para a explicação lida em um livro é praticamente a mesma diferença entre as explicações lidas em livros diferentes, ou entre as explicações dadas por professores diferentes. O detalhe é que algumas pessoas acham mais cômodo ouvir do que ler – mas, para isso, elas não precisam de um professor, precisam apenas de um áudio. Um professor desse tipo, o professor anacrônico, é hoje tão dispensável que a Universidade Jiujiang, na China, já começou a testar uma robô professora, capaz até de repetir alguma lição, se solicitada.

A exposição de um assunto pode ser feita de forma organizada e sistemática através de vídeos, que podem ser vistos fora da sala de aula – o que representa uma economia de tempo em sala importante para o professor. Do ponto de vista didático, um vídeo bem feito geralmente é muito superior a uma aula puramente expositiva, além de ter a vantagem de poder ser assistido no momento mais conveniente, poder ser interrompido, assistido de novo quantas vezes for necessário, e ainda acelerado (prática que tem se tornado comum entre os estudantes, porque força a concentração e poupa tempo). Ademais, repetir sempre a mesma aula é cansativo e desestimulante para um professor.

Seria o professor anacrônico essencial para tirar dúvidas, elaborar e corrigir provas? Em termos. Como suas aulas expositivas vindas direto da Idade Média, a criação e execução dessas atividades passaram por mudanças nos tempos atuais: uma forma de auxílio bastante usada e estimulada em grandes universidades é a discussão entre pares, isto é, alunos, professores e staffs (professores auxiliares, estagiários, monitores, etc.) dialogam entre si para tirar dúvidas e discutir a matéria – plataformas de cursos online de alta qualidade usam fóruns muito organizados para fazer isso. Essa abordagem educativa é contrária à antiga visão de que o conhecimento é transmitido, de forma vertical, da brilhante cabeça do professor para a vazia cabeça dos alunos, e coerente com uma visão contemporânea de que o conhecimento é produzido mediante discussão.

Na mesma linha, a correção de certos tipos de prova pode hoje ser automatizada, como já é no caso da maioria das provas de concurso público e vestibulares no Brasil, e também no caso da maioria das atividades implementadas por plataformas de ensino à distância. Obviamente, por enquanto, é necessário haver alguém para elaborar as questões. Vale observar que a correção usual de provas pelo professor é um processo cansativo, monótono e que toma tempo, além de ser, em muitos casos, desnecessário. Se é tão dispensável, por que a espécie do professor anacrônico ainda existe em número tão elevado no Brasil? Por que não foi substituída por seres mais inteligentes ou máquinas, tanto no setor público quanto no setor privado?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 1 de 212
%d blogueiros gostam disto: