Sonetos de Augusto dos Anjos

Na última quarta-feira (12), completou-se o centenário da morte do maior poeta paraibano: Augusto dos Anjos (1884-1914). Como forma de homenageá-lo, compartilho com vocês nove sonetos do poeta. Um soneto é um tipo de poema de origem italiana, composto por 14 versos, geralmente divididos em 4 estrofes – as duas primeiras com 4 versos cada, e as duas últimas com 3 versos cada. Saboreie a poesia, aprendendo a apreciar, inclusive, o gosto amargo de seus versos fúnebres, mórbidos, viscerais, esplâncnicos e verminais.

.

Versos íntimos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

.

Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

.

A um monstro

Fome! E, na ânsia voraz que, ávida, aumenta,
Receando outras mandíbulas a esbangem,
Os dentes antropófagos que rangem,
Antes da refeição sanguinolenta!

Amor! E a satiríasis sedenta,
Rugindo, enquanto as almas se confrangem,
Todas as danações sexuais que abrangem
A apolínica besta famulenta!

Ambos assim, tragando a ambiência vasta,
No desembestamento que os arrasta,
Superexcitadíssimos, os dois

Representam, no ardor dos seus assomos
A alegoria do que outrora fomos
E a imagem bronca do que inda hoje sois!

.

Ao meu primeiro filho

(nascido morto com 7 meses incompletos, no dia 02 de fevereiro de 1911)

Agregado infeliz de sangue e cal,
Fruto rubro de carne agonizante,
Filho da grande força fecundante
De minha brônzea trama neuronial

Que poder embriológico fatal
Destruiu, com a sinergia de um gigante,
A tua morfogênese de infante,
A minha morfogênese ancestral?!

Porção de minha plásmica substância,
Em que lugar irás passar a infância,
Tragicamente anônimo, a feder?!…

Ah! Possas tu dormir feto esquecido,
Panteisticamente dissolvido
Na noumenalidade do NÃO SER!

.

O morcego

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.

“Vou mandar levantar outra parede…”
— Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh’alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

.

O meu nirvana

No alheamento da obscura forma humana,
De que, pensando, me desencarcero,
Foi que eu, num grito de emoção, sincero
Encontrei, afinal, o meu Nirvana!

Nessa manumissão schopenhauereana,
Onde a Vida do humano aspecto fero
Se desarraiga, eu, feito força, impero
Na imanência da Ideia Soberana!

Destruída a sensação que oriunda fora
Do tacto — ínfima antena aferidora
Destas tegumentárias mãos plebeias —

Gozo o prazer, que os anos não carcomem,
De haver trocado a minha forma de homem
Pela imortalidade das Ideias!

.

A ideia

De onde ela vem?! De que matéria bruta
Vem essa luz que sobre as nebulosas
Cai de incógnitas criptas misteriosas
Como as estalactites duma gruta?!

Vem da psicogenética e alta luta
Do feixe de moléculas nervosas,
Que, em desintegrações maravilhosas,
Delibera, e depois, quer e executa!

Vem do encéfalo absconso que a constringe,
Chega em seguida às cordas do laringe,
Tísica, tênue, mínima, raquítica …

Quebra a força centrípeta que a amarra,
Mas, de repente, e quase morta, esbarra
No mulambo da língua paralítica.

.

Idealismo

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo
O amor na Humanidade é uma mentira.
E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?

Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro —

E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

.

Agonia de um filósofo

Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obsoleto
Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo.
O Inconsciente me assombra e eu nêle tolo
Com a eólica fúria do harmatã inquieto!

Assisto agora à morte de um inseto!
Ah! todos os fenômenos do solo
Parecem realizar de pólo a pólo
O ideal de Anaximandro de Mileto!

No hierático areópago heterogêneo
Das idéas, percorro como um gênio
Desde a alma de Haeckel à alma cenobial!

Rasgo dos mundos o velário espesso;
E em tudo, igual a Goethe, reconheço
O império da substância universal!

Liberdade – Cecília Meireles

A poetisa, professora e jornalista carioca Cecília Meireles (1901-1964) estaria completando 113 anos hoje, se ainda não nos tivesse deixado. A crônica a seguir foi publicada no livro Escolha o seu sonho, no Rio de Janeiro, em 1964, ano de sua morte.


statue-of-libertyDeve existir nos homens um sentimento profundo que corresponda a essa palavra “liberdade”, pois sobre ela se têm levantado estátuas e monumentos, por ela se tem até morrido com alegria e felicidade. Diz-se que o homem nasceu livre, que a liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade de outrem, que onde não há liberdade não há pátria, que a morte é preferível à falta de liberdade, que renunciar à liberdade é renunciar à própria condição humana, que a liberdade é o maior bem do mundo, que a liberdade é o oposto da fatalidade e da escravidão. Nossos bisavós gritavam: “Liberdade, Igualdade e Fraternidade!”. Nossos avós cantaram: “Ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil!”. Nossos pais pediam: “Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós!”. E nós recordamos todos os dias que “o sol da liberdade em raios fúlgidos brilhou no céu da Pátria…” em certo instante. Somos, pois, criaturas nutridas de liberdade há muito tempo, com disposições de cantá-la, amá-la, combater e certamente morrer por ela.

Ser livre, como diria o famoso conselheiro, é agir segundo a nossa cabeça e nosso coração, mesmo tendo de partir esse coração e essa cabeça para encontrar um caminho. Enfim, ser livre é ser responsável, é repudiar a condição de autômato e de teleguiado, é proclamar o triunfo luminoso do espírito (suponho que seja isso). Ser livre é mais além: é buscar outro espaço, outras dimensões. É ampliar a órbita da vida. É não estar acorrentado. É não viver obrigatoriamente entre quatro paredes. Por isso os meninos atiram pedras e soltam papagaios. A pedra, inocentemente, vai até onde o sonho das crianças deseja ir (às vezes, é certo, quebra alguma coisa no percurso). Os papagaios vão pelos ares até onde os meninos de outrora não acreditavam que se pudesse chegar tão simplesmente com fio de linha e um pouco de vento.

Acontece, porém, que um menino, para empinar um papagaio, esqueceu-se da fatalidade dos fios elétricos e perdeu a vida. E os loucos que sonharam sair de seus pavilhões usando a fórmula do incêndio para chegarem à liberdade morreram queimados, com o mapa da liberdade nas mãos. São essas coisas tristes que contornam sombriamente aquele sentimento luminoso da liberdade. Para alcançá-la, estamos todos os dias expostos à morte. OS tímidos preferem ficar onde estão, prender melhor suas correntes e não pensar em assunto tão ingrato. Mas os sonhadores vão adiante, soltando seus papagaios, morrendo nos seus incêndios, como as crianças e os loucos. E cantando aqueles hinos que falam de asas e de raios fúlgidos, linguagem de seus antepassados, estranha linguagem humana, nestes andaimes dos construtores de Babel.

O galo e a pérola

Fábula em poema do poeta português Curvo Semedo (1766-1838).

galoNum monturo esgravatando
Formoso galo aguerrido
Acha uma pérola fina
Que havia um nobre perdido.

Por três vezes a escoucinha
Sem nela querer pegar
À quarta, erguendo-a no bico,
Põe-se a cacarejar.

Vêm logo algumas galinhas
Cuidando que era algum grão
Mas vendo a pérola, tristes,
Vão-se deixando-a no chão.

Acaso passa um ourives
E apanhando-a, alegre diz:
“É uma pérola fina!”
“Que belo achado que fiz!”

“Homem”, lhe pergunta o galo,
“Tanto essa joia merece?”
“Pois eu por um grão de milho”
“Te dera mil, se as tivesse.”

Pérola em poder de galo
Que não lhe sabe o valor
É como entre as mãos de um néscio
As obras de um sábio autor.

Uma lição parecida aparece no Sermão da Montanha, proferido por Jesus Cristo e registrado no Evangelho de Mateus: “Não deem aos cães o que é sagrado, nem atirem suas pérolas aos porcos; caso contrário, estes as pisarão e, aqueles, voltando-se contra vocês, os despedaçarão.” (7:6)

Um pequeno glossário para entender os “palavrões” do Hino Nacional

Veja também: Entenda o significado das estrelas na bandeira do Brasil

bandeira-do-brasil-sil-silO Hino Nacional Brasileiro é um dos 4 símbolos oficiais da República Federativa do Brasil, conforme estabelece o art. 13, § 1.º, da Constituição do Brasil (os outros símbolos da República são a bandeira nacional, as armas nacionais e o selo nacional). A música é uma composição de Francisco Manuel da Silva (1795 – 1865) e a letra é de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 – 1927). O Hino foi adquirido por 5 contos de réis, pelo decreto n.º 4.559 de 21 de agosto de 1922, pelo então presidente Epitácio Pessoa; e foi oficializado pela lei n.º 5.700, de 1 de setembro de 1971. Leis e decretos à parte, fato é que a letra do nosso Hino Nacional ostenta uma linguagem rebuscada, pomposa em demasia, e um português bastante arcaico para os padrões atuais da língua, o que torna-o quase incompreensível ao cidadão brasileiro mediano, isto é, à população em geral. Pensando nisso, resolvi pesquisar um pouco e prestar esse serviço de utilidade pública, traduzindo para uma linguagem mais popular e atual as expressões mais “enigmáticas” do nosso Hino Nacional.

hino

*Trechos do poema “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias (1823-1864).

Ipiranga – Nome de um riacho situado na cidade de São Paulo, junto ao qual D. Pedro I supostamente proclamou a independência da República no dia 7 de setembro de 1888.

Margens plácidas – “Plácida” significa serena, calma, sossegada, tranquila.

Brado retumbante – Grito forte que provoca eco.

Raios fúlgidos – “Fúlgido” significa brilhante, cintilante.

Penhor – Usado de maneira metafórica (figurada), “penhor dessa igualdade” é a garantia, a segurança de que haverá liberdade na nação.

Raio vívido – “Vívido” significa brilhante, fulgurante, aquilo que tem vivacidade, que ilumina, que esclarece, que tem cores vivas. Essa expressão tem quase o mesmo significado que “raios fúlgidos”.

Imagem do Cruzeiro – Referência à constelação do Cruzeiro do Sul que resplandece (isto é, brilha) no céu noturno.

Impávido colosso – “Colosso” é uma estátua muito grande, de dimensões muito elevadas (como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, por exemplo). Estar “impávido” significa não sentir ou aparentar medo diante do perigo.

Fulguras – Do verbo “fulgurar”, que significa reluzir, brilhar, distinguir-se dos demais, sobressair-se de maneira brilhante.

Florão da América – “Florão” é um ornato em forma de flor usado nas abóbadas de construções grandiosas. Segundo a letra do Hino, o Brasil seria o ponto mais importante e vistoso de toda a América.

Novo Mundo – Referência ao continente americano.

Garrida – Significa enfeitada, que chama a atenção pela beleza.

Lábaro que ostentas – “Lábaro” significa uma bandeira ou um estandarte. “Ostentar” significa mostrar, exibir com orgulho.

Verde-louro dessa flâmula – Verde e amarelo dessa bandeira.

Clava forte – “Clava” é um pedaço de pau grosso e maciço, um grande porrete usado como arma. No verso, em sentido figurado, significa mobilizar um exército, entrar em guerra.

Estas são, a meu ver, as expressões mais incompreendidas do nosso Hino Nacional. Espero que esse pequeno glossário tenha ajudado e que você, brasileiro, possa cantar o Hino com mais propriedade de agora em diante.

Os Ipês Amarelos

ipe_amareloEste é um post de sétimo dia. Ele é dedicado a Rubem Alves. O educador e escritor que, segundo ele próprio, tinha um caso de amor com a vida, a contragosto deixou sua amada há exatamente uma semana, no último sábado (19). A crônica abaixo foi escrita por ele recentemente. Curiosamente ele fala da sua atitude diante da morte (e principalmente da vida).


Uma professora me contou esta coisa deliciosa. Um inspetor visitava uma escola. Numa sala ele viu, colados nas paredes, trabalhos dos alunos acerca de alguns dos meus livros infantis. Como que num desafio, ele perguntou à criançada: “E quem é Rubem Alves?”. Um menininho respondeu: “O Rubem Alves é um homem que gosta de ipês-amarelos…”. A resposta do menininho me deu grande felicidade. Ele sabia das coisas. As pessoas são aquilo que elas amam. Mas o menininho não sabia que sou um homem de muitos amores… Amo os ipês, mas amo também caminhar sozinho. Muitas pessoas levam seus cães a passear. Eu levo meus olhos a passear. E como eles gostam! Encantam-se com tudo. Para eles o mundo é assombroso. Gosto também de banho de cachoeira (no verão…), da sensação do vento na cara, do barulho das folhas dos eucaliptos, do cheiro das magnólias, de música clássica, de canto gregoriano, do som metálico da viola, de poesia, de olhar as estrelas, de cachorro, das pinturas de Vermeer (o pintor do filme “Moça com Brinco de Pérola”), de Monet, de Dali, de Carl Larsson, do repicar de sinos, das catedrais góticas, de jardins, da comida mineira, de conversar à volta da lareira.

Diz Alberto Caeiro que o mundo é para ser visto, e não para pensarmos nele. Nos poemas bíblicos da criação está relatado que Deus, ao fim de cada dia de trabalho, sorria ao contemplar o mundo que estava criando: tudo era muito bonito. Os olhos são a porta pela qual a beleza entra na alma. Meus olhos se espantam com tudo que veem. Sou místico. Ao contrário dos místicos religiosos que fecham os olhos para verem Deus, a Virgem e os anjos, eu abro bem os meus olhos para ver as frutas e legumes nas bancas das feiras. Cada fruta é um assombro, um milagre. Uma cebola é um milagre. Tanto assim que Neruda escreveu uma ode em seu louvor: “Rosa de água com escamas de cristal…”. Vejo e quero que os outros vejam comigo. Por isso escrevo. Faço fotografias com palavras. Diferentes dos filmes, que exigem tempo para serem vistos, as fotografias são instantâneas. Minhas crônicas são fotografias. Escrevo para fazer ver.

Uma das minhas alegrias são os e-mails que recebo de pessoas que me confessam haver aprendido o gozo da leitura lendo os textos que escrevo. Os adolescentes que parariam desanimados diante de um livro de 200 páginas sentem-se atraídos por um texto pequeno de apenas 3 páginas. O que escrevo são como aperitivos. Na literatura, frequentemente, o curto é muito maior que o comprido. Há poemas que contêm todo um universo. Mas escrevo também com uma intenção gastronômica. Quero que meus textos sejam comidos pelos leitores. Mais do que isso: quero que eles sejam comidos de forma prazerosa. Um texto que dá prazer é degustado vagarosamente. São esses os textos que se transformam em carne e sangue, como acontece na eucaristia. Sei que não me resta muito tempo. Já é crepúsculo. Não tenho medo da morte. O que sinto, na verdade, é tristeza. O mundo é muito bonito! Gostaria de ficar por aqui. Escrever é o meu jeito de ficar por aqui. Cada texto é uma semente. Depois que eu for, elas ficarão. Quem sabe se transformarão em árvores! Torço para que sejam ipês-amarelos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 3 de 7Pág. 1 de 7...234...Pág. 7 de 7
%d blogueiros gostam disto: