Minha nação nordestina

Os 193 países do mundo possuem juntos uma área total de aproximadamente 136.620.898 km². Dividindo isso igualmente entre eles, temos que 707.880 km² é aproximadamente o tamanho médio de um país do mundo hoje. Considerando apenas o continente europeu, sua área total é de aproximadamente 10.180.000 km². Dividindo isso igualmente entre os 50 países que compõem a Europa, temos que 203.600 km² é aproximadamente o tamanho médio de um país europeu. Resumindo, um país europeu médio teria cerca de 200 mil km² de área, enquanto que, em escala mundial, um país médio teria pouco mais de 700 mil km². Isso significa que boa parte da população mundial considera como sua pátria, sua nação, um território com área entre 200 e 700 mil km² (uma área do tamanho do Estado de São Paulo, Minas Gerais ou Bahia).

Com dimensões continentais (8.515.767 km², quase o tamanho da Oceania), o Brasil está muito longe desse padrão; de modo que muitos Estados brasileiros possuem dimensões bem maiores que o tamanho médio de um país. Talvez isso explique o porquê de haver tantos sotaques e culturas diferentes, tanto “bairrismo” e uma certa “rivalidade” (que em alguns casos culmina em preconceito e discriminação) entre regiões do Brasil, como o Nordeste e o Sudeste, por exemplo. É que, conscientemente ou não, percebemos mais facilmente como nossa pátria (ou nação) apenas a região geográfica em que vivemos (em alguns casos apenas o nosso Estado e/ou Estados vizinhos). Muitas vezes sem nos darmos conta disso, pensamos no Brasil da mesma maneira que muitas populações do mundo pensam o seu continente. Por isso, acabamos considerando como nossa nacionalidade e sentimos maior patriotismo apenas pela nossa região ou Estado.

Tomemos como exemplo o meu caso. Sempre vivi na Paraíba e, até hoje, só viajei por terra (moto, carro, ônibus, trem) para o interior paraibano e para os Estados vizinhos de Pernambuco e Rio Grande do Norte. Fora desse território limitado, só fiz viagens aéreas, dada a inviabilidade de percorrer o Brasil por terra. Por esse motivo, considero como minha terra natal, meu lugar de origem, apenas aquele raio que posso facilmente percorrer por terra em apenas um dia. De certa forma, meu “país” (considerando-se a média global) é apenas aquela área para a qual posso ir de moto ou carro quando me der na telha e voltar no mesmo dia. Sendo mais preciso, posso dizer que essa área tem cerca de 406.322 km² e corresponde aos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Sergipe (em vermelho no mapa). Isso é quase o dobro do tamanho de um país europeu médio e mais de três vezes o tamanho da Inglaterra!

Nordeste

Não quero com isso sugerir ou propagandear uma segregação do Brasil. Meu discurso não é nem um pouco separatista. Pelo contrário, eu até penso que unir estes seis Estados em um só talvez seria uma boa ideia, visto que estamos falando de unidades federativas relativamente pequenas em área se comparadas com os outros Estados, e geograficamente agrupadas, juntinhas. Se isso acontecesse no futuro, seríamos um Estado mais forte, mais representativo e com um tamanho parecido com o da Bahia ou Minas Gerais. Já comentei aqui em outro post que a capital seria Recife. Mas não é bem isso que quero defender aqui. O objetivo deste post é apenas expor uma constatação curiosa: a de que, se os países do mundo tivessem todos mais ou menos o mesmo tamanho, a área em vermelho do mapa acima seria a minha Nação Nordestina.

ATUALIZAÇÃO em 05/05/2015:

A União Europeia é formada por 28 países europeus, quase como o Brasil, que tem 27 unidades federativas (os 26 Estados e o Distrito Federal). No entanto (pasmem), sua área total é de apenas 4.324.782 km², quase a metade da área do Brasil, que é de 8.515.767 km². Fazendo com a UE os mesmos cálculos acima, temos que a área média de um país membro da UE é de 154.456 km²; enquanto que a área média de um Estado brasileiro é mais que o dobro disso: 315.399 km².

ATUALIZAÇÃO em 07/04/2017:

A área em vermelho no mapa acima corresponde quase exatamente ao território conquistado pelos holandeses no século 17, que na época era conhecido como Nova Holanda (mapa abaixo).

Nova Holanda

As proezas de João Grilo

proezas-de-joao-grilo-cordelEstes versos são talvez os mais famosos e icônicos da literatura de cordel. Lembro que meu avô lia isso pra mim na infância (boa parte ele apenas recitava, pois sabia de cor). A autoria é do cordelista paraibano João Martins de Athayde (1880-1959). O personagem João Grilo foi quem inspirou o protagonista homônimo de “Auto da Compadecida”, a famosa peça de teatro de Ariano Suassuna que virou filme.

.


João Grilo foi um cristão
que nasceu antes do dia
criou-se sem formosura
mas tinha sabedoria
e morreu depois da hora
pelas artes que fazia.

E nasceu de sete meses
chorou no bucho da mãe
quando ela pegou um gato
ele gritou: não me arranhe
não jogue neste animal
que talvez você não ganhe.

Na noite que João nasceu
houve um eclipse na lua
e detonou um vulcão
que ainda continua
naquela noite correu
um lobisomem na rua.

Porém João Grilo criou-se
pequeno, magro e sambudo
as pernas tortas e finas
e boca grande e beiçudo
no sítio onde morava
dava notícia de tudo.

Continue reading “As proezas de João Grilo” »

O que vi no Campus Festival 2014

campus festival 2014No último fim de semana, emendado com esse feriado da segunda, estive no Espaço Cultural José Lins do Rego (em João Pessoa-PB) participando da segunda edição do Campus Festival – Conferência Universitária de Artes integradas e Tecnologia, o maior evento universitário do Nordeste, que este ano teve como tema “Nômades globais na savana digital”. Como prometi no meu perfil do Facebook, resolvi contar o que vi por lá. Foram basicamente dois dias de palestras e debates sobre os mais variados temas (com cientistas, pesquisadores, artistas, convidados ilustres e palestrantes renomados), duas noites de shows e apresentações musicais (Nação Zumbi, Seu Pereira e Coletivo 401, Os Gonzagas, entre outros), uma exposição de artes visuais (fotografias, pinturas, ilustrações e desenhos de 14 artistas da Paraíba) e uma mostra de cinema (6 filmes de diretores paraibanos) – isso sem mencionar o convívio com um monte de gente bacana. A experiência valeu muito a pena. Foi como o Charlezine: conteúdo inteligente para mentes curiosas. Os R$ 70,00 da inscrição foram um investimento muito bem aplicado. Ano que vem quero participar de novo.

As palestras e debates ocorreram de forma simultânea em 5 espaços diferentes, divididos de acordo com o tema de interesse. Nos quatro auditórios do Espaço Cultural, os estudantes podiam discutir com especialistas de suas respectivas áreas acadêmicas divididas em quatro eixos temáticos: Comunicação, Saúde, Design e Arquitetura, Direito e Sociedade. Enquanto isso, no Teatro Paulo Pontes – que, por sinal, depois da reforma ficou lindo (fotos abaixo) –, as atrações mais aguardadas se revezavam na programação principal. Durante todo o evento, não participei de nada nos auditórios. Preferi ouvir todas as palestras da programação principal no Teatro Paulo Pontes; e não me arrependi. Em um ambiente misto, diverso e multicultural, aprendi um pouco sobre os assuntos mais variados. A experiência foi positiva por me fazer sair um pouco do gueto da minha especialização acadêmica (filosofia) e ter contato com o que de mais interessante está rolando nas universidades como um todo, em outros cursos, outras áreas do saber, outros mundos. Esse contato ampliou minha visão de mundo, abriu minha mente a novas ideias, me possibilitou colidir universos bastante distintos. Saí de lá com ideias fervilhando.

DSC01368
Teatro Paulo Pontes (Foto: Charles Andrade)
DSC01371
Teatro Paulo Pontes (Foto: Charles Andrade)

Marcado para ter início às 14h, a abertura do evento no sábado (06) atrasou um pouco. Um show à parte foi o apresentador e mestre de cerimônias, que se apresentou como Dom Quixote, inspirado no icônico personagem de Cervantes. Com sua fantasia pra lá de criativa e sempre recitando versos e poemas famosos, ele deu um toque poético e literário às apresentações. Eu não resisti e quis tirar uma foto com essa figura.

Dom Quixote
Eu e Dom Quixote

.

Silvio Meira e Alfredo Júnior

O primeiro bate papo da tarde foi sobre o tema “Negócios sociais: conexões que mudam o mundo” e contou com a participação de Silvio Meira e Alfredo Júnior, ambos de Recife-PE. Silvio Meira é cientista, pesquisador, engenheiro, especialista em ciências da computação e fundador do CESAR Recife – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (veja aqui sua participação no programa De Frente com Gabi). Alfredo Júnior é CEO e co-fundador do Impact Hub Recife, além de organizador do TEDx Recife, a ser realizado no próximo dia 16 (estarei lá e depois conto tudo também). Tanto Silvio quanto Alfredo são especialistas e referências nacionais na área de tecnologia, informática e computação. Dentre os assuntos discutidos, um em especial me chamou a atenção. Descobri que, se tudo correr bem, com o planejamento, o empenho e os investimentos atuais, a cidade do Recife tem tudo para se tornar, nas próximas décadas, o “Vale do Silício” brasileiro, um pólo de relevância mundial na área de tecnologia e inovação. Contribui para isso, hoje, o funcionamento a pleno vigor do Porto Digital, um pólo de desenvolvimento de softwares e economia criativa localizado no centro histórico de Recife desde o ano 2000.

.

André Braga e Vinnie

O segundo tema discutido foi voltado ao empreendedorismo criativo e inovador. André Braga e Vinícios Oliveira, ambos de São Paulo, bateram um papo e deram muitas dicas sobre o tema “Transforme sua ideia numa startup” (saiba aqui o que é uma startup). André Braga é CEO e co-fundador do Eventick, site especializado na venda de ingressos online. Vinícios Oliveira, ou Vinnie, como prefere ser chamado, é CEO e fundador do Glocal Arts, portal na internet que reúne e expõe para a venda obras de centenas de artistas plásticos da cidade de Olinda-PE, Recife e região metropolitana. No site do Eventick, ideia do André, você pode criar um evento e centralizar as vendas de ingressos de forma organizada, recebendo pagamentos via cartão de crédito, débito em conta e boleto bancário (os ingressos para o Campus Festival 2014 e para o TEDx Recife 2014 foram vendidos por lá). Após o pagamento, o participante inscrito recebe por e-mail um voucher para imprimir e apresentar no dia do evento. No site Glocal Arts, ideia do Vinnie, qualquer artista plástico pode fazer um cadastro e passar a expor e vender online as suas obras, cobrando por elas o preço que bem entender. Em Pernambuco, o artista plástico que não tem uma conta no Glocal Arts é quase como um cidadão comum que não tem uma no Facebook, por exemplo.

.

André Lemos

A palestra principal do primeiro dia de evento ficou por conta de André Lemos, professor da UFBA. Engenheiro, doutor em sociologia e referência nacional em cibercultura, André Lemos palestrou sobre o tema “A internet das coisas”. Em suma, ele desmistificou a ideia equivocada de que a internet é uma rede que liga pessoas apenas. Segundo Lemos, além de conectar pessoas a pessoas, a internet conecta também pessoas a máquinas e até máquinas a máquinas, sem a intervenção de um ser humano. Como tendência para as próximas décadas, Lemos antecipou que, no futuro, será cada vez mais comum que máquinas “conversem entre si”, sem a intermediação de um humano. O avanço da tecnologia fará com que os objetos do cotidiano se tornem cada vez mais inteligentes, fazendo praticamente tudo sozinhos e “aprendendo” tarefas por meio de inteligência artificial. Além de previsões futurísticas, Lemos mostrou como isso já é uma realidade hoje e como esse futuro que parece tão distante está mais próximo do que imaginamos.

.

Eduardo Jorge e Alfredo Minervino

No segundo dia do evento, todo mundo queria ver em ação o médico e ex-candidato à presidência da República pelo Partido Verde (PV), Eduardo Jorge. Grande estrela do dia, Eduardo Jorge chegou ao Espaço Cultural caminhando, de camiseta, conversando e tirando foto com todo mundo. Somente depois fiquei sabendo que ele tem uma casa aqui em João Pessoa, bem perto do Espaço Cultural, e por isso foi a pé mesmo. De qualquer modo, essa atitude foi uma amostra de sua humildade. Apesar de discordar dele em algumas questões políticas, tive que me render à sua notável inteligência e sabedoria. Enquanto todos os palestrantes usavam recursos de ponta em suas apresentações, Eduardo Jorge não quis usar datashow. Ele próprio foi o show, armado apenas com um microfone. A julgar pelo que vi, ele é gente finíssima (inclusive fisicamente).

Contrariando a expectativa de todo mundo, a fala de Eduardo Jorge, a mais esperada do dia, foi inconvenientemente interrompida aos 28 minutos pela organização do evento porque havia estourado o tempo. A plateia não teve sequer direito a fazer perguntas, como sempre fazia ao fim de cada apresentação. O motivo dessa escassez de tempo dificilmente poderia ser mais decepcionante. É que a organização do evento resolveu inserir de última hora na programação uma palestra inesperada de Beto Chaves, que, em resumo, falou por quase uma hora sobre como teve uma vida fracassada, nunca conseguiu passar num vestibular decente, abriu dezenas de empresas, faliu todas e hoje ganha a vida dando palestras motivacionais e vive muito bem porque tem besta que paga para ouvir sua história.

Eduardo Jorge fez uma espécie de “debate” com Alfredo Minervino sobre a “Regulamentação para o uso medicinal e recreativo da maconha”. Alfredo Minervino, que é médico psiquiatra e professor de Medicina da UFPB, começou o debate se posicionando contra a descriminalização, legalização e/ou qualquer tipo de liberação do uso da maconha para fins recreativos (muito embora apoie o seu uso para fins medicinais). Ele apresentou muitas estatísticas, dados científicos e argumentos variados mostrando os males que o uso da maconha causa à saúde e à qualidade de vida do indivíduo, à convivência familiar e à sociedade como um todo. Para ele, a maconha deve continuar proibida para o bem da sociedade.

Do modo como o debate foi configurado e conhecendo o estereótipo que se criou em torno da figura de Eduardo Jorge, eu particularmente esperava que, após a fala de Minervino, o ex-candidato à presidência fosse se posicionar do lado contrário, defendendo a legalização e fazendo apologia ao uso da maconha. Mas não foi o que aconteceu. Para minha surpresa, Eduardo Jorge afirmou concordar com quase tudo o que Alfredo Minervino disse acerca dos males da maconha. Primeiro, ele revelou que, ao contrário do que dizem por aí, não usa maconha, não bebe nada com álcool e não fuma (“porque não sou besta”, disse). Depois, afirmou que, como médico, desaconselha convictamente o uso da maconha, pois, como sabemos, ela faz mal à saúde.

Por fim, disse que “a legalização é a forma mais eficiente de reduzir os danos da dependência de drogas nos indivíduos e na sociedade”. Ele explicou que, como político, percebe que o Estado, ao longo de cerca de 50 anos, perdeu a chamada “guerra contra as drogas”; e que a melhor solução atualmente é liberar o uso da maconha para enfraquecer o poder e o monopólio dos traficantes; que são, no fim das contas, os únicos a lucrar com o mercado negro do narcotráfico. Segundo ele, o Estado deveria tratar o problema da maconha não como um problema de segurança pública, usando a polícia para combater o uso, mas como um problema de saúde pública, fazendo campanhas de conscientização, assim como já o faz contra o tabagismo e o alcoolismo.

.

Lau Siqueira e Shiko

Após o debate sobre a regulamentação da maconha, subiram ao palco Lau Siqueira e Shiko, ambos de João Pessoa, para um bate papo descontraído sobre “Economias e cidades criativas”. Lau Siqueira é poeta e presidente da FUNESC; e Shiko é ilustrador e grafiteiro. Sem nenhum roteiro pré-estabelecido, eles fugiram muito ao tema proposto e falaram basicamente sobre como o artista pode viver de sua arte hoje em dia. Falaram também sobre como a indústria cultural e o mercado editorial muitas vezes se aproveitam desses artistas de forma gananciosa e exploratória. Quando um artista escreve um livro e quer publicá-lo, por exemplo, as editoras tomam para si os direitos autorais sobre a obra de modo que o autor perde até a propriedade sobre o seu trabalho. E isso em troca de uma porcentagem muito pequena (5%) do lucro das vendas de cada exemplar.

Lau e Shiko chegaram à conclusão de que o problema consiste em que os artistas muitas vezes sabem apenas produzir suas obras de arte, mas não sabem negociá-las (não sabem “vender o seu peixe”). Falta o empreendedorismo. A solução apontada para esse problema é a popularização das publicações independentes. Para eles, os artistas precisam perder o medo de recusar a oferta das editoras e escolher publicar suas obras de maneira independente, sem intermediação. Desse modo, eles mesmos diagramam, editam, imprimem a tiragem que quiserem numa gráfica e vendem seus livros por conta própria, ficando com 100% do lucro em vez dos 5% oferecidos pelas editoras. Ainda reforçando esse raciocínio, eles citaram o exemplo da literatura de cordel, que segue esse estilo independente desde os seus primórdios. Nas considerações finais, Shiko sugeriu que mudássemos nossa atitude diante da arte. Quando pagamos ou compramos um ingresso para um show, um filme, uma peça de teatro ou qualquer outra forma de expressão artística, não devemos pensar que estamos “ajudando” o artista porque somos legais. Devemos encarar isso como uma troca, um investimento. Estamos comprando um produto intelectual.

.

Marco Gomes

A palestra de encerramento do Campus Festival 2014, com o tema “Empreendedorismo inovador”, ficou a cargo de Marco Gomes, CEO e fundador da Boo-Box, maior empresa de monetização e publicidade em blogs e mídias sociais do Brasil, com sede em São Paulo. Só pra vocês entenderem melhor o que faz a Boo-Box, os banners com anúncios publicitários que você vê no topo e na barra lateral deste blog, por exemplo, são gerados pelo sistema da Boo-Box e rendem uma graninha a este que vos escreve. Marco Gomes teve essa ideia de negócio aos 20 anos. Numa atitude de coragem, largou a universidade (cursava computação na UnB), desistiu de assumir o cargo após ter sido aprovado num concurso público federal, se mudou de Brasília para São Paulo, morou de favor comendo miojo por quase três anos, insistiu, persistiu no seu sonho e hoje é um dos mais jovens milionários deste país (já discursou até na sede da ONU em Nova York!). Apesar do currículo invejável, o cara é super gente boa, muito humilde, atencioso com todo mundo, “nerd, ciclista, viajante, cristão e marido” (conforme descrição no blog pessoal). Após a palestra e uma breve sessão de entrevistas, nos encontramos por acaso, batemos um papo, trocamos umas ideias e tiramos essa foto altamente nerd:

charlezine e boo-box
Vida longa e próspera, terráqueos!

.

Shows musicais

Sobre os shows, para finalizar, não há muito o que dizer: um simples “foi massa” resolve. Um detalhe importante é que o primeiro dia de Campus Festival (06) coincidiu com o encerramento do Festival Internacional de Música Clássica à noite, lá mesmo, no Espaço Cultural. Os participantes do evento puderam, então, desfrutar de um belo concerto da Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa, sob regência do maestro Isaac Karabtchewsky. No domingo (07), Seu Pereira e Coletivo 401, Os Gonzagas, entre outras bandas, se apresentaram em um palco montado no teatro de arena. Na segunda (08), milhares de pessoas assistiram aos shows de Nação Zumbi e outras bandas.

Os Gonzagas no teatro de arena do Espaço Cultural (foto: Charles Andrade)
Os Gonzagas no teatro de arena do Espaço Cultural (foto: Charles Andrade)
Nação Zumbi no Espaço Cultural (foto: Charles Andrade)
Nação Zumbi no Espaço Cultural (foto: Charles Andrade)

Silvio Meira de frente com Gabi

silviomeiraSilvio Meira é um pesquisador brasileiro da área de Engenharia de Software. Nasceu em Taperoá, no interior da Paraíba, graduou-se em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), é mestre em Informática pela UFPE e doutor em Ciência da Computação pela University of Kent at Canterbury, na Inglaterra. É autor de mais de 100 de artigos científicos publicados em congressos e revistas acadêmicas e de mais de 200 textos sobre Tecnologia da Informação e seu impacto na sociedade, publicados na imprensa. Foi pesquisador do CNPq por mais de 15 anos, assessor da secretaria de política de informática do Ministério da Ciência e Tecnologia. Foi membro do primeiro comitê gestor da internet no Brasil e presidente da Sociedade Brasileira de Computação. Foi consultor do Banco Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Foi colunista do Jornal da Tarde, Agência Estado e da revista eletrônica NO. Recebeu, da Presidência da República, as comendas da Ordem Nacional do Mérito Científico e da Ordem de Rio Branco. Foi considerado, pela revista Info Exame, uma das 100 pessoas mais importantes das tecnologias da informação no Brasil.

Assista na íntegra a entrevista (dividida em 5 partes) concedida pelo pesquisador à jornalista Marília Gabriela, em sua participação no programa De Frente com Gabi, do SBT:

Sonetos de Augusto dos Anjos

Na última quarta-feira (12), completou-se o centenário da morte do maior poeta paraibano: Augusto dos Anjos (1884-1914). Como forma de homenageá-lo, compartilho com vocês nove sonetos do poeta. Um soneto é um tipo de poema de origem italiana, composto por 14 versos, geralmente divididos em 4 estrofes – as duas primeiras com 4 versos cada, e as duas últimas com 3 versos cada. Saboreie a poesia, aprendendo a apreciar, inclusive, o gosto amargo de seus versos fúnebres, mórbidos, viscerais, esplâncnicos e verminais.

.

Versos íntimos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

.

Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

.

A um monstro

Fome! E, na ânsia voraz que, ávida, aumenta,
Receando outras mandíbulas a esbangem,
Os dentes antropófagos que rangem,
Antes da refeição sanguinolenta!

Amor! E a satiríasis sedenta,
Rugindo, enquanto as almas se confrangem,
Todas as danações sexuais que abrangem
A apolínica besta famulenta!

Ambos assim, tragando a ambiência vasta,
No desembestamento que os arrasta,
Superexcitadíssimos, os dois

Representam, no ardor dos seus assomos
A alegoria do que outrora fomos
E a imagem bronca do que inda hoje sois!

.

Ao meu primeiro filho

(nascido morto com 7 meses incompletos, no dia 02 de fevereiro de 1911)

Agregado infeliz de sangue e cal,
Fruto rubro de carne agonizante,
Filho da grande força fecundante
De minha brônzea trama neuronial

Que poder embriológico fatal
Destruiu, com a sinergia de um gigante,
A tua morfogênese de infante,
A minha morfogênese ancestral?!

Porção de minha plásmica substância,
Em que lugar irás passar a infância,
Tragicamente anônimo, a feder?!…

Ah! Possas tu dormir feto esquecido,
Panteisticamente dissolvido
Na noumenalidade do NÃO SER!

.

O morcego

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.

“Vou mandar levantar outra parede…”
— Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh’alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

.

O meu nirvana

No alheamento da obscura forma humana,
De que, pensando, me desencarcero,
Foi que eu, num grito de emoção, sincero
Encontrei, afinal, o meu Nirvana!

Nessa manumissão schopenhauereana,
Onde a Vida do humano aspecto fero
Se desarraiga, eu, feito força, impero
Na imanência da Ideia Soberana!

Destruída a sensação que oriunda fora
Do tacto — ínfima antena aferidora
Destas tegumentárias mãos plebeias —

Gozo o prazer, que os anos não carcomem,
De haver trocado a minha forma de homem
Pela imortalidade das Ideias!

.

A ideia

De onde ela vem?! De que matéria bruta
Vem essa luz que sobre as nebulosas
Cai de incógnitas criptas misteriosas
Como as estalactites duma gruta?!

Vem da psicogenética e alta luta
Do feixe de moléculas nervosas,
Que, em desintegrações maravilhosas,
Delibera, e depois, quer e executa!

Vem do encéfalo absconso que a constringe,
Chega em seguida às cordas do laringe,
Tísica, tênue, mínima, raquítica …

Quebra a força centrípeta que a amarra,
Mas, de repente, e quase morta, esbarra
No mulambo da língua paralítica.

.

Idealismo

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo
O amor na Humanidade é uma mentira.
E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?

Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro —

E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

.

Agonia de um filósofo

Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obsoleto
Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo.
O Inconsciente me assombra e eu nêle tolo
Com a eólica fúria do harmatã inquieto!

Assisto agora à morte de um inseto!
Ah! todos os fenômenos do solo
Parecem realizar de pólo a pólo
O ideal de Anaximandro de Mileto!

No hierático areópago heterogêneo
Das idéas, percorro como um gênio
Desde a alma de Haeckel à alma cenobial!

Rasgo dos mundos o velário espesso;
E em tudo, igual a Goethe, reconheço
O império da substância universal!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 2 de 3123
%d blogueiros gostam disto: