A carta do cacique Seattle

Em 1854, o cacique Seattle, da tribo Suquamish, enviou esta carta ao então presidente dos Estados Unidos, Francis Pierce, depois de o Governo haver dado a entender que pretendia comprar o território ocupado por aqueles índios, no oeste do país. A carta tem mais de um século e meio, mas o desabafo do cacique é incrívelmente atual. Eis a carta:

Clique aqui para ler a versão original deste texto, em inglês.

O grande chefe de Washington mandou dizer que quer comprar a nossa terra. O grande chefe assegurou-nos também da sua amizade e benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não necessita da nossa amizade. Nós vamos pensar na sua oferta, pois sabemos que se não o fizermos, o homem branco virá com armas e tomará a nossa terra. O grande chefe de Washington pode acreditar no que o chefe Seattle diz com a mesma certeza com que nossos irmãos brancos podem confiar na mudança das estações do ano. Minha palavra é como as estrelas, elas não empalidecem.

Como pode-se comprar ou vender o céu, o calor da terra? Tal ideia é estranha. Nós não somos donos da pureza do ar ou do brilho da água. Como pode então comprá-los de nós? Decidimos apenas sobre as coisas do nosso tempo. Toda esta terra é sagrada para o meu povo. Cada folha reluzente, todas as praias de areia, cada véu de neblina nas florestas escuras, cada clareira e todos os insetos a zumbir são sagrados nas tradições e na crença do meu povo. Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver. Para ele um torrão de terra é igual ao outro. Porque ele é um estranho, que vem de noite e rouba da terra tudo quanto necessita. A terra não é sua irmã, nem sua amiga, e depois de exaurí-la ele vai embora. Deixa para trás o túmulo de seu pai sem remorsos. Rouba a terra de seus filhos, nada respeita. Esquece os antepassados e os direitos dos filhos. Sua ganância empobrece a terra e deixa atrás de si os desertos.

Suas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho, mas talvez seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende. Não se pode encontrar paz nas cidades do homem branco. Nem lugar onde se possa ouvir o desabrochar da folhagem na primavera ou o zunir das asas dos insetos. Talvez por ser um selvagem que nada entendo, o barulho das cidades é terrível para os meus ouvidos. E que espécie de vida é aquela em que o homem não pode ouvir a voz do corvo noturno ou a conversa dos sapos no brejo à noite? Um índio prefere o suave sussurro do vento sobre o espelho d’água e o próprio cheiro do vento, purificado pela chuva do meio-dia e com aroma de pinho. O ar é precioso para o homem vermelho, porque todos os seres vivos respiram o mesmo ar, animais, árvores, homens… Não parece que o homem branco se importe com o ar que respira. Como um moribundo, ele é insensível ao mau cheiro.

Se eu me decidir a aceitar, imporei uma condição: o homem branco deve tratar os animais como se fossem seus irmãos. Sou um selvagem e não compreendo que possa ser de outra forma. Vi milhares de bisões apodrecendo nas pradarias abandonados pelo homem branco que os abatia a tiros disparados do trem. Sou um selvagem e não compreendo como um fumegante cavalo de ferro possa ser mais valioso que um bisão, que nós, peles vermelhas matamos apenas para sustentar a nossa própria vida. O que é o homem sem os animais? Se todos os animais acabassem os homens morreriam de solidão espiritual, porque tudo quanto acontece aos animais pode também afetar os homens. Tudo quanto fere a terra, fere também os filhos da terra.

Os nossos filhos viram os pais humilhados na derrota. Os nossos guerreiros sucumbem sob o peso da vergonha. E depois da derrota passam o tempo em ócio e envenenam seu corpo com alimentos adocicados e bebidas ardentes. Não tem grande importância onde passaremos os nossos últimos dias. Eles não são muitos. Mais algumas horas ou até mesmo alguns invernos e nenhum dos filhos das grandes tribos que viveram nestas terras ou que tem vagueado em pequenos bandos pelos bosques sobrará para chorar, sobre os túmulos, um povo que um dia foi tão poderoso e cheio de confiança como o nosso. De uma coisa sabemos, que o homem branco talvez venha um dia descobrir: o nosso Deus é o mesmo Deus. Julga, talvez, que pode ser dono Dele da mesma maneira como deseja possuir a nossa terra. Mas não pode. Ele é Deus de todos. E quer bem da mesma maneira ao homem vermelho como ao branco. A terra é amada por Ele. Causar dano à terra é demonstrar desprezo pelo Criador.

O homem branco também vai desaparecer, talvez mais depressa do que as outras raças. Continua sujando a sua própria cama e há de morrer, uma noite, sufocado nos seus próprios dejetos. Depois de abatido o último bisão e domados todos os cavalos selvagens, quando as matas misteriosas federem à gente, quando as colinas escarpadas se encherem de fios que falam, onde ficarão então os sertões? Terão acabado. E as águias? Terão ido embora. Restará dar adeus à andorinha da torre e à caça; o fim da vida e o começo da luta pela sobrevivência. Talvez compreendêssemos com que sonha o homem branco se soubéssemos quais esperanças transmite a seus filhos nas longas noites de inverno, quais visões do futuro oferecem para que possam ser formados os desejos do dia de amanhã. Mas nós somos selvagens. Os sonhos do homem branco são ocultos para nós. E por serem ocultos temos que escolher o nosso próprio caminho.

Se consentirmos na venda é para garantir as reservas que nos prometeste. Lá talvez possamos viver os nossos últimos dias como desejamos. Depois que o último homem vermelho tiver partido e a sua lembrança não passar da sombra de uma nuvem a pairar acima das pradarias, a alma do meu povo continuará a viver nestas florestas e praias, porque nós as amamos como um recém-nascido ama o bater do coração de sua mãe. Se te vendermos a nossa terra, ama-a como nós a amávamos. Protege-a como nós a protegíamos. Nunca esqueça como era a terra quando dela tomou posse. E com toda a sua força, o seu poder, e todo o seu coração, conserva-a para os seus filhos, e ama-a como Deus nos ama a todos. Uma coisa sabemos: o nosso Deus é o mesmo. Esta terra é querida por Ele. Nem mesmo o homem branco pode evitar nosso destino comum.

João Pessoa: 430 anos

Veja também: Nova York e João Pessoa registram mesma temperatura na noite de Natal

A minha cidade de João Pessoa está completando hoje 430 anos desde a sua fundação, em 05 de agosto de 1585. Sendo a terceira capital mais antiga do Brasil, a cidade tem muita história. Devido às belezas naturais e à boa qualidade de vida, muita gente escolhe João Pessoa como destino para morar e aproveitar a aposentadoria. Durante a Eco-92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento), João Pessoa recebeu o título de “segunda capital mais verde do mundo”, ficando atrás apenas de Paris. O cálculo baseia-se na relação entre o número de habitantes e a quantidade de árvores na zona urbana. A cidade ainda foi considerada pela organização International Living como uma das melhores cidades do mundo para se desfrutar a aposentadoria.

Aproveitando a ocasião, veja abaixo quatro vídeos: duas relíquias que mostram imagens antigas de João Pessoa, e duas reportagens contando o surgimento da cidade e as curiosidades do seu centro histórico. Mas antes, um aviso: Se você conhece João Pessoa, vai ficar encantado vendo como eram as principais ruas, praças e lugares históricos da cidade – devido ao progresso, alguns lugares estão irreconhecíveis. Mas se você não conhece a cidade, talvez fique um pouco perdido e talvez pareça que as imagens não tenham muito sentido. Em suma, talvez esses vídeos interessem apenas aos meus conterrâneos. Porém, é possível que você fique curioso e queira vir conhecer essa terra. Se este for o seu caso, sinta-se sempre bem-vindo.


Este primeiro vídeo, de pouco mais de 10 minutos, é o mais antigo. Ele mostra como era a cidade de João Pessoa entre os anos de 1959 e 1963, durante a administração do então prefeito Luiz Gonzaga de Miranda Freire. Nessa época, a capital paraibana tinha uma população de apenas 172 mil habitantes.

Nesta reportagem da TV Câmara de João Pessoa, a historiadora Anal Leal conta, direto do rio Sanhauá, como aconteceu a colonização destas terras pelos portugueses, a fundação da cidade e como era a vida por aqui nos seus primeiros séculos de existência.

Finalmente, esta reportagem do programa Vida Melhor, do canal Rede Viva, leva você em um passeio pelos principais pontos turísticos do centro histórico de João Pessoa.

Faça uma dieta de leituras

Passar o dia inteiro lendo bobagem nas redes sociais é tão saudável para a mente quanto viver à base de fast-food é para o corpo. Esse é o tema do artigo de opinião a seguir, escrito por Danilo Venticinque e publicado na revista Época:


O Facebook está insuportável hoje. Pelo menos foi isso o que um amigo me disse. Não duvido: com a quantidade de assuntos polêmicos em pauta, poucos resistem à tentação de entrar em debates acalorados e intermináveis sobre tudo. Quanto mais pitoresco o tema, maior a vontade de se debruçar sobre ele para escrever um post “definitivo”. Perdi a conta de quantas vezes sucumbi a essas armadilhas. Tenho tentado não cair nelas. Estou de dieta. Houve um tempo em que os pessimistas diziam que, no futuro, passaríamos o dia inteiro assistindo à televisão e não leríamos mais nada. Estavam errados. Ironicamente, nunca lemos tanto quanto hoje. E, infelizmente, nunca lemos tão mal.

Nutricionistas costumam organizar os tipos de alimentos numa pirâmide. Na base estão os cereais, frutas e verduras que precisamos comer várias vezes ao dia. O meio é reservado às carnes magras e derivados do leite, que devemos comer com moderação. No topo, tudo aquilo que devemos evitar no dia-a-dia, como doces, frituras e carnes gordurosas. Poderíamos fazer um gráfico semelhante com as leituras. Na base estariam os livros. No topo, as discussões vazias nas redes sociais. No meio ficariam os artigos e reportagens, online e offline. Alguns podem ser tão enriquecedores quanto um livro. Outros, tão superficiais quanto uma polêmica no Facebook.

Não é preciso levar o exercício mental muito adiante para perceber que nossa dieta anda péssima. As redes sociais tomam a maior parte do nosso tempo de leitura. Elas nos levam com frequência a blogs ou sites de notícias. Aproveitamos um texto ou outro, mas nos esquecemos da imensa maioria. Aos livros, que teoricamente deveriam ser nossa principal fonte de leituras, reservamos apenas uma pequena fração do nosso tempo. Por acreditar que os livros exigem concentração e silêncio, preferimos nos distrair com textos irrelevantes o dia inteiro e deixar as leituras sérias para o dia seguinte ou para mais tarde, quando já estamos cansados de ler bobagens e mal aguentamos manter os olhos abertos. É como se tivéssemos um banquete à nossa disposição, mas nos entupíssemos de balas, guloseimas e salgadinhos antes de sentar à mesa.

O primeiro passo para mudar a sua dieta de leituras é reconhecer que aproveitamos muito mal nosso tempo. Vale repetir a pergunta proposta pelo escritor suíço Rolf Dobelli em seu livro A arte de pensar claramente: “De todas as notícias e posts em redes sociais que você leu no último ano, quantos realmente fizeram diferença na sua vida?”. Minha resposta foi alarmante: apenas dois ou três posts em blogs e, com sorte, meia dúzia de reportagens. Nenhum post em redes sociais. Nada que justifique as dezenas de horas que dedico a essas leituras semanalmente. Quanto aos livros, lembro de todos os que li durante o período. Mesmo os que não gostei de ler me ensinaram algo.

Definitivamente, era hora de mudar meus hábitos. Seria um exagero abandonar o Facebook completamente, do mesmo modo que nenhum nutricionista que se leve a sério diria para alguém cortar os doces para todo o sempre. O mesmo vale para o fast-food da informação. As redes sociais nem sempre são prejudiciais. Basta usá-las com moderação e tirar algum proveito delas. Cada um sabe sua forma de aproveitá-las. Desde que decidi fazer uma dieta de leituras, abandonei as discussões no Facebook e no Twitter. Em vez disso, tenho usando as duas redes para receber e compartilhar reportagens sobre literatura. Por falar em reportagens, também reduzi o tempo que dedico a elas. Descobri que posso sobreviver tranquilamente lendo somente as principais notícias do dia e assinando três ou quatro publicações essenciais para quem trabalha na minha área.

O resultado? Além de conseguir mais tempo para os livros, não sinto a menor falta das polêmicas digitais. Da próxima vez que o seu Facebook estiver insuportável, não reclame dele. Feche a aba do navegador. Procure outras leituras. Se alguém insistir para que você diga algo sobre o assunto polêmico do dia, experimente a sensação libertadora de não ser obrigado a expressar sua opinião sobre tudo. Peça desculpas. Diga que está de dieta.


Antes de ler, faça o teste do “e daí?”

Nosso cotidiano foi tomado por leituras inúteis, mas há um método simples para evitá-las. É o que propõe Danilo Venticinque no artigo a seguir, publicado na revista Época.


Não custa repetir: lemos muito menos livros do que poderíamos porque desperdiçamos uma enorme quantidade de tempo lendo bobagens na internet. Deixar de gastar tempo com textos inúteis é a maneira mais eficiente de abrir espaço para os úteis. Nosso tempo de leitura é limitado. Meia hora dedicada a acompanhar a última fofoca é meia hora a menos de um bom livro. Mas o desinteresse por fofocas não é suficiente para garantir que fugiremos das leituras inúteis. O pior tipo de bobagem é a bobagem supostamente relevante. Você começa a ler achando que vai se informar e, quando percebe, já perdeu muito tempo e não aprendeu absolutamente nada de útil.

Nas faculdades de jornalismo, os alunos aprendem que uma notícia deve responder a seis perguntas: o que, quem, como, onde, quando e por que. A elas, alguns professores mais rigorosos acrescentavam uma sétima: e daí? O que aquela notícia traz de relevante para a vida de quem lê? Era impressionante a quantidade de sugestões de reportagens que desmoronavam quando submetidas a esse último teste. E são raríssimos os sites de notícias e blogs que aplicam essa lição. Isso para não falar na imensidão de bobagens que tomam as redes sociais. Publicamos primeiro e pensamos depois. Pior: lemos tudo indiscriminadamente sem fazer a pergunta fundamental: e daí?

Antes, a tarefa de perguntar “e daí” era de quem publicava algo, mas isso mudou. Diante de uma infinidade de textos que não trazem absolutamente nenhuma consequência ou aprendizado para quem lê, cabe ao leitor a tarefa de filtrá-los. Experimente aplicar o teste do “e daí?” às suas leituras online. Observe como a maioria delas fracassa vergonhosamente. Meia dúzia de manifestantes querem a volta da ditadura. E daí? A vice Miss Bumbum perdeu as chaves do carro em Ipanema. E daí? O primo de um amigo comprou um filhote de gato. E daí? Quanto mais rigorosos forem seus filtros, mais tempo sobrará para ler o que importa. São horas de leitura que você pode ganhar sem perder quase nada. No máximo, você se sentirá um pouco desinformado. Talvez você não fique por dentro dos delírios autoritários de meia dúzia de pessoas. Talvez a vice Miss Bumbum passe na sua frente e você não a reconheça. Tudo bem. E daí?


Três anos sem ler notícias

A decisão radical de um escritor para dedicar mais tempo aos livros – e o que podemos aprender com seus conselhos. Esse é o tema do artigo de opinião a seguir, escrito por Danilo Venticinque e publicado na revista Época.


Já imaginou se, depois de dedicar um ano inteiro à leitura, você percebesse que não conseguiu aproveitar nada do que leu? Descrita assim, a experiência parece ser a premissa de um livro de ficção científica ou uma doença neurológica à espera de um diagnóstico. Mas é um fenômeno comum. Entre atualizações de redes sociais, posts de blogs e notícias curtas, uma pessoa com acesso à internet dedica várias horas de seu dia à leitura. A quantidade de informações fragmentadas é grande e difícil de reter. Há uma enorme probabilidade de que este texto seja inútil – e de que, daqui a poucos meses, você não se lembre nada do que escrevi aqui.

A vida de um leitor, desde o início do dia, é uma maratona de decisões. Na internet ou no papel, a oferta de textos diferentes sobre os mais diversos assuntos é enorme. Como sei que o tempo de leitura é escasso, vou pular a parte óbvia deste texto em que eu diria que é impossível ler tudo. Também vou resistir à tentação de dizer que tipo de leitura é indispensável: cada leitor tem a sua resposta para essa pergunta, e o que é imprescindível para alguns pode ser menos importante para outros. Passo, então, para a questão principal: quais textos não merecem o tempo que gastamos com eles?

O escritor suíço Rolf Dobelli acredita ter a resposta. Em seu livro A arte de pensar claramente (Editora Objetiva, 210 páginas, R$ 29,90, tradução de Karina Janini), ele afirma que as notícias são o principal inimigo do leitor. Elas estão fazendo mal para nossos cérebros, e todos nós deveríamos desistir de lê-las. “As notícias são para a mente o que o açúcar é para o corpo: apetitosas, fáceis de digerir – e muito destrutivas no longo prazo”, diz Dobelli. Ele afirma que somos estimulados por informações chocantes, escândalos e fofocas, mas nos sentimos desmotivados diante de textos complexos. A vontade de atrair a atenção do público levaria os meios de comunicação a privilegiar o conteúdo mais superficial. Com o tempo, as notícias deixariam de ser relevantes, e o sensacionalismo nos tornaria incapazes de lidar com as sutilezas da vida. É uma análise pessimista, mas que faz algum sentido quando estamos lendo a trigésima notícia do dia… e já nos esquecemos da primeira.

A profissão e a nacionalidade do autor, reconheçamos, facilitam sua missão de evitar notícias. Os políticos suíços são tradicionalmente mais comportados que os brasileiros, e talvez suas travessuras não mereçam ser acompanhadas diariamente pelo público. E, sendo escritor, Dobelli dificilmente se verá em apuros por não ler notícias. Um investidor ou executivo desinformado, por exemplo, seria um desastre. Mesmo nesses casos, Dobelli adverte que as informações, sozinhas, não fazem um bom profissional. “Se as notícias realmente ajudassem as pessoas a progredir, os jornalistas estariam no topo da pirâmide. Eles não estão lá – muito pelo contrário”, afirma. A provocação dolorosa não impediu que sites jornalísticos como o The Guardian e o Huffington Post publicassem resenhas do livro e reproduzissem seu capítulo sobre notícias. Não que o autor se importe: ele não deve ter lido nenhum deles.

Dobelli segue seus próprios conselhos à risca. Diz estar há três anos sem ler notícias e não tem planos para mudar seus hábitos. As principais informações do mundo, segundo ele, chegam por meio de conversas com amigos. Imagina-se que esses amigos leiam notícias – do contrário, as conversas não cumpririram o papel de informar o autor. Quando quer saber mais sobre um tema atual, ele recorre a livros (“Nada é melhor do que os livros para entender o mundo”) e a textos analíticos longos – que podem estar disponíveis em revistas, jornais ou sites, em maior ou menor quantidade. No mundo ideal de Dobelli, há espaço para o jornalismo que informa, mas não para o que distrai.

Desistir das notícias para sempre é uma solução radical, que dificilmente funcionaria para todos. Dobelli dá a impressão de estar exagerando para chamar a atenção dos leitores – curiosamente, um pecado tradicional do tipo de jornalismo que ele critica. Ainda assim, em tempos cheios de distrações, seu conselho merece ser ouvido. Antes de ler qualquer texto, pense se ele fará diferença na sua vida nas próximas semanas ou meses. Em caso de dúvida, parta para o próximo da lista. Se dedicarmos muitas horas a leituras fragmentadas, sobrará pouco tempo para textos mais longos e nenhum intervalo para a reflexão. Às vezes é preciso ler menos para ler melhor.


Infobesidade

A informação é, para a mente, aquilo que o alimento é para o corpo. A diferença é que não temos sempre à disposição toneladas e mais toneladas de comida para comermos quando quisermos. Por outro lado, a quantidade de informação disponível a qualquer pessoa com acesso à internet é potencialmente infinita. Outra diferença é que o nosso corpo instintivamente “sabe” a hora de parar. Quando estamos fartos, nosso cérebro é avisado de que as reservas estão cheias e que é preciso parar de comer. Esta é a sensação de saciedade. Uma vez fadigado de comer, recusamos penosamente qualquer prato, por mais saboroso que nos pareça. Se tentarmos guardar e acumular toda a comida disponível até que tenhamos fome novamente, deparamos com o fato natural de que toda comida estraga e se deteriora com o tempo. É claro que o sal e mais recentemente a geladeira ajudaram nesse quesito, mas apenas parcialmente. Por esse motivo, decidimos acumular dinheiro, que não se come nem se estraga, mas que pode depois ser trocado por comida fresca. Nossa mente, por outro lado, não reconhece com a mesma facilidade que o corpo quando é hora de parar. Juntando a isso o fato de que a quantidade de informação disponível, especialmente depois do advento da internet, é infinitamente vasta e potencialmente inesgotável, percebemos que a saciedade mental deve ser autoimposta, enquanto que a do corpo é instintiva e natural. Esta é uma questão de saúde mental. Muitos especialistas, inclusive, passaram a usar um neologismo para se referir ao problema: “infobesidade”. A analogia com o corpo e a alimentação é clara.


Um mar de informação

Vivemos numa época em que a informação é abundante como em nenhuma outra antes dela. Eis um dos clichês mais repetidos da atualidade. Tão repetido que Eric Schmidt, ex-CEO do Google, até o transformou em número: a cada 24 horas, a humanidade produz 2,5 bilhões de gigabytes de informação. Isso é mais do que tudo o que foi produzido desde o começo do mundo até 2003! Uau! Muito bacana! Mas e daí? Daí que a realidade é um pouco diferente. Vivemos sim numa era de abundância. Mas informação é uma coisa, conhecimento é outra. Uma está para a outra como o tijolo está para a casa. Uma pilha de tijolos tem potencial para fazer maravilhas, mas sozinha ela é só uma pilha. Eis então um dos maiores desafios (e oportunidades) que temos adiante: transformar esses milhares de tijolos em algo útil. Dá uma trabalheira, mas aqui no Charlezine eu me esforço para fazer a minha parte. Misturar cimento, construir as paredes, mostrar o contexto das coisas, dar sentido a elas, enfim, transformar informação em conhecimento.


Quantas pessoas já viveram no mundo?

humanidade-terraHoje, o nosso planeta conta com uma população estimada em cerca de 7 bilhões de habitantes. Mas, se considerássemos todos os seres humanos que já passaram sobre a face da Terra desde o surgimento do Homo sapiens, há 50 mil anos, quanta gente teria vivido neste mundo? O pessoal do Population Reference Bureau decidiu calcular quantas pessoas já habitaram o nosso planeta, considerando os dados disponíveis — e muitas estimativas — sobre o crescimento populacional global. Essas informações foram obtidas através da seleção do tamanho da população em diferentes períodos (da antiguidade até os tempos modernos) e, depois, aplicando-se os prováveis índices de nascimentos para cada período.

O cálculo está baseado em estimativas aproximadas, e chegar até ao número de habitantes total é bem complicado. Para começar, não é tão simples assim determinar exatamente quando os humanos surgiram na Terra. Outra complicação é que só existem registros estatísticos significativos referentes à população mundial há 2 ou 3 séculos. Até meados do século 18, poucos governos realizavam censos precisos. Portanto, todas as estimativas relacionadas com a antiguidade foram feitas com base em registros relacionados a grupos que pagavam impostos ou indivíduos alistados em serviços militares, por exemplo. Nesse caso, a margem de erro é maior.

Mais aspectos críticos levados em consideração foram a expectativa de vida e a mortalidade infantil que, como você pode imaginar, também variam bastante ao longo da História. Então, para o cálculo, estimou-se que a expectativa de vida ao nascer provavelmente variou numa média de 10 anos aproximadamente durante a maior parte da história da humanidade, o que significa que cerca de 40% de todas as crianças que já nasceram não viveram mais de 1 ano. Assim, considerando um índice de crescimento constante até os tempos modernos, os cálculos realizados pelo pessoal do PRB apontaram que aproximadamente 108 bilhões de pessoas nasceram desde o surgimento dos seres humanos, mais de 15 vezes a população atual do planeta. Isso significa que a população atual representa perto de 6,5% de todo mundo que já viveu aqui na Terra.

Veja também: Explosão demográfica

Pra que eu tenho que saber isso?

Artigo de opinião de Dani Duc.

Uma pergunta que todo professor parece temer que seus alunos façam é: “Pra que eu tenho que saber isso?”. De fato, para que serve saber números complexos, saber que os holandeses invadiram Olinda em 1630, saber balancear equações químicas ou saber o que José de Alencar escreveu há mais de 150 anos num português que nem se usa mais? Pode-se pensar em situações específicas em que essas informações venham a ser úteis, mas por que um adolescente que quer ser advogado tem que aprender sobre números complexos, ou um que quer ser químico deve saber sobre a invasão holandesa?

Bem que poderíamos pegar o tempo gasto ensinando coisas que nem um médico, advogado ou engenheiro irá precisar para continuar seus estudos na faculdade, e usar para ensinar coisas mais práticas, como dirigir, cozinhar ou algo assim. Caso alguém tenha interesse em seguir alguma carreira científica, que faça aulas extras daquela ciência, em outro período, por exemplo. Certamente ele não estará perdendo seu tempo aprendendo a dirigir também, e com isso não obrigamos dezenas milhões de estudantes a decorar coisas que nunca usarão em nome de alguns milhares de possíveis físicos que talvez possam a vir a usar aquelas coisas específicas caso realmente prestem a faculdade. Mas não, em vez disso fazemos todo mundo ler Eça de Queiroz e aprender a resolver contas com matrizes. Por que eu tenho que gastar um tempo, que eu bem que podia estar aprendendo algo útil de verdade, decorando fases da mitose? Para cada adulto que efetivamente usa o conhecimento das fases da mitose em sua vida eu acredito que é possível listar milhares e milhares que não usam, nunca usaram e morrerão após uma vida longa e bem sucedida sem sentir a menor falta de saber isso!

Embora eu acredite que um professor nem sequer admitirá discutir a questão do “pra quê” com o aluno, ela é, na verdade, muito pertinente, e conheço mais de um professor que reconheceu para mim não ter uma boa resposta para ela. Se nem o professor sabe porque ele está lá, muitas vezes em uma hora indecente da manhã, empurrando conhecimento que os alunos não querem, acho que o aluno tem todo o direito de questionar essa prática, classificando-a como arbitrária, abusiva e desnecessária. Entretanto, apesar de acreditar que eles tem esse direito, eu discordo destes alunos. Obviamente há espaço para melhorar nosso sistema de ensino, mas acredito que há um problema na noção que parece estar por trás da famosa pergunta “pra que serve isso”. Refiro-me à ideia errônea de que uma coisa só se justifica se tiver uma finalidade prática imediata, ou pelo menos a médio prazo; de que, se algo não me é útil de uma maneira prática e objetiva, não vale o esforço. Todo o estudo é feito em função de investimento e retorno. O problema que vejo com esta noção é que a escola básica não tem, na minha opinião, como função primordial formar operários, técnicos ou executivos, mas sim cidadãos. Antes de saber que profissão você vai seguir, se determinado conhecimento será prático ou não, você tem que aprender a funcionar em sociedade. Mas como ler Machado de Assis ou aprender matrizes vai te ajudar a ser um cidadão? A respostas tem mais de um nível.

Um monte de coisas que achamos que fazem parte da nossa natureza humana, que vem “de fábrica”, são na verdade habilidades adquiridas, e adquiridas a muito custo. A noção de nação, por exemplo, não nos é inata. Sem educação, é bem possível que um indivíduo não consiga se identificar com nada mais abrangente que sua família, ou grupo de amigos, pessoas de contato imediato. O que nos une é uma ideia abstrata que deve ser aprendida, ou nos esfacelaremos em milhares de pequenas gangues guerreando pelos recursos do outro lado da rua. O Estado moderno, formado por cidadãos, deve por sua vez formar estes cidadãos, pois eles certamente não aprenderão sozinhos a ideia que os une ou a sua função dentro dessa organização abstrata. E uma das coisas que une uma nação é uma cultura comum, um cânone de ideias e trabalhos feitos por outros que nos precederam, pois cultura é trabalho cumulativo. É preciso saber nossa história, como viemos a ser, qual nosso lugar na história mais abrangente da humanidade, que ideias formaram nossa cultura desde suas raízes até os dias atuais.

Então é importante, sim, para você se sentir e ser brasileiro, saber que os holandeses invadiram Olinda e saber o que José de Alencar escreveu, porque essas coisas ajudaram a formar e compõem nossa nação até hoje. Mesmo que o português escrito por Alencar não seja mais usado, ou que um aluno ache o enredo de Iracema mais chato que o filme do Homem-aranha, é preciso conhecer suas ideias, sua linguagem, porque elas são a base do que temos hoje, no centro da nossa nação, da qual você, queira ou não, faz parte. E, para você dar sua contribuição, evoluir o que temos até agora, funcionar plenamente como cidadão, você tem que conhecer suas regras e origens, ou então ficará ignorante de seu papel e portanto incapaz de mudá-lo, incapaz de se conectar com a sua nação.

Mas um cidadão não está conectado somente à sua nação, pois todas as nações estão conectadas por algo em comum: o mundo em que vivemos. É preciso ter uma ideia de como esse mundo funciona, quais são seus princípios fundamentais e regras básicas para que não achemos as coisas ocorrem de maneira aleatória e assim, cairmos facilmente como presas das manipulações de quem efetivamente conhece essas regras. É aí que entra o papel da física, da química e da biologia. Você irá operar dentro deste mundo, e sem conhecer os princípios ficará a mercê de forças que não compreende, como uma criança de quatro anos que tem de viver e trabalhar em um submarino nuclear.

Mas esse aprendizado tem por trás mais um propósito, além de nos “inserir no contexto” do mundo em que estamos vivendo. Existem outras coisas que achamos que nascemos conosco, mas na verdade são habilidades adquiridas: a capacidade de raciocínio lógico e pensamento crítico. De maneira alguma nacemos com eles. Pode-se argumentar que nascemos com a capacidade de adquiri-los, assim como nascemos com a capacidade de falar, mas não nascemos sabendo uma língua. Aprender a falar português e a raciocinar criticamente e logicamente são habilidades duramente conquistadas, a troco de grande trabalho que se estende por anos. Esse é o papel da matemática e das línguas.

Mesmo que você não vá decorar Iracema, você tem que saber ler e interpretar um texto além da historinha óbvia, e perceber que ela é uma alegoria. Ler nas entrelinhas, extrapolar, fazer conexões com outros textos, interpretar, são coisas que devemos praticar muito para aprendermos a fazer. Sem isso, ficaremos eternamente presos no imediato, no aparente, manipulados pela publicidade e propaganda (ideológica ou de outra forma), ingênuos num mundo malicioso. Mesmo que você não lembre como fazer conta envolvendo a raiz quadrada de menos um, a capacidade analítica de abordar um problema permanecerá com você e será ferramenta que te permitirá fugir do procedimento estabelecido por outros. Eu não sou de modo algum contra ensinarmos coisas úteis com finalidades práticas imediatas. Eu sou contra ficarmos apenas ensinando o que será útil e prático imediatamente. Se ficarmos nisso, estaremos formando peças condenadas a repetir apenas essas coisas úteis, sem autonomia, robôs eficientes em seguir roteiros pré-estabelecidos e ordens diretas, sem qualquer identidade com a nação ou mundo que os cerca, apenas recursos sendo explorados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 10 de 16Pág. 1 de 16...91011...Pág. 16 de 16
%d blogueiros gostam disto: