Pessoas que são muito parecidas com personagens de desenhos da Disney

Compilação de 20 fotos de pessoas reais que são incrivelmente parecidas com personagens de desenhos e animações dos estúdios Disney. Fonte: Minilua.

Veja também: Desenhos da Disney em ordem cronológica

d02

d01

d03

d05

d06

d07

d08

d09

d04

d10

d11

d13

d12

d14

d15

d16

d17

d18

d19

d20

O Zorro original da Disney (1957)

zorro-disneyQuando eu era criança, aguardava ansioso, todas as noites, a hora de assistir a minha série favorita na TV. As outras crianças se amarravam em Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball, Power Rangers… Mas eu tinha um gosto excêntrico e meu herói favorito era o Zorro. Não qualquer Zorro, desses modernos e sem graça. Eu só gostava do Zorro original, o Zorro de verdade, o melhor Zorro de todos os tempos, o insuperável Zorro lançado pela Disney em 1957. Para mim, Guy Williams não interpretava o Zorro, ele era o próprio Zorro! Muitos anos depois, já adulto, quase chorei de emoção quando achei no YouTube essa relíquia. Compartilho abaixo a abertura da série dublada. Há ainda a possibilidade de assistir episódios aleatórios no YouTube, dublados ou legendados – basta pesquisar por “zorro disney” ou algo assim. (Série completa em inglês aqui).

A origem dos contos de fadas

disney-princessOs desenhos clássicos da Disney encantaram gerações e marcaram a indústria cinematográfica voltada ao público infantil. Mas as belas histórias retratadas nem sempre tiveram um final feliz: elas já foram bastante sinistras e macabras. No século 16, os contos de fadas não eram brincadeira de criança. Sexo, violência, vingança, medo e fome apimentavam as tramas inventadas e passadas oralmente de geração para geração por camponeses analfabetos nas poucas horas de diversão, quando passavam a noite ouvindo e contando histórias ao redor do fogo nas aldeias europeias.

Essas reuniões eram chamadas de veillées pelos franceses. As mulheres narravam seus casos enquanto fiavam e teciam, costume que originou expressões como “tecer uma trama” e “costurar uma história”. Enquanto isso, os homens consertavam suas ferramentas ou quebravam nozes, já que no universo dos camponeses franceses pré-Revolução não havia tempo para descanso. Nesse tempo, diversão e trabalho misturavam-se, como na história da pobre Gata Borralheira. Tanta inspiração nascia do cotidiano: a segurança da casa e da aldeia opunha-se aos perigos da estrada e da floresta, como em Chapeuzinho Vermelho. A crueldade fazia parte do roteiro pois era pobreza, miséria e morte que se esperava do mundo no século 16. A fome, o maior mal daquele tempo, protagonizava muitas das narrativas, como em João e Maria, em que os pais abandonam as crianças na floresta por não ter como alimentá-los.

Já imaginou se o lenhador não chegasse a tempo para salvar Chapeuzinho Vermelho e sua avó? Pior: e se a menina, antes de ser devorada pelo lobo mau, ainda fosse induzida por ele a beber o sangue da avó, além de tirar a roupa e deitar-se nua na cama? Você contaria tal historinha a seu filho? Os camponeses da França do século 16 contavam. Sem papas na língua, os contadores de histórias caprichavam nos detalhes, digamos, escabrosos. A Bela Adormecida, por exemplo, foi estuprada por um anão durante o sono na versão original. E os detalhes violentos e libidinosos desta e de outras histórias que povoam o nosso imaginário não param aí. Isso acontecia porque, nos contos originais, a intensão não era puramente vender algo bonito ao público infantil, mas sim trazer uma lição. Dessa forma, pouco importava se no final a princesa ou o príncipe viveriam felizes para sempre, ou sequer se viveriam, o que importava era a “moral da história”.

Se você nunca ouviu as versões apimentadas, foi por obra e graça de escritores como o francês Charles Perrault, os alemães Jacob e Wilhelm Grimm (os famosos irmãos Grimm) e o dinamarquês Hans Christian Andersen, que, entre o fim do século 17 e o início do século 19 pesquisaram, recolheram e adaptaram as histórias contadas por camponeses criados em comunidades de forte tradição oral. Somente depois dessa adaptação, os contos foram sendo sucessivamente amenizados até chegarem às versões “censura livre” que conhecemos hoje. Veja o desfecho dos principais contos de fadas, como eram originalmente e como ficaram depois da adaptação, no site da Superinteressante.

Assista também a palestra ministrada pela professora Lúcia Helena Galvão, diretora da Nova Acrópole de Brasília, sobre o simbolismo dos contos de fadas:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 1 de 11
%d blogueiros gostam disto: