Os traficantes do amor

Crônica de Ivan Martins para a revista Época.

Na minha mesa de trabalho há uma rosa amarela do dia dos namorados. Entraram aqui um fortão e uma loirinha, vestidos de anjo, e deixaram o presente em nome de uma marca de cerveja. Achei engraçado, mas, assim que eles saíram, bateu certa melancolia. Como é fácil banalizar as coisas que nos comovem. Como é simples transformar em clichê – ou babaquice – os sentimentos terríveis que definem a nossa humanidade. Olhe em volta: estamos cercados pela palavra “amor”. Há um milhão de livros com esse título, dez milhões de músicas com esse refrão, centenas de filmes e um batalhão diário de novelas que tratam do assunto. Pela quantidade de produtos amorosos que nos oferecem, é inevitável concluir que consumimos mais amor do que cerveja, chocolate e televisores de tela plana (talvez um pouco menos que celulares).

Nosso apetite por amor não tem limites. Nossa sede de amor jamais acaba. Somos carentes insaciáveis. Sonhamos com o amor todas as noites. Acordamos encharcados de imagens doloridas. Dentro de nós se agita um mar de memórias que tem como centro as nossas experiências de afeto. Velhas, remotíssimas e recentes. Elas nos movem de forma inconsciente. Somos filhos, somos irmãos, somos amigos, somos amantes, somos pais e mães. Todos nós. A cola que liga todas essas situações é o amor. Começamos a receber amor ainda minúsculos, nos braços da mãe, e nunca mais paramos. Ele nos constitui emocionalmente, como os músculos e os ossos nos formam fisicamente. É parte essencial de nós e precisa ser reposto, realimentado, revivido a cada dia, a cada momento, em um processo que, a rigor, nunca tem fim. Um alienígena que chegasse à Terra iria perceber, em dois minutos, nossa abissal vulnerabilidade. Além de água, alimento, abrigo, precisamos desesperadamente de amor – em várias formas, em qualquer forma na verdade. Somos viciados nele. Erguemos nossa vida em torno dele. Do erotismo violento da adolescência aos sentimentos suaves da velhice, nossa existência é uma longa experiência amorosa – ou uma busca desesperada, e muitas vezes cega, muitas vezes infrutífera, pelo amor.

É por isso que me incomoda a banalização comercial do sentimento. Ela me parece uma covardia, quase uma canalhice. Algo como oferecer luz a um cego. Diante do amor, somos todos ingênuos, frágeis, facilmente enganáveis. É simples nos vender qualquer coisa, nos iludir com qualquer promessa. Estamos, desde crianças, atrás da próxima dose dessa droga – e, às vezes, tenho a sensação de estarmos cercados de traficantes que não entregam a mercadoria. Nem poderiam. Nossos verdadeiros sentimentos são obscuros e sombrios, quase impossíveis de serem saciados. Eles não cabem nos formatos pré-moldados da indústria do amor. Diante do tamanho das nossas necessidades, e da nossa imensa complexidade, a indústria do amor está fadada a nos desapontar. Ela oferece música para um momento de dor, mas mil músicas são incapazes de nos consolar quando acabamos de ser abandonados. Ela nos dá lindas histórias de amor, mas quem pode com elas quando está coberto por um manto intransponível de medo e tristeza? O paradoxo do amor público, industrial, feliz, multiplicado nas redes sociais e nas salas de cinema, é que as nossas experiências realmente importantes são incomunicáveis e intransferíveis. Apesar do estardalhaço social, estamos sozinhos frente ao amor. Cabe a cada um de nós encontrá-lo, vivê-lo ou perdê-lo intimamente. É inevitável gemer sozinho no escuro. O pessoal da rosa amarela não estará disponível se você precisar deles.

A misteriosa origem do Natal

A historiadora Jany Canela afirmou em entrevista ao site Cross Content que “a origem do Natal é muito vaga”. Cristãos de todo o mundo celebram o nascimento de Jesus no dia 25 de dezembro, porém há relatos históricos indicando que o Natal é uma festa anterior ao nascimento de Jesus. “Na verdade, é sabido que muitos rituais e festas instituídas pela Igreja Católica como cristãs eram originalmente tradições pagãs reunidas de maneira a incluir também a cultura popular”, afirma a historiadora.

Uma das possíveis origens do Natal é um antigo festival na Mesopotâmia, que simbolizava a passagem de um ano para o outro, com festas que duravam 12 dias e seguia uma tradição que dizia que o rei deveria morrer no fim do ano e, ao lado do deus Marduk, lutar contra os monstros. Para evitar que o rei fosse morto, um criminoso era vestido com roupas do rei e tratado com privilégios, antes de ser morto como sacrifício. “Os povos antigos sempre realizaram festas de celebração em deferência aos marcos de transição da natureza, como as estações ou períodos representativos de mudanças importantes, entre eles o solstício (em dezembro) e o equinócio (em março)”, explica Jany Canela. Outra possibilidade de origem para o Natal é um ritual praticado pelos persas e babilônios, chamado Sacae, também motivado pela luta contra o mal e com escravos sendo tratados como senhores. “Por conta da relação luz/escuridão trazida pela simbologia do solstício, a teoria mais difundida sobre o Natal associa a data a esse período, em que alguns povos passavam a noite em vigília com tochas acesas para garantir que o sol nascesse e imperasse sobre a escuridão”, afirma Canela.

Os gregos antigos também incorporaram os rituais estabelecidos pelos mesopotâmios ao celebrar a luta de Zeus contra o titã Cronos. Esse hábito também chegou aos romanos, que passaram a realizar a Saturnalia, uma comemoração em homenagem ao deus Saturno, que começava no dia 17 de dezembro e ia até o 1º de janeiro, celebrando a noite mais longa do ano, o solstício de inverno. Segundo essas tradições, o dia 25 era a data em que o sol se encontrava mais fraco (no hemisfério norte), porém pronto para recomeçar a crescer e trazer vida às coisas da Terra. Nessas tradições, o dia 25 de dezembro era conhecido como o Dia do Nascimento do Sol Invicto, e era tratado como feriado, pois não havia trabalho nem aulas e eram realizadas festas nas ruas e celebrações com amigos. As árvores verdes eram enfeitadas e iluminadas com muitas velas para expulsar os maus espíritos. A tradição cristã, historicamente mais recente, comemora em 25 de Dezembro a data em que a virgem Maria deu à luz o filho de Deus, Jesus, em uma manjedoura. Porém, a data exata do nascimento do homem que mais influenciou a cultura e as religiões de todo o mundo, é um mistério.

Sobre a prática de infanticídio em algumas tribos indígenas da Amazônia

Hoje é Dia das crianças. Quero aproveitar a data para alertar sobre um triste fato do nosso Brasil: Enquanto a maioria das crianças brasileiras ganha presentes hoje, uma minoria indefesa está sendo cruelmente assassinada nas aldeias indígenas.

Fiquei pasmo quando li numa matéria da Folha que o terrível costume indígena de enterrar crianças vivas – ou abandoná-las na floresta para morrer – persiste em pleno século 21 em cerca de 20 etnias brasileiras. Segundo a reportagem, os bebês são escolhidos para morrer por diversos motivos, desde nascer com deficiência física ou mental a ser gêmeo ou filho de mãe solteira. ONGs acusam o governo de cruzar os braços diante da morte de crianças e defendem que o Estado seja obrigado por lei a protegê-las. A polêmica chegou ao Congresso em 2007, quando o deputado Henrique Afonso (PV-AC) apresentou um projeto de lei que previa punir agentes de saúde e da Funai (Fundação Nacional do Índio) que não tomarem “medidas cabíveis” para impedir o ritual. Eles responderiam por crime de omissão de socorro, cuja pena varia de multa a prisão por até um ano. “As tradições dos povos indígenas devem ser respeitadas, mas o direito à vida é um valor universal e garantido pela Constituição”, afirma o deputado. Nada mais justo, na minha opinião. Enquanto lia, pensei no quanto esse projeto é necessário e deveria ser aprovado e transformado em lei o quanto antes.

Do outro lado da discussão, políticos, antropólogos e assessores da Funai pressionaram a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, que adiou a votação da proposta por 4 anos. A deputada Janete Pietá (PT-SP) se diz uma atuante em defesa da autonomia dos povos indígenas e afirma: “A tradição de sacrificar crianças é mantida por poucas comunidades. O Brasil tem mais de 200 povos indígenas. Se isso ainda ocorrer em 20, são apenas 10%”. Nos bastidores, a Funai fez de tudo para enfraquecer o texto com o argumento de que ele criaria uma interferência cultural indevida e reforçaria o preconceito contra os índios. Em 2010, a Funai ainda processou a entidade evangélica Jocum pela exibição de um documentário sobre o infanticídio. A Justiça Federal determinou a retirada do vídeo do YouTube por entender que ele incitava o preconceito e causava dano à imagem dos índios.

Links sobre cultura clássica

Lista de filmes sobre a Grécia Antiga

Letras Clássicas – Curso de Graduação em de Letras Clássicas da UFPB.

Dicionário de Latim – Traduza palavras e expressões para português.

Thesaurus Linguae Graecae – Biblioteca digital de literatura grega.

Perseus – Textos em grego e em latim, com tradução para o inglês.

Curso de Latim Online – Ministrado pelo professor Rafael Falcón.

Rafael Falcón – Professor, palestrante e pesquisador.

Bible Hub – Recursos para estudar textos bíblicos.

Isso é Grego! – Recursos para estudar grego koinê.

Chou Seh-fu – Recursos para estudar grego antigo.

Type Greek – Transliteração para o alfabeto grego.

Biblioteca Augustana – Textos em grego e latim.

Latinitas Brasil – Leitura de textos em língua latina.

Ephemeris – Notícias diárias em latim.

The Latin Library – Textos em latim.

SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos.

SEEC – Sociedad Española de Estudios Clásicos.

Classica Digitalia – Biblioteca online de estudos clássicos.

Estudos Clássicos – Portal da Universidade de Coimbra.

Dickinson College – Comentários sobre textos clássicos.

Fluir Perene – Projeto de divulgação da cultura clássica.

Theoi – Deuses da mitologia grega.

LHIA – Laboratório de História Antiga (UFRJ).

NEA – Núcleo de Estudos da Antiguidade (UERJ).

CEIA – Centro de Estudos Interdisciplinares da Antiguidade (UFF).

GEMAM – Grupo de Estudos sobre o Mundo Antigo e Medieval (UFSM).

NEHMAAT – Núcleo de Estudos em História Medieval e Antiga (UFF).

MERIDIANUM – Núcleo Interdisciplinar de Estudos Medievais (UFSC).

Idade Média Brasil – Mapeamento de estudos medievais no Brasil.

ABREM – Associação Brasileira de Estudos Medievais.

 

ALFABETO GREGO:

α (alfa)   β (beta)   γ (gama)   δ (delta)   ε (épsilon)

ζ (zeta)   η (eta)   θ (teta)   ι (iota)   κ (capa)

λ (lambda)   μ (mi)   ν (ni)   ξ (csi)   ο (ômicron)

π (pi)   ρ (rô)   σ (sigma)   τ (tau)   υ (úpsilon)

φ (fi)   χ (qui)   ψ (psi)   ω (omega)   Γ (Gama)

Δ (Delta)   Π (Pi)   Σ (Sigma)

.

Veja também:

Links de utilidade pública

Links de utilidade acadêmica

Links de teologia reformada

Links de filosofia

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 10 de 10Pág. 1 de 10...8910
%d blogueiros gostam disto: