Ranking elege as 40 melhores pequenas cidades do Brasil para se viver na velhice

Símbolo de tranquilidade e qualidade de vida para alguns, as pequenas cidades se consagraram nos imaginário popular como o ambiente mais propício para se aproveitar a velhice. Com o aumento da expectativa de vida da população, a tendência é que elas entrem no radar dos brasileiros que buscam uma vida mais plena na terceira idade.

Das 348 cidades brasileiras que têm entre 50 mil e 100 mil habitantes, 40 se destacam por oferecer boas condições de vida para a pessoas com mais de 60 anos. É o que revela o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade, elaborado pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon em parceria com a FGV. Os municípios foram classificados segundo sete variáveis: Indicadores Gerais; Cuidados de Saúde; Bem-Estar; Finanças; Habitação; Educação e Trabalho e Cultura e Engajamento, que receberam pesos com base nas principais necessidades da população com mais de 60 anos.

O clima também foi levado em conta para a finalização do ranking, que tirou pontos dos municípios de acordo com a frequência com que eles apresentam dias com altas temperaturas, chuvas intensas ou baixa umidade. Essas cidades também foram avaliadas segundo classificações específicas – com diferentes pesos para cada variável – com foco na parcela com idade entre 60 e 75 anos e para população acima dessa faixa.

De acordo com o ranking abaixo, das 40 melhores cidades brasileiras para se viver na velhice, mais da metade (25 delas) ficam no estado de São Paulo. As outras 15 ficam nos estados de Minas Gerais (3), Paraná (4), Santa Catarina (3) e Rio Grande do Sul (5). Nenhuma cidade das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste aparecem no ranking.


CidadePosiçãoNota
São João da Boa Vista, SP199.82
Vinhedo, SP299.49
Lins, SP396.61
Fernandópolis, SP495.70
Tupã, SP594.78
Votuporanga, SP693.92
Lajeado, RS792.69
Itapira, SP892.21
Rio do Sul, SC992.15
Bebedouro, SP1091.11
Pato Branco, PR1189.87
Jaboticabal, SP1289.13
São José do Rio Pardo, SP1389.05
Paulínia, SP1489.01
Olímpia, SP1588.82
Videira, SC1688.49
Jaguariúna, SP1788.08
Mogi Mirim, SP1887.96
Batatais, SP1987.37
Avaré, SP2087.01
Matão, SP2186.96
Capivari, SP2286.61
Lavras, MG2385.22
Pirassununga, SP2484.47
Mirassol, SP2584.28
Taquaritinga, SP2683.95
Marechal Cândido Rondon, PR2783.75
Concórdia, SC2883.50
Alfenas, MG2983.47
São Roque, SP3083.25
Cruzeiro, SP3183.24
Ijuí, RS3282.90
Esteio, RS3382.67
Ibitinga, SP3482.48
Montenegro, RS3582.02
Itajubá, MG3681.09
Francisco Beltrão, PR3780.83
Cianorte, PR3880.80
Andradina, SP3980.74
Farroupilha, RS4080.72

Fonte: Exame.

Aquecimento global: de quem é a culpa?

Estudos realizados pela Nasa comprovam que a temperatura do planeta vem subindo nos últimos 125 anos. Os maiores responsáveis seriam fatores naturais ou humanos? É o que tenta responder esse vídeo curto produzido pelo jornal Nexo.

Níveis de irradiação solar no mundo

SolarGIS-Solar-map-World-map-en

É certo que, sem irradiação solar, a vida seria impossível na Terra. Mas a luminosidade e o calor excessivos devem ser apreciados com moderação. Níveis muito elevados de irradiação solar podem causar problemas ambientais, como queimadas e desertificação, e também problemas de saúde, como câncer e envelhecimento precoce da pele. Veja abaixo vários mapas produzidos pelo SolarGIS mostrando os níveis médios de irradiação solar em todos os continentes do planeta. Neste e nos próximos verões, se você vive numa das regiões mais alaranjadas ou avermelhadas do mapa, fique atento e não esqueça de usar protetor solar. Saiba, também, que a sua região tem muito potencial para a produção de energia solar e que seria ótimo se esse potencial fosse aproveitado.

.

SolarGIS-Solar-map-North-America-en

SolarGIS-Solar-map-Latin-America-en

SolarGIS-Solar-map-Europe-en

SolarGIS-Solar-map-Africa-and-Middle-East-en

SolarGIS-Solar-map-South-And-South-East-Asia-en

SolarGIS-Solar-map-Australia-en

Nova York e João Pessoa registram mesma temperatura na noite de Natal

Normalmente com temperaturas negativas e coberta de neve nessa época do ano, a cidade de Nova York acaba de bater um recorde curioso: esta foi a véspera de Natal mais quente da história. O antigo recorde era de 17º C, registrado em 1996, segundo dados do Serviço Meteorológico Nacional americano (NWS), que mede desde 1871. Na última noite de Natal, porém, os termômetros por lá marcaram incríveis 22º C, mesma temperatura registrada aqui em João Pessoa, na Paraíba, de onde escrevo.

weather nyc christmas

Os termômetros também não ficaram muito diferentes disso em Boston, Washington, Recife e Natal. Com uma diferença básica importante: no Nordeste brasileiro estamos em pleno verão de uma região tropical, enquanto o Nordeste americano está em pleno inverno de uma região temperada. Por aqui, tudo normal. É por lá que o clima anda bastante confuso e está intrigando os meteorologistas. Depois do recorde de frio e das intensas nevascas no inverno passado, o Natal sem neve nos EUA e Canadá frustrou os turistas, e as lojas de Manhattan voltaram a ligar o ar-condicionado. A imagem abaixo é um sinal bastante influente de que o clima está meio louco no mundo. Ela mostra, em plena véspera de Natal, novaiorquinos jogando beachvoley de bermuda e sem camisa no Central Park (foto: AFP), coisa definitivamete impensável em um ano normal.

beachvoley nyc christmas

A respiração da Terra

É incrível ver como nosso planeta reage às estações do ano. No gif abaixo, criado por John Nelson, vemos as mudanças climáticas anuais na Terra de uma forma que lembra muito a respiração animal – ou os batimentos cardíacos. Veja como o inverno faz aumentar zonas cobertas pela neve e como o verde ganha espaço em estações mais quentes, especialmente no hemisfério norte.

breathing earth 2

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 1 de 212
%d blogueiros gostam disto: