Os 10 idiomas mais falados no mundo

Segundo a última edição do livro Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo hoje é 6912. Confira na lista abaixo as dez línguas mais faladas no mundo, com seu respectivo número de falantes e alguns países e regiões onde ela é o idioma oficial. Note que o Inglês, considerada hoje a língua franca, o idioma universal, é apenas o terceiro do mundo em número de falantes, atrás do Mandarim e do Hindi, que o superam devido à enorme população da China e da Índia, respectivamente. O nosso querido Português aparece em sexto colocado, com cerca de 218 milhões de falantes.

LÍNGUA

FALANTES

   PAÍSES E REGIÕES

Mandarim

1051 milhões

   China, Malásia e Taiwan

Hindi

565 milhões

   Índia (regiões norte e central)

Inglês

545 milhões

   EUA, Canadá, Reino Unido e Austrália

Espanhol

450 milhões

   Espanha e América Latina

Árabe

246 milhões

   Oriente Médio e norte da África

Português

218 milhões

   Brasil, Portugal, Angola e Moçambique

Bengalês

171 milhões

   Bangladesh e nordeste da Índia

Russo

145 milhões

   Rússia e Ásia Central

Francês

130 milhões

   França, Canadá e alguns países africanos

10º

Japonês

127 milhões

   Japão


As capitais linguísticas do mundo

Substituindo, na lista acima, os idiomas Hindi e Bengali pelo Alemão e o Italiano, acredito obter a lista das 10 línguas mais importantes do mundo (primeira coluna a esquerda na tabela abaixo). Essa escolha não foi arbitrária: embora possuam um maior número de falantes, especialmente na Índia e em Bangladesh, os idiomas Hindi e Bengali não têm a mesma importância cultural que o Alemão e o Italiano têm para o resto do mundo. Tendo obtido essa lista, escolhi, para cada um desses 10 idiomas, por ordem de importância política, econômica, histórica, cultural e demográfica, as três cidades mais influentes nas quais esse idioma é a língua oficial. Chamei-as de “capitais linguísticas do mundo”.

INGLÊS

Nova York (EUA)

Londres (ING)

Los Angeles (EUA)

ESPANHOL

Madri (ESP)

Cid. do México (MEX)

Buenos Aires (ARG)

FRANCÊS

Paris (FRA)

Montreal (CAN)

Bruxelas (BEL)

ALEMÃO

Berlim (ALE)

Frankfurt (ALE)

Munique (ALE)

PORTUGUÊS

São Paulo (BRA)

Rio de Janeiro (BRA)

Lisboa (POR)

ITALIANO

Roma (ITA)

Milão (ITA)

Nápoles (ITA)

RUSSO

Moscou (RUS)

São Petersburgo (RUS)

Kiev (UCR)

ÁRABE

Cairo (EGI)

Teerã (IRÃ)

Dubai (EAU)

MANDARIM

Shangai (CHI)

Pequim (CHI)

Hong Kong (CHI)

JAPONÊS

Tóquio (JAP)

Osaka (JAP)

Nagoia (JAP)

Precisamos repensar nosso urbanismo

Proponho uma experiência simples: Abra o Google Maps, escolha uma cidade brasileira qualquer e dê um zoom em um bairro residencial de classe média. Pela imagem de satélite, você provavelmente verá que a paisagem é predominantemente cinza (de cimento, concreto e asfalto) e marrom (dos telhados), com poucos pontos verdes (das árvores). Solte o bonequinho do Street View em uma rua qualquer e constatará que as casas são todas muradas e com grades. As calçadas são irregulares e desniveladas.

Mooca - SP
Mooca, bairro central de São Paulo

Agora escolha uma cidade aleatória dos Estados Unidos (ou de qualquer outro país desenvolvido no mundo) e dê um zoom em um bairro residencial também de classe média. Pela imagem de satélite, você provavelmente verá que a paisagem é predominantemente verde, por causa das muitas árvores e dos quintais gramados. Solte o bonequinho do Street View em uma rua qualquer e constatará que as casas não têm muros nem grades. As calçadas são todas padronizadas e planas.

Bronx - NYC
Bronx, distrito mais pobre de Nova York

Qual ambiente urbano você considera mais agradável para se viver? Certamente não é aquele com o qual estamos acostumados. Isso significa que precisamos repensar nosso urbanismo, nossa forma de organizar as cidades. É claro que, antes de mudar a cultura dos muros nas casas, precisamos garantir o mínimo de segurança pública. Mas há algo que já podemos começar imediatamente: a questão do verde, a arborização, o cultivo de jardins e gramados. Só isso já transforma surpreendentemente a paisagem urbana, deixando-a muito mais agradável.

O planeta Terra visto à noite

As áreas iluminadas no mapa mundi abaixo representam os centros urbanos ao redor do mundo. Para criar esta projeção, toda a superfície terrestre foi fotografada via satélite durante a noite do dia 27 de novembro de 2000. É uma imagem incrível! Ela foi criada com dados do Defense Meteorological Satellite Program e traz consigo uma importante constatação científica: a civilização humana é detectável do espaço. Isso significa que, depois da descoberta e popularização da eletricidade, são maiores as chances de sermos encontrados por civilizações alienígenas. Além disso, ela é um ótimo instrumento para se estudar o fenômeno da urbanização em todo o mundo, já que dá para identificar facilmente onde estão os grandes centros urbanos. Clique na imagem para ver maior.

earthlights-2000

terra-noite


Enxergando o Antropoceno:
o impacto planetário da atividade humana

carto_anthro800px-4

Oficialmente, o Antropoceno ainda não existe. Mas é cada vez maior o reconhecimento de que a atividade humana alcançou tal ponto que entramos em nova era geológica, na qual nossas ações coletivas afetam o sistema planetário em uma escala sem precedentes. Minúsculos seres humanos, que colocados lado a lado caberiam todos em um estado brasileiro, espalhados por todo o globo, com suas muitas máquinas, dominam hoje os rumos do clima, da biodiversidade e dos recursos limitados da terceira grande rocha do sistema solar. No vídeo abaixo, vemos as luzes das cidades, bem como a infra-estrutura de energia e transportes desses pequenos humanos avançando por todos os cantos da Terra. E esta não é apenas uma representação virtual, a centenas de quilômetros no espaço: as luzes podem ser vistas muito bem a olho nu. O termo Antropoceno foi cunhado por Paul Crutzen, um dos descobridores do buraco na camada de ozônio.


Um time-lapse da Terra vista do espaço

Milhares de fotos tiradas pela equipe da Estação Espacial Internacional, de agosto a outubro de 2011, foram transformadas nesse belíssimo vídeo em time-lapse. Nele, você pode ver claramente as luzes dos grandes centros urbanos à noite e os raios dentro das nuvens carregadas em tempestades. As imagens foram capturadas a uma altitude de 350 quilômetros, com uma camera HD de alto ISO desenvolvida pela NHK do Japão.

Entenda a polêmica e o movimento que quer mudar o nome da capital da Paraíba

Joao_Pessoa_Cavalcanti_de_AlbuquerqueVeja também: João Pessoa: 430 anos

“João Pessoa nunca foi um herói. A verdade é que ele foi um grande filho da mãe”, diz o vereador Flávio Eduardo Ribeiro, popularmente conhecido como Fuba. Agitador cultural e presidente do maior bloco carnavalesco da capital paraibana, o Muriçocas do Miramar, Fuba é uma das principais lideranças de um movimento que vem ganhando força na Paraíba. Criado em fevereiro de 2008, o movimento “Paraíba, capital Parahyba” luta para mudar o nome da capital, retirando o nome do político João Pessoa.

A cidade ganhou esse nome em setembro de 1930 em homenagem ao então presidente da província e candidato a vice-presidente da República na chapa de Getúlio Vargas. Até então, a cidade chamava-se Parahyba. A mudança do nome aconteceu em meio a um clima de comoção após o assassinato de João Pessoa, em julho de 1930, no Recife. A morte é apontada por historiadores como o estopim da Revolução de 1930, que derrubou o então presidente Washington Luís e levou Getúlio Vargas ao poder.

João Pessoa foi um político controverso. Implantou uma forte política de taxação do comércio, com barreiras tributárias a cada 20 km de estradas. Colecionou inimigos e perseguiu vários deles, sobretudo entre as famílias tradicionais do sertão paraibano. A morte dele, inclusive, é apontada como resultado de perseguição ao advogado João Dantas, membro de uma das principais oligarquias locais. Por ordem de Pessoa, Dantas teve um caso amoroso exposto para toda a sociedade. Meses depois, o rival se vingou dando três tiros em João Pessoa numa confeitaria no Recife. “A morte de João Pessoa não teve nada de crime político ou passional. Foi um crime de lavagem de honra”, diz Fuba, autor de Parahyba 1930: a verdade omitida e Contando a real história da Paraíba.

Fuba credita ao magnata das comunicações Assis Chateaubriant a criação do mito em torno do então governador paraibano. Como seu assassinato impulsionou a revolução de 1930, João Pessoa virou herói. Passou a ser visto como um grande revolucionário, desses que mereciam todas as homenagens possíveis. E foram muitas homenagens. Muitas. Estátuas, passeatas com foto de corpo inteiro, nas quais as pessoas tinham que se ajoelhar ao passar, e até atribuição de milagres! Tudo em nome do “grande herói”. José Américo de Almeida – que, inclusive, dá nome a um bairro da capital – refere-se a esse tempo como “loucura coletiva e demência generalizada”, já que essa veneração criada em volta de João Pessoa era na verdade desmerecida. João Pessoa havia virado mito e seus partidários souberam usar sua morte a favor de um golpe de estado.

A verdade é que João Pessoa nunca viveu na cidade que recebeu seu nome. Nasceu em Umbuzeiro, no interior da Paraíba, viveu em Recife e foi enterrado no Rio de Janeiro. Em 1930, era candidato a vice na chapa de Getúlio Vargas, o maior ditador que o Brasil já teve, e tudo que conseguiu na política foi através do seu tio, Epitácio Pessoa – que dá nome à principal avenida da capital. Ele brigou com os presidentes dos três estados vizinhos: Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte, assim como seus irmãos e primos, e até com fazendeiros que anteriormente eram aliados. Cobrou pedágios absurdos pra quem viajasse por estradas paraibanas, aglomerando lucros exorbitantes.

Para levar a cabo a mudança de nome da capital, o movimento evoca a Constituição do Estado da Paraíba, que em seu artigo 82 prevê a realização de um plebiscito para a escolha do nome da capital, mas soa como letra morta desde a promulgação da Constituição de 1988. Na classe política local, o tema é tratado como um tabu: até hoje nenhum deputado estadual apresentou projeto de lei para a realização do plebiscito.

bandeira atual e antiga da paraiba

O grupo também defende a retomada da antiga bandeira da Paraíba (imagem acima à direita). A bandeira atual (acima à esquerda), criada em 1930, traz o preto do luto pela morte de João Pessoa e o vermelho que representa seu sangue. A palavra “NEGO”, escrita em branco, representa a negação do apoio de João Pessoa a Júlio Prestes, candidato a presidente da situação apoiado pelo então presidente Washington Luís. A versão é contestada pelos “mudancistas”: João Pessoa só teria negado apoio a Júlio Prestes após ter sido rejeitado para uma composição política com ele, de quem tentou ser vice. Em suma, todo o simbolismo da atual bandeira da Paraíba – o preto, o vermelho e a palavra “NEGO” – significam, respectivamente, o luto, o sangue e a politicagem. Dificilmente poderíamos encontrar outra bandeira tão negativa.

Com informações de: Folha de S.Paulo e Portal Paraíba.

Fotos antigas de João Pessoa

Veja também: João Pessoa 430 anos

Esta semana a minha cidade de João Pessoa completa 432 anos de fundação. Por isso quero compartilhar com vocês as raridades abaixo. São fotografias feitas em 1954 (em preto e branco) e 1979 (coloridas), que retratam algumas das principais avenidas e cartões postais da terceira capital mais antiga do Brasil.

Avenida Epitácio Pessoa em 1954
Avenida Epitácio Pessoa com o mar ao fundo em 1954
Avenida Getúlio Vargas com a Lagoa ao fundo em 1954
Avenida Getúlio Vargas com a Lagoa ao fundo em 1954
Orla da praia de Cabo Branco em 1954
Orla da praia de Cabo Branco em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Praia de Tambaú sem o Hotel em 1954
Orla da Praia de Tambaú em 1979
Orla da Praia de Tambaú em 1979
Ponto de Cem Réis em 1979
Ponto de Cem Réis em 1979
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 1 de 6123...Pág. 6 de 6
%d blogueiros gostam disto: