Onde já nevou no Brasil?

Esta pergunta foi enviada pelo leitor Ruan Orlandini, da cidade de Bonfim Paulista-SP, à equipe de redação da revista Mundo Estranho, que pesquisou e respondeu nestes termos:

No Brasil, já nevou em todos os estados do Sul e Sudeste (exceto Espírito Santo) e também em algumas cidades do Mato Grosso do Sul, no Centro-Oeste. A neve é formada em nuvens com temperatura interna abaixo de zero graus Celsius (0ºC), e no Brasil inteiro há nuvens assim, até mesmo no Norte e Nordeste. No entanto, para a neve formada nas nuvens chegar ao chão, a temperatura do ar entre a nuvem e o solo não pode ser positiva em nenhum ponto. Caso contrário, os flocos de gelo derretem e viram gotas de água. Na região Sul a neve é mais frequente. O acúmulo, no entanto, é que costuma ser pequeno: embora já tenha chegado a mais de 1 m de espessura, raramente ultrapassa 10 cm. No Sudeste, há registros de neve no Parque Nacional de Itatiaia, entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais. Em São Paulo, já caiu neve nos municípios de Cunha e Campos do Jordão.

onde-nevou-no-brasil

Casos históricos de neve no país:

Vacaria, RS, 1879 – Um jornal gaúcho publicou que, em 7 de agosto, caiu tanta neve que os bois ficaram apenas com os chifres de fora.

São Joaquim, SC, 1957 – Nevou por 8 horas seguidas. A cidade ficou coberta por 7 dias e a Força Aérea Brasileira precisou ajudar enviando medicamentos.

Caxias do Sul, RS, 1975 – Primeira partida de futebol com neve no Brasil. O Juventude venceu o Inter de Santa Maria por 2 x 0 num campo esbranquiçado.

Santa Catarina, 2013 – Houve precipitação de neve em um terço das cidades. No Brasil, não há registros anteriores em área tão ampla.

Vale a pena abandonar o Brasil?

Artigo de Gustavo Cerbasi para a revista Época.

brasil bandeira

Nunca se falou tanto sobre planos de mudança de brasileiros para o exterior. O turismo internacional, intenso nos últimos anos, apresentou aos viajantes o néctar da civilidade. Como uma criança que compara seu lar ao do colega, descobrimos como é a vida nos países em que impostos são efetivamente usados para o bem público, em que o capitalismo é democrático e em que a educação é levada a sério. Famílias de diversos níveis de renda têm feito contas para jogar tudo para o alto, em busca de uma vida menos sofrida, menos violenta, menos insegura e com mais perspectivas para seus filhos. Não é uma decisão fácil, pois os componentes desses planos não são apenas racionais. Ao fazer as contas, deduzimos que, com bem menos do que ganhamos aqui, vivemos melhor lá. Há falhas nessas simulações. Poucos levam em conta que os impostos sobre renda, investimentos e herança são maiores no exterior. Ao comparar preços de imóveis, automóveis e gastos cotidianos, também é fácil esquecer os impostos sobre o consumo – no exterior, eles não costumam estar embutidos nos preços. Mas é fato: morar na América do Norte e em alguns países europeus sai mais barato que no Brasil.

Deixando as contas de lado, é preciso fazer uma análise qualitativa dos aspectos emocionais da mudança. Sua família conseguiria viver muito tempo sem aquilo que lhe é familiar? Amigos, parentes, hábitos de fim de semana, nossa música e idioma, nosso histórico profissional e educacional? Não se deve desprezar que, em outros países, enquadramo-nos apenas na categoria de latinos, sujeitos a toda sorte de preconceitos – incluindo o bullying de nossos filhos na escola. Morei alguns meses no exterior e experimentei o impacto psicológico da distância. Foi no Canadá que aprendi a gostar de MPB e feijoada, antes neutros em minha vida.

A complexa decisão exige também que ponderemos entre o sentimento de fracasso ao jogar a toalha e o dever cívico de engrossar o coro da mudança e construir o futuro que hoje não temos. Se queremos boa educação para nossos filhos, sobram aqui oportunidades de darmos exemplo para uma necessária transformação. Mas é preciso contar menos com governos e agir mais como cidadãos. Não é fácil. Tom Jobim dizia que morar nos EUA era bom, mas era uma merda. E que morar no Brasil era uma merda, mas era bom. Nada mudou. Morar fora é como trabalhar num emprego de que você não gosta, mas que paga muito bem. Ficar no Brasil é como comprar um carro muito mais caro do que você pode pagar. A decisão de abandonar o navio ou de ficar depende de nossa consciência em relação ao que pesa mais: o emocional ou o racional. A resposta, sem dúvida, está em cada um de nós.

Reorganização das regiões do Brasil

regioes-do-brasilComo vocês já devem ter notado, tive essa ideia num momento de ócio. Na verdade, ideias como essa só podem surgir do ócio. O ócio é, por assim dizer, uma condição de possibilidade para ideias desse tipo. Enfim, quando estou entediado, costumo estudar geografia no Wikipedia e fazer longas e fascinantes viagens virtuais no Google Maps e Street Views – viagens essas que eu jamais poderia fazer fisicamente por falta de uma fortuna pessoal. Numa dessas, cismei com a atual divisão do Brasil em 5 regiões: Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

Não gosto da forma como o Brasil é dividido (acho o Norte grande demais em extensão, e o Sul pequeno demais, ente outras coisas). Então resolvi baixar um mapa político do Brasil vetorizado, abri-lo no Paint e testar novas formações possíveis. Perdi quase uma manhã toda brincando com isso e, no fim, resolvi compartilhar com outros navegantes ociosos como eu as minhas propostas de mudança. Não é nada sério e nem sequer chega perto do trabalho de um designer gráfico orientado pela técnica de um cartógrafo profissional. É, em vez disso, uma espécie de rabisco bem grosseiro de como eu dividiria o Brasil, caso me ocorresse a oportunidade. Nos mapas abaixo, todos devidamente legendados, apresento possíveis divisões do Brasil em duas, três, quatro, cinco ou seis regiões. Qual você preferiria?

regioes-brasil-2

regioes-brasil-3

regioes-brasil-4

regioes-brasil-5

regioes-brasil-6

BÔNUS

Regiões do Brasil em 1913:

regioes_do_brasil_1913-svg

Regiões do Brasil em 1938:

regioes_do_brasil_1938-svg

Deixa o Alfredo falar!

Crônica de Fernando Sabino.

A arte brasileira da conversa não é de fácil aprendizado. Como toda arte, exige antes de mais nada uma verdadeira vocação. E essa vocação se aprimora ao longo do caminho que vai da inocência à experiência. Como em toda arte. Para princípio de conversa, distinga-se: quando falo em conversa, não estou me referindo à lábia, à astúcia, à solércia do brasileiro no passar a bicaria e vender o seu peixe. Falo precisamente no bate-papo, erigido numa das mais requintadas instituições nacionais. Mas por que arte brasileira? Os outros povos acaso não batem papo?

A própria expressão, brasileiríssima, corresponde em inglês exatamente ao verbo “to chat”, na acepção que lhe dá o dicionário: “to converse in an easy or gossipy manner; talk familiarly”. Até os ingleses, meu Deus, os ingleses têm também o seu papo: um deles, na mesa do bar, olha para fora e diz que vai chover; meia hora depois outro diz que não vai chover; meia hora depois o terceiro se retira dizendo que não gosta de discussão. A falta de graça desta velha anedota não está em ser velha, mas na finalidade útil que fez michar o papo. Este não deve ter finalidade alguma, senão a de matar o tempo da melhor maneira possível. É coisa de latino em geral e de brasileiro em particular: fazer da conversa não um meio, mas um fim em si mesmo. Se não me engano, essa é a distância que separa a ciência da arte.

No papo bem batido, a discussão não passa de uma motivação, sem intuito de convencer ninguém, nem de provar que se tem razão. Os que nela se envolvem devem estar sempre prontos a reconhecer, no íntimo, que poderiam muito bem passar a defender o ponto de vista oposto, desde que os que o defendem fizessem o mesmo. Os temas devem ser de apaixonante gratuidade, a ponto de permitir que, no desenrolar da conversa, de súbito ninguém mais saiba o que se está discutindo. Mesmo nas eternas discussões sobre mulher, religião ou futebol, para que se constituam em bate-papo, longas digressões hão de ser admitidas, desde que pertinentes. Esta última observação, aliás, é pertinente ela própria, já que falei em futebol, quando se trata de papo acalorado como o que batiam aqueles dois amigos, parados numa esquina, violando o silêncio da rua adormecida:

— Se o último jogo do Campeonato fosse do Botafogo contra o Fluminense…
— Ora, Alfredo, pra cima de mim! Ia ser de goleada.
— Você não me deixou terminar, Dagoberto. Eu queria dizer que o Botafogo…
— Que Botafogo que nada! Com o Vasco diziam a mesma coisa…
— Dagoberto, você não me deixa falar!
— … e no entanto ele acabou entrando bem. Essa não, Alfredo.
— Não estou falando no Vasco. Eu disse que o Botafogo…
— E no ano passado, que foi que o Botafogo fez? Me diga só o que ele fez.
— Você não me deixa falar, Dagoberto.
— Desde o princípio todo mundo sabia que o Fluminense…
— Você não me deixa falar!

A essa altura abriu-se uma janela no edifício da esquina e surgiu um indivíduo estremunhado:

— Ô Dagoberto! Deixa o Alfredo falar!

A boa conversa implica sempre em deixar o Alfredo falar. Além disso a discussão, ainda que gratuita, pode exaurir o papo diante de uma impossível opção, como a de saber qual é o melhor, Tolstoi ou Dostoievski, Corcel ou Opala, Caetano ou Chico. A menos que ocorra ao discutidor o recurso daquele outro, hábil em conduzir o papo, que teve de se calar quando, no melhor de sua argumentação sobre energia atômica, soube que estava discutindo com um professor de física nuclear:

— Você é presidencialista ou parlamentarista?
— Presidencialista.
— Pois eu sou parlamentarista.

E recomeçaram a discutir.

Mais ardente praticante do que estes, só mesmo o que um dia se intrometeu na nossa roda, interrompendo animadíssima conversa:

— Posso dar minha opinião?

Todos se calaram para ouvi-lo. E ele, muito sério:

— Qual é o assunto?

Mas percebo que me perdi em discussões, polêmicas, argumentos e desaguisados, afastando-me do verdadeiro espírito que deve presidir o culto dessa arte. De preferência, que ela seja praticada apenas a dois — como diz o mineiro, conversa de mais de dois é comício. E entre estes dois, bom será que reine amável concordância, para que, alternadamente ouvindo e falando, possam ambos conjugar o delicioso verbo discretear.

Veja como foi a votação para presidente em todos os municípios do Brasil

Logo após a apuração dos votos e o anúncio do resultado das eleições presidenciais, o site do jornal Folha de S.Paulo divulgou um infográfico interativo no qual é possível ver no mapa como votou cada município desse brasilzão. Confira os prints abaixo:

.

VOTAÇÃO DE AÉCIO E DILMA POR MUNICÍPIOS

dilma-aecio-2014

.

VOTAÇÃO DE AÉCIO NEVES POR MUNICÍPIOS

aecio2014

.

VOTAÇÃO DE DILMA ROUSSEFF POR MUNICÍPIOS

dilma2014

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 10 de 18Pág. 1 de 18...91011...Pág. 18 de 18
%d blogueiros gostam disto: