Suposto local do Jardim do Éden é declarado patrimônio cultural da UNESCO

A região dos Pântanos da Mesopotâmia é cercada por grandes rios e fica localizada no atual território do Iraque, no sudeste do país. Essa região é considerada por muitos estudiosos como o local descrito na narrativa do Gênesis, onde supostamente a humanidade teria surgido. Recentemente, o provável local do Jardim do Éden tornou-se um patrimônio mundial da UNESCO, segundo anúncio feito pelas autoridades iraquianas.

O ecossistema úmido é alimentado pelos rios Tigre e Eufrates, tornando o local pleno de água e vida natural. No entanto, a região nem sempre foi mantida assim. Na década de 1990, os rios que abasteciam a área foram drenados pelo então ditador Saddam Hussein. Sua ação foi feita para punir as tribos árabes nativas da região pantanosa e outros opositores que se refugiavam no local — que haviam se revoltado contra o seu governo após a primeira Guerra do Golfo. Hussein construiu uma rede de canais para desviar a água dos rios Eufrates e Tigre, direcionando-a para o mar.

O quadro foi revertido apenas depois da queda do ex-ditador pelos Estados Unidos, em 2003. Desde então, moradores e agências ambientais trabalharam para destruir as barragens e restaurar a região. Os pântanos, que tinham mais de 9 mil quilômetros quadrados de extensão na década de 1970, foram reduzidos para apenas 760 quilômetros quadrados em 2002, antes do início de sua recuperação. O governo do Iraque anunciou que pretende recuperar um total de 6 mil quilômetros quadrados.

Na fronteira com o Irã, os pântanos têm sido utilizados nos últimos anos para o contrabando de drogas, armas e cativeiros de reféns. As tribos árabes nativas viveram nos Pântanos da Mesopotâmia por milênios, mas ultimamente têm vivido à margem da sociedade iraquiana. No domingo, o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, elogiou a decisão da UNESCO que, segundo ele, “coincide com as vitórias militares consecutivas na guerra contra o Estado Islâmico”. O grupo terrorista, que já perdeu metade do território que foi dominado por eles em 2014, ainda controla alguns dos mais ricos sítios arqueológicos do mundo no norte do Iraque.

Fonte: Guia-me.

mapa-mesopotamia

Arqueólogos israelenses afirmam ter encontrado o antigo palácio do rei Davi

Autoridade Israelense de Antiguidades anunciou na última quinta-feira (18) que escavações na região das planícies do país desenterraram duas grandes construções que seriam datadas do século 10 a.C., período do reinado de Davi. Arqueólogos da Universidade Hebraica trabalharam por 7 anos no local denominado como Khirbet Qeiyafa, que corresponde a uma cidade fortificada dos primórdios de Israel, referida na Bíblia como Saraim (Josué 15:36, 1 Samuel 17:52, 1 Crônicas 4:31).

Os pesquisadores Yossi Garfinkel, da Universidade Hebraica, e Saar Ganor, da Autoridade Israelense de Antiguidades, garantem que um dos edifícios encontrados seria um dos palácios do rei Davi, e o outro seria uma espécie de celeiro real. O que os levou a essa conclusão são as enormes dimensões das estruturas, que incluem seções específicas para postos administrativos, ferreiros e ceramistas, além de restos de alabastro que teria sido importado do Egito. O local tem proeminência na gigantesca planície que o circunda, o que lhe dá uma privilegiada visão à distância, desde o Mar Mediterrâneo no oeste até as colinas de Jerusalém ao leste. Infelizmente, além dos danos causados por todas as batalhas históricas entre os reinos e impérios que dominaram a região ao longo dos séculos, quase todo o suposto palácio foi destruído 1500 anos depois de Davi e Salomão.

Apesar da notícia aparentemente espetacular, é preciso ter muito cuidado antes de confirmá-la, como acontece com toda descoberta que envolve a arqueologia bíblica. Aguardemos, portanto, estudos mais aprofundados e investigações independentes que confirmem se Khirbet Qeiyafa é realmente tudo isso o que os arqueólogos israelenses estão afirmando que é. Abaixo você pode ver fotos do local:

Khirbet Qeiyafa

Khirbet Qeiyafa aerial

Khirbet Qeiyafa finds

Fonte: O Contorno da Sombra.

Manuscritos teológicos de Isaac Newton

IsaacNewton-1689Conhecido por estudos que revolucionaram a física, a matemática e a astronomia nos séculos 17 e 18, Isaac Newton era também um estudioso em um campo de conhecimento que não o deu tanta visibilidade: a teologia. Além de estudos conhecidos como as três leis do movimento, que são a base dos estudos da mecânica clássica e levam seu nome, Newton deixou uma grande coleção de escritos sobre teologia. O legado teológico do cientista britânico está reunido em uma coleção de cerca de 7.500 páginas escritas a mão que pertencem à Biblioteca Nacional de Israel que, de acordo com a Associated Press, digitalizou todo esse material e o disponibilizou online. Os textos abordam assuntos como interpretações da Bíblia e história de culturas antigas.

De acordo com o curador da coleção de Ciências Humanas da Biblioteca Nacional de Israel, Milka Levy-Rubin, Newton era um cristão devoto que abordou muito mais a teologia do que a física, e que acreditava que a Bíblia fornecia um “código” para o mundo natural. O curador afirma também que, diferente da forma com que fazemos distinção entre essas áreas hoje (ciência e fé), “para Newton era tudo parte de um mesmo mundo”. “Ele acreditava que o estudo cuidadoso dos textos sagrados era um tipo de ciência, que se analisado corretamente poderia prever o que estava por vir”, completou o curador.

Esses textos tornaram-se propriedade da biblioteca israelense de uma maneira, no mínimo, curiosa: Anos após a morte de Newton em 1727, seus descendentes doaram seus manuscritos científicos à Universidade de Cambridge. No entanto, a universidade rejeitou os seus manuscritos não científicos, que foram leiloados na casa de leilões Sotheby’s em Londres, em 1936. Como outra casa de leilões famosa de Londres, a Christie’s estava oferecendo uma coleção de arte impressionista que chamou muito mais atenção, apenas dois lançadores interessaram-se pela coleção de Newton naquele dia.

Os escritos teológicos foram arrematados por Abraham Shalom Yahuda, um pesquisador de estudos orientais judaicos. A coleção de Yahuda foi legada à Biblioteca Nacional de Israel em 1969, anos após sua morte. Em 2007, a biblioteca exibiu os papéis pela primeira vez, e agora elas estão disponíveis para todos online. Levy-Rubin afirma que os textos mostram que “no que diz respeito a Newton, sua abordagem da teologia era tão ciência quanto à da física. Sua visão de mundo era que o seu ‘laboratório’ para entender a história era a Bíblia”. O curador disse ainda que, para Newton, “sua fé não era menos importante para ele do que sua ciência”.

Veja todos os manuscritos digitalizados AQUI (em inglês).

Manuscritos do Mar Morto na internet

Milhares de manuscritos do Mar Morto, que datam de mais de dois mil anos e são os mais antigos manuscritos conhecidos, foram digitalizados e agora podem ser consultados na internet, anunciou nesta terça-feira (18) a Autoridade de Antiguidades israelense. Entre esses manuscritos, figuram fragmentos dos pergaminhos mais antigos do Antigo Testamento já descobertos, em particular os Dez Mandamentos, o capítulo 1 do Gênesis, os Salmos e o livro de Isaías em sua integralidade, e alguns textos apócrifos. Os manuscritos foram digitalizados pelo Google com o apoio do Museu de Israel e a valiosa ajuda de uma modesta câmera de 1200 megapixels, que os fotografou e permite que os usuários examinem os mínimos detalhes da pele animal em que foram escritos.

Os procedimentos empregados permitirão analisar melhor o estado de conservação desses documentos, dos quais o mais antigo remonta ao século terceiro antes de Cristo e o mais recente foi redigido no ano 70 da era cristã, na época da destruição do segundo Templo de Jerusalém por legiões do exército romano. As técnicas mais modernas de tratamento de imagem, desenvolvidas pela Nasa, foram utilizadas para arquivar e tirar do anonimato o conjunto dos milhares de fragmentos de manuscritos até agora pouco acessíveis ao grande público devido a sua fragilidade. A maioria desses documentos estão conservados no Museu de Israel, em Jerusalém, e alguns foram apresentados no exterior, mas sua fragilidade limita a manipulação e exposição à luz.

Considerados uma das descobertas arqueológicas mais importantes do século 20, os pergaminhos foram localizados por acaso por um pastor de cabras em 1947, em Qumran, em uma gruta perto do Mar Morto, na Cisjordânia. Os interessados em conhecer a versão digital dos manuscritos podem vê-las no site do Museu de Israel (em inglês). O texto original em hebraico também conta com uma tradução para o inglês de cada um de seus versículos, que também aparecerá no mecanismo de busca. Confira abaixo o vídeo de apresentação da iniciativa (também em inglês):

Com informações de: Último Segundo e Tecnoblog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 3 de 4Pág. 1 de 4...234
%d blogueiros gostam disto: