A música por trás de uma foto

No TEDx São Paulo de 2009, o músico Jarbas Agnelli conta a história por trás da música Birds on the wires (pássaros nos fios), inspirada numa famosa fotografia de pássaros pousados nos fios de um poste, a qual ele associou a uma partitura. Segundo Agnelli, não foi ele, mas os pássaros que compuseram a canção. Ele apenas enxergou isso e executou a obra. O resultado é belo e inspirador. Assista:

Templos da leitura: conheça bibliotecas espetaculares ao redor do mundo

Biblioteca do Monastério Real de San Lorenzo de El Escorial (Espanha) – Localizado nas proximidades de Madri, o monastério existe desde 1584. Fundada pelo rei Filipe 2°, a biblioteca foi idealizada para guardar o acervo real. Hoje tem mais de 40 mil volumes impressos, além de cerca de 1.300 manuscritos latinos. Na foto, o salão principal, com 54 metros de profundidade, 9 metros de largura e 10 metros de altura, tem o teto coberto por afrescos Jose Maria Cuellar/Flickr
Biblioteca do Monastério Real de San Lorenzo de El Escorial (Espanha) – Localizado nas proximidades de Madri, o monastério existe desde 1584. Fundada pelo rei Filipe 2°, a biblioteca foi idealizada para guardar o acervo real. Hoje tem mais de 40 mil volumes impressos, além de cerca de 1.300 manuscritos latinos. Na foto, o salão principal, com 54 metros de profundidade, 9 metros de largura e 10 metros de altura, tem o teto coberto por afrescos. Fotografia: Jose Maria Cuellar/Flickr
Biblioteca de livros raros e manuscritos Beinecke da Universidade de Yale (EUA) – Um dos maiores edifícios do mundo inteiramente dedicado aos livros e manuscritos raros, a biblioteca tem espaço na torre central para 180 mil volumes e nas estantes de livro subterrâneos para mais de 600 mil volumes. Hoje o edifício contém cerca de 500 mil volumes Lauren Manning/Flickr
Biblioteca de livros raros e manuscritos Beinecke da Universidade de Yale (EUA) – Um dos maiores edifícios do mundo inteiramente dedicado aos livros e manuscritos raros, a biblioteca tem espaço na torre central para 180 mil volumes e nas estantes de livro subterrâneos para mais de 600 mil volumes. Hoje o edifício contém cerca de 500 mil volumes. Fotografia: Lauren Manning/Flickr
Biblioteca do Mosteiro de Admont (Áustria) – Esse é um mosteiro beneditino localizado na cidade de Admont. Contém a maior biblioteca monástica no mundo. A abadia é conhecida por sua arquitetura barroca, arte e manuscritos. O teto é adornado por afrescos feitos por Bartolomeo Altomonte entre 1775 e 1776. Eles mostram imagens do juízo final, céu e inferno. O acervo da biblioteca é composto por cerca de 200 mil volumes. Os tesouros mais valiosos são os mais de 1.400 manuscritos (o mais antigo do século 8) e os 530 incunábulos (livros impressos antes de 1500) Ognipensierovo/Flickr
Biblioteca do Mosteiro de Admont (Áustria) – Esse é um mosteiro beneditino localizado na cidade de Admont. Contém a maior biblioteca monástica no mundo. A abadia é conhecida por sua arquitetura barroca, arte e manuscritos. O teto é adornado por afrescos feitos por Bartolomeo Altomonte entre 1775 e 1776. Eles mostram imagens do juízo final, céu e inferno. O acervo da biblioteca é composto por cerca de 200 mil volumes. Os tesouros mais valiosos são os mais de 1.400 manuscritos (o mais antigo do século 8) e os 530 incunábulos (livros impressos antes de 1500). Fotografia: Ognipensierovo/Flickr
Biblioteca Geral Histórica, da Universidade de Salamanca (Espanha) – A origem da biblioteca data do século 13, quando nasceu o centro de estudo Salmantino. Já como biblioteca universitária, o prédio recebeu no século 18 a maior parte do acervo do Colégio Real da Companhia de Jesus de Salamanca Divulgação/Universidade de Salamanca
Biblioteca Geral Histórica, da Universidade de Salamanca (Espanha) – A origem da biblioteca data do século 13, quando nasceu o centro de estudo Salmantino. Já como biblioteca universitária, o prédio recebeu no século 18 a maior parte do acervo do Colégio Real da Companhia de Jesus de Salamanca. Fotografia: Divulgação/Universidade de Salamanca
Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (Portugal) – Criada em 1513, a biblioteca tem cerca de 1,5 milhão de obras. Dentre elas, há volumes raros como a primeira edição do poema épico “Os Lusíadas”, de Camões, e a Bíblia Hebraica Ilustrada. O edifício de estilo barroco foi construído com madeiras exóticas e ouro Wikimedia Commons
Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (Portugal) – Criada em 1513, a biblioteca tem cerca de 1,5 milhão de obras. Dentre elas, há volumes raros como a primeira edição do poema épico “Os Lusíadas”, de Camões, e a Bíblia Hebraica Ilustrada. O edifício de estilo barroco foi construído com madeiras exóticas e ouro. Fotografia: Wikimedia Commons
Biblioteca do Monastério de Strahov (República Tcheca) – A biblioteca histórica conserva mais de 200 mil volumes entre os quais 3.000 manuscritos. A biblioteca de Strahov é composta por duas salas e uma grande galeria. O destaque é para a ornamentação do teto na sala teológica Rafael Ferreira/Flickr
Biblioteca do Monastério de Strahov (República Tcheca) – A biblioteca histórica conserva mais de 200 mil volumes entre os quais 3.000 manuscritos. A biblioteca de Strahov é composta por duas salas e uma grande galeria. O destaque é para a ornamentação do teto na sala teológica. Fotografia: Rafael Ferreira/Flickr
Biblioteca Mitchell ou Biblioteca Pública de New South Wales (Austrália) – Construída em 1910, a maior parte do acervo da biblioteca pública é sobre história da Austrália, cultura e literatura. O acervo contém cerca de 5 milhões de itens, entre livros, imagens, músicas, jornais e microfilmes Christopher Chan/Flickr
Biblioteca Mitchell ou Biblioteca Pública de New South Wales (Austrália) – Construída em 1910, a maior parte do acervo da biblioteca pública é sobre história da Austrália, cultura e literatura. O acervo contém cerca de 5 milhões de itens, entre livros, imagens, músicas, jornais e microfilmes. Fotografia: Christopher Chan/Flickr
Biblioteca Nacional (China) – Esta enorme biblioteca tem espaço para 12 milhões de livros. A coleção de livros pode ser vista de todos os andares da biblioteca. A capacidade da sala de leitura do edifício é de cerca de 2 mil pessoas Wikimedia Commons
Biblioteca Nacional (China) – Esta enorme biblioteca tem espaço para 12 milhões de livros. A coleção de livros pode ser vista de todos os andares da biblioteca. A capacidade da sala de leitura do edifício é de cerca de 2 mil pessoas. Fotografia: Wikimedia Commons
Real Gabinete Português de Leitura (Rio de Janeiro) – Criado em 1837 por um grupo de portugueses, o Real Gabinete Português reúne cerca de 350 mil volumes no acervo. O local recebe de Portugal um exemplar de cada obra publicada naquele país, e tem também obras impressas em outros países.Com ar sóbrio e estilo manuelino, o gabinete serviu de cenário para inúmeras gravações, como a do filme “O Xangô de BakerStreet” Ruy Barbosa Pinto/Flickr
Real Gabinete Português de Leitura (Rio de Janeiro) – Criado em 1837 por um grupo de portugueses, o Real Gabinete Português reúne cerca de 350 mil volumes no acervo. O local recebe de Portugal um exemplar de cada obra publicada naquele país, e tem também obras impressas em outros países.Com ar sóbrio e estilo manuelino, o gabinete serviu de cenário para inúmeras gravações, como a do filme “O Xangô de BakerStreet”. Fotografia: Ruy Barbosa Pinto/Flickr

Fonte: UOL.


Conheça a Biblioteca Nacional

O vídeo a seguir foi divulgado há exatos 5 anos, em 29 de outubro de 2010, por ocasião do bicentenário da Fundação Biblioteca Nacional, no centro histórico do Rio de Janeiro. Pelo mesmo motivo, nesta data se comemora também o Dia Nacional do Livro aqui no Brasil. A Biblioteca Nacional é a maior biblioteca do país e recebe, por lei, um exemplar de cada livro publicado no Brasil. Todo o seu acervo fica disponível à consulta pública. Parada obrigatória pra quem for dar uma passadinha na cidade maravilhosa.

NASA lança vídeo com imagens do Sol

719590main_Grid-Sun-orig_fullEste vídeo do sol, baseado em dados do SDO (Solar Dynamics Observatory) da NASA, mostra a ampla gama de comprimentos de onda – invisíveis a olho nu – que o telescópio pode captar. No vídeo, o SDO converteu os comprimentos de onda em imagens que podem ser vistas pelo olho humano. Conforme as cores varrem a superfície do sol no filme, os espectadores podem notar o quão diferente uma mesma área do sol é vista. Isso acontece porque cada comprimento de onda da luz revela o material solar em temperaturas específicas. Diferentes comprimentos de onda transmitem informações sobre diferentes componentes da superfície do sol e da atmosfera. Os cientistas usaram isso para pintar um quadro completo da nossa estrela, que está em constante mutação. O filme, que dura pouco mais de 2 minutos, foi produzido pelo Scientific Visualization Studio (SVS) da NASA, no Goddard Space Flight Center, na cidade de Greenbelt, Maryland (EUA), e está disponível no site da SVS.

717606main_Sun-Wavelength-670

Fotógrafo faz incríveis imagens do Sol

Da cidade de Buffalo, no estado americano de Nova York, o fotógrafo Alan Friedman conseguiu fazer algo realmente incrível. Utilizando seu próprio telescópio, que segundo ele é um “dos pequenos”, foi capaz de obter belas imagens do sol em alta definição. As fotos originais, que mostram em detalhes os fenômenos da superfície solar, são em preto e branco. Para obter um efeito ainda mais espetacular, Alan coloriu algumas das imagens no computador. Veja o resultado:

sol 1

sol 2

sol 3

sol 4

sol 5

sol 6

Fonte: Maravilhoso Mundo.

Não entendo arte contemporânea

Recentemente soube de um amigo que, em viagem pela Europa, esteve no museu do Louvre, em Paris, o mais famoso do mundo. Ele conta que lá está exposto um quadro muito prestigiado que consiste numa tela toda branca, novinha em folha, inalterada. Abaixo dele, o título: “A Ausência da Arte”. Poucos dias depois, eis que leio (no G1 e na Folha) a seguinte notícia: “Obra de Barnett Newman é vendida por US$ 44 milhões em Nova York“. Junto à manchete estava a imagem abaixo:

Onement VI

Ou seja, o sujeito pinta uma mesa de ping-pong (sem a rede, porque provavelmente ele não saberia pintar uma rede) e isso vale 44 milhões de dólares! Além do valor do quadro, o pintor ainda é chamado, na mesma notícia, de “um dos mais brilhantes representantes do expressionismo abstrato”. PQP! A mão de tinta não ficou nem tão boa assim! O cara que pintou meu apartamento faria melhor! (se acha que estou sendo muito duro com o “artista”, veja outros quadros do sujeito).

Na mesma semana, fiquei sabendo que um garoto esqueceu os óculos no chão do Museu de Arte Moderna de São Francisco, nos Estados Unidos, e o objeto foi confundido com uma obra de arte. Como se isso fosse pouco, tem ainda uma peça de teatro chamada “macaquinhos” que está se apresentando pelo Brasil (patrocinada pelo Governo Federal) e gerando polêmica por onde passa. Os atores e atrizes se apresentam completamente nus e fazem performances nas quais exploram, cheiram, enfiam o dedo e cutucam os cus uns dos outros (definitivamente não recomendo procurar isso para assistir no YouTube).

Para completar o absurdo, li recentemente no G1 que uma pintura de Jean-Michel Basquiat foi vendida ontem ao preço recorde de 110 milhões de dólares (cerca de 370 milhões de reais), em um leilão de arte contemporânea realizado em Nova York. A pintura se chama “Untitled” (sem título) e é considerada um marco importante na obra de Basquiat, que morreu de overdose aos 27 anos.

basquiat-untitled

Sotheby’s, responsável pelo leilão, estimava que a obra seria vendida por 60 milhões de dólares (pouco mais de 200 milhões de reais), e acabou conseguindo quase o dobro. A obra foi comprada pelo empresário e colecionador de arte japonês Yusaku Maezawa. A casa Sotheby’s postou em seu Twitter a foto do novo dono ao lado da pintura.

basquiat-sothebys


Permitam-me um último exemplo: Em fevereiro de 1964, quatro pinturas de um artista francês de vanguarda antes desconhecido, chamado Pierre Brassau, foram exibidas num evento de arte em Gotemburgo, Suécia. Havia também no evento trabalhos de artistas da Inglaterra, Dinamarca, Áustria, Itália e Suécia, mas foram os trabalhos do artista francês que atraíram as atenções. Críticos de arte, jornalistas e estudantes, com taças de vinho na mão, contemplaram silenciosamente as obras de Brassau. Os elogios eram quase unânimes. Rolf Anderberg, do jornal matinal Posten, escreveu que a maior parte das obras do evento eram “pesadas”, mas não as de Brassau: “Pierre Brassau pinta com pinceladas poderosas, mas também com clara determinação. Suas pinceladas giram com exigência furiosa. Pierre é um artista cuja performance tem a delicadeza de uma bailarina”. Somente um crítico espinafrou o trabalho de Brassau, declarando que “somente um macaco poderia ter feito isso”. Como se revelou, este crítico tinha razão. Pierre Brassau era, de fato, um macaco. Especificamente, ele era um chimpanzé de quatro anos da África ocidental, chamado Peter, do zoológico sueco de Boras.

Pierre Brassau foi invenção de Åke “Dacke” Axelsson, um jornalista do Göteborgs-Tidningen, um dos jornais diários de Gotemburgo. Ele chegou à ideia de exibir o trabalho de um macaco num evento de arte como um modo de testar os críticos — eles conseguiriam perceber a diferença entre a arte moderna e a arte de macaco? Axelsson convenceu o cuidador de Peter, um jovem de 17 anos, a dar um pincel e tintas a óleo ao chimpanzé. No começo, Peter preferia comer a tinta a passá-la na tela. Gostava especialmente do gosto azedo do azul cobalto. Mas enfim ele começou a esfregar a tinta sobre as telas que lhe deram. Por causa de suas preferências de gosto, o azul cobalto apareceu bastante em suas obras. Ao pintar, Peter sempre tinha um cacho de bananas por perto. A quantidade que ele comia refletia seu nível de criatividade. Durante períodos de grande inspiração, ele comia até 9 bananas em 10 minutos. Depois que Peter criou algumas pinturas, Axelsson escolheu as quatro melhores e providenciou que fossem exibidas num evento de arte na Galeria Christina. Depois que Axelsson revelou a fraude, Rolf Anderberg (o crítico que havia elogiado o trabalho) insistiu que o trabalho de Pierre era “ainda o melhor trabalho de pintura na exibição”. Um colecionador de arte comprou um dos trabalhos de Brassau por $90 (cerca de 700 dólares de hoje). Em 1969, Peter foi transferido para o Zoológico de Chester, na Inglaterra, onde viveu o resto de sua vida.

É por exemplos como esses (que estão longe de ser exceção) que digo sem nenhuma vergonha: Não entendo arte contemporânea. De duas, uma: ou eu sou um completo ignorante desprovido de senso estético, ou essa palhaçada não faz sentido mesmo. E eu não estou só por pensar assim. No vídeo abaixo, o jornalista americano Paul Joseph Watson expõe o establishment da arte contemporânea como ele realmente é: “uma grande panelinha de babacas pretensiosos que tentam parecer sofisticados atribuindo sentido a algo que não possui sentido algum”.

Por dois milênios, grandes artistas estabeleceram o padrão de beleza. Agora esses padrões foram abandonados. A arte moderna é uma competição entre o feio e o distorcido; a obra mais chocante vence. O que aconteceu? Como o belo veio a ser aviltado e o mau gosto veio a ser celebrado? No vídeo abaixo, o renomado artista Robert Florczak explica a história por trás dessa mudança e como ela pode ser revertida.

Por fim, deixo-vos com o músico Zeca Baleiro cantando “Bienal”, uma canção-poema que ele escreveu em 1996 por ocasião da 23ª Bienal Internacional de Artes Plásticas, que aconteceu na cidade de São Paulo naquele mesmo ano e tinha como tema: “A desmaterialização da obra de arte no fim do milênio”.


Como um quadro pode valer milhões?

A arte movimenta uma das economias mais estranhas do mundo. Entenda as regras básicas desse mercado na matéria a seguir, publicada pela revista Superinteressante.

“63 milhões de dólares. É um aviso. Estou vendendo”, ameaçou o leiloeiro, “64 milhões de dólares. Ainda em tempo”, continuou. Os lances, que elevavam o preço do quadro em um milhão de dólares a cada três segundos, eram sinalizados por placas levantadas no auditório da Sotheby’s. A cena durou poucos minutos, tempo suficiente para que um recorde fosse quebrado: a venda de um quadro de Mark Rothko por 72 milhões de dólares representava, até aquela noite de 2007, o maior preço na carreira do pintor. E, mesmo com tanto dinheiro flutuando pelo lugar, o leiloeiro parecia entediado. Com o corpo apoiado sobre um gabinete de madeira, o alemão Tobias Meyer recitava as cifras quase que com desdém. Aqueles milhões eram rotina. Como explicar o preço do quadro de Rothko? Parece estranho, mas apenas à primeira vista, porque o mercado possui regras. E elas até que funcionam na hora de decifrar o aspecto quase surreal dos preços.

Para começar, é importante encarar uma informação tão incômoda quanto verdadeira: o valor tem pouca relação com a complexidade da obra. Tome como exemplo as icônicas flores de metal do americano Jeff Koons. Mesmo simples, elas chegam a custar R$ 50 milhões. Também é preciso entender que as cifras não remetem muito à habilidade do artista. O inglês Damien Hirst, por exemplo, delega a produção de seus famosos quadros de bolinhas a assistentes. Mesmo assim, uma obra dessas já foi vendida a R$ 1,3 milhão. Tampouco importa o valor dos materiais que o artista usou. Basta ver as criações do inglês Chris Ofili, feitas com esterco de elefante e vendidas por mais de R$ 5 milhões. Fica então a pergunta: eliminados o toque do criador, a complexidade do quadro e o requinte dos materiais, quais fatores elevam o preço de uma obra?

O principal critério é o renome do artista, a marca que a sua assinatura atribui ao quadro. Para entender, pense que quando você compra cadernos Moleskine ou cafés Starbucks, você não adquire apenas um bloco de papel ou um copo de bebida, mas a inclusão num grupo e o reconhecimento dos integrantes deste círculo. Segundo Don Thompson, economista e colecionador, o mesmo vale para os grandes consumidores do mercado de arte. Com a diferença de que eles possuem milhões para gastar – e que as marcas que eles consomem ficam penduradas na parede. “Quando um artista se torna uma marca, o mercado tende a aceitar como legítima qualquer coisa que ele apresente”, conta Thompson. Este poder da marca explica muita coisa no mercado de arte.

Quando viram marca, os artistas adquirem o toque de Midas, capaz de transformar qualquer coisa, de esterco de elefante a cinzeiros de restaurante, em ouro. Mas, como esses nomes acabam virando uma grife? Os artistas não nascem sozinhos. Precisam do suporte de gente especializada em lançar marcas e gerenciar valores. Além disso, contam com pessoas dispostas a valorizar seus trabalhos. Hirst, por exemplo, recebeu ajuda do inglês Charles Saatchi, o grande colecionador da nossa época. De tão reconhecido, ele consegue transferir prestígio aos produtos que consome. “Um artista pode ser citado em artigos na imprensa como ‘colecionado por Saatchi’ ou ‘cobiçado por Saatchi'”, explica Thompson, “e cada uma dessas referências provavelmente aumentará o preço de suas obras”. Como aconteceu com a inglesa Jenny Saville, que pintou sustentada por Saatchi e vendeu suas criações para ele. Uma delas, adquirida por R$ 50 mil, dois leilões e duas décadas depois, valeria R$ 5 milhões, muito devido ao impulso que Saatchi deu à pintora.

E como ele conseguiu valorizar tanto a artista? Saatchi tem duas táticas muito espertas. Na primeira, ele investe em novatos e compra sua produção enquanto os preços ainda estão baixos. Depois, quando a notícia de que Saatchi está comprando aquele artista se espalha, os valores aumentam devido ao seu prestígio e ele vende as obras por um preço mais alto. A segunda estratégia consiste em emprestar os quadros para museus, que ajudam a aumentar os preços com exposições. Os museus são independentes do processo do mercado e por isso raramente têm seus juízos questionados. Considera-se que o artista e a obra exibida numa dessas instituições tenham “qualidade de museu”.

Ainda existem outras formas de fazer um quadro custar milhões. O artista pode controlar a quantidade de obras que coloca no mercado. E, normalmente, quanto menos produz, mais caro cada uma de suas obras custa. Além disso, ele pode batizar a criação de forma a explicar seu significado, facilitando a vida de todos que encaram o mistério. Hirst, por exemplo, é especialista nesta arte. Criou “A Impossibilidade Física da Morte na Mente de Alguém Vivo” e “Algum Conforto Ganho pela Aceitação das Mentiras Inerentes a Tudo”. Mesmo que “Impossibilidade Física” seja um tubarão num tanque e “Algum Conforto”, uma vaca aos pedaços, as criações ganham mais significado e ficam mais densas quando acompanhadas pela etiqueta na galeria do museu.

Depois do nascimento e do batismo, uma parte da produção será mandada diretamente para colecionadores e instituições. E são essas transações, distantes do martelo do leiloeiro, que lideram a lista de mais caras da história. Entre a primeira e a quarta posição, do francês Paul Cézanne ao austríaco Gustav Klimt, todas foram vendas privadas. Depois, aparece o primeiro recorde de leilão: uma das quatro versões de O Grito, vendida pela Sotheby’s por R$ 240 milhões. Não se sabe o nome do comprador: ele deu o lance por telefone e nunca foi identificado. Essas compras a distância são comuns. E não apenas com estrangeiros, mas com gente que está sentada no próprio auditório, a metros de distância do produto. Isso porque alguns compradores, para não aumentar a competição, preferem não aparecer para não dar na cara que desejam muito uma obra.

Todos estes preços, além de impressionantes, fazem do mercado de arte um dos mais movimentados do mundo. Para se ter uma ideia, no final do ano passado, em apenas dois leilões, Sotheby’s e Christie’s arrecadaram, respectivamente, R$ 750 milhões e R$ 820 milhões. Recorde nas duas casas. Junto com os lances, o segmento continua crescendo: em 2011, o movimento de pinturas e esculturas entre ateliês e paredes gerou R$ 22 bilhões (R$ 4 bilhões a mais que no ano anterior). Num setor que produz tanto dinheiro, as transações que acontecem às sombras também impressionam. A Interpol conta cerca de 40 mil obras roubadas, mais que o número de objetos em exibição no Louvre, em Paris, sendo que apenas 5 mil foram recuperadas nas últimas duas décadas. Tantas peças saqueadas geram até R$ 12 bilhões num mercado paralelo muito lucrativo. Além dos roubos, a falta de regulação das transações e os preços que não precisam ser explicados facilitam a lavagem de dinheiro e o pagamento de propinas com obras de arte.

Um dos aspectos mais impressionantes do mercado de arte é sua capacidade de crescimento mesmo em época de crise econômica. Uma explicação para isso é que esse setor fica alheio à economia global porque tem entre seus jogadores uma minoria muito, muito rica. E, mesmo com o mundo passando por uma crise econômica, eles continuam apenas um pouco menos milionários. Fora isso, artistas aproveitam também os novos compradores que surgem no mercado, vindos, principalmente, da China e da Rússia. Na visão de Thompson, os preços das obras não param de crescer porque um negociante nunca deve diminuir o preço de uma criação. “Cada mostra deve ter preços mais altos que a anterior. Num mundo onde a ilusão de sucesso é tudo, a diminuição do preço de um artista sinalizaria que ele foi rejeitado”, explica o economista.

Esse fenômeno implica no “efeito catraca”. A catraca gira em apenas uma direção, ou seja, os preços não podem voltar, mas estão livres para avançar. Isso ajuda a explicar os milhões das vendas, os bilhões do mercado e a cara de tédio do leiloeiro Tobias Meyer, que abre esta reportagem. Afinal, 5 anos depois do Rothko de R$ 144 milhões, aquele recorde seria superado. Meyer comandou o leilão que vendeu outro quadro do pintor por R$ 150 milhões, em novembro do ano passado. Ele estava um pouco mais empolgado, mas ainda não parecia achar nada daquilo impressionante. Ele deve saber que, enquanto existir criatividade na cabeça dos artistas, haverá arte. E, enquanto houver gente com paredes vazias e dinheiro no bolso, ela será vendida.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 2 de 3123
%d blogueiros gostam disto: