Os filósofos mais importantes do ocidente

Quais são os filósofos mais influentes e importantes para a cultura e civilização ocidental? A metodologia que usei para responder a essa pergunta foi muito simples e a pesquisa levou menos de uma hora para ser concluída. Primeiro eu pesquisei por “filosofia” na página em língua portuguesa e por “philosophy” na página em língua inglesa da Wikipedia. Uma vez abertas as respectivas páginas sobre “filosofia” na Wikipedia (em português e inglês), usei o bom e velho “Ctrl+F” para localizar, em cada uma das páginas, referências aos nomes dos maiores filósofos que a humanidade produziu e a tradição consagrou. Em seguida fiz uma lista com os 18 filósofos cujos nomes aparecem mais vezes, tanto na página em português como em inglês. Depois disso, somei os dois resultados e obtive uma lista geral. Todo esse trabalho está resumido na tabela a seguir. Merece destaque o distanciamento com que os filósofos gregos clássicos (Platão e Aristóteles) lideram o ranking. Depois deles, os modernos Kant e Descartes aparecem também com certa folga em relação aos demais.

filosofos-mais-importantes


Qual filósofo você é?

Se você tem alguma noção de filosofia e consegue ler razoavelmente em inglês, vai se divertir respondendo este pequeno teste. São 12 questões simples de múltipla escolha sobre variados temas e problemas filosóficos. Não há respostas certas ou erradas: o que se espera é a sua opinião honesta sobre cada tema. A partir de suas respostas, um algoritmo irá dizer com qual filósofo (ou escola) suas ideias mais se assemelham. Sem nenhuma surpresa, meu resultado deu majoritariamente Platão (82%) e Aristóteles (78%). Os filósofos aos quais eu menos me assemelho são Nietzsche e Sartre. Mas então, qual filósofo você é? CLIQUE AQUI PARA FAZER O TESTE.


O gráfico das ideias

O britânico Simon Raper usou um algoritmo para processar dados extraídos da Wikipedia e montar o infográfico abaixo, no qual cada filósofo é representado por um nó na rede e as linhas entre eles representa as respectivas influências. O algoritmo que produziu o gráfico foi programado para colocar os nós mais conectados no centro do diagrama, assim vemos os nomes dos filósofos mais influentes em tamanho maior e agrupados no centro. As cores representam as diferentes escolas e tradições filosóficas.

Clique na imagem para ver no tamanho original:

Inspirado pela criação de Raper, o blog Griffs Graphs resolveu ir mais longe nessa empreitada. Usando o mesmo algoritmo, eles montaram um gráfico ainda mais completo, incluindo, além dos filósofos, políticos, cientistas, artistas, escritores e todos os demais pensadores mais importantes de todos os tempos e de todas as áreas do saber. O resultado foi esse abaixo. Clique na imagem para ver no tamanho original:


Infográfico relaciona épocas, escolas e influências
dos filósofos pré-socráticos na Grécia antiga

O infográfico em formato de fluxograma abaixo é uma excelente ferramenta para quem estuda Filosofia Antiga, especialmente os filósofos pré-socráticos. Os nomes são posicionados de cima para baixo conforme a linha do tempo (lado esquerdo), as cores representam as diferentes escolas (legenda do lado direito) e as setas representam as influências (as vermelhas por oposição). Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

filosofos-pre-socraticos


Os 25 personagens mais influentes da História

Wikipedia foi a base de uma pesquisa realizada por Steven Skiena, professor de ciência computacional da Stony Brook University, nos Estados Unidos, e Charles Ward, engenheiro do Google. Os pesquisadores criaram um ranking para classificar os personagens históricos que mais impactaram e influenciaram a opinião das pessoas em todos os tempos. Como a Wikipedia é uma enciclopédia dinâmica, feita por internautas e validada por outros usuários a partir dos registros históricos, seu conteúdo tende a refletir a percepção das pessoas em geral sobre cada assunto. No entanto, como a história é escrita diariamente e a percepção das pessoas muda ao longo do tempo, a lista poderá sofrer modificações: “Nossa classificação continuará a evoluir e as figuras históricas podem se mover para cima ou para baixo ao longo do tempo”, afirmaram os professores. Mas vamos ao que interessa. A seguir, o ranking dos 25 primeiros colocados:

1. Jesus Cristo

2. Napoleão Bonaparte

3. Maomé

4. William Shakespeare

5. Abraham Lincoln

6. George Washington

7. Adolf Hitler

8. Aristóteles

9. Alexandre, o Grande

10. Thomas Jefferson

11. Rei Henrique VIII

12. Charles Darwin

13. Rainha Elizabeth I

14. Karl Marx

15. Júlio Cesar

16. Rainha Vitória

17. Martinho Lutero

18. Joseph Stalin

19. Albert Einstein

20. Cristovão Colombo

21. Isaac Newton

22. Carlos Magno

23. Theodore Roosevelt

24. Wolfgang Mozart

25. Platão

Templos da leitura: conheça bibliotecas espetaculares ao redor do mundo

Biblioteca do Monastério Real de San Lorenzo de El Escorial (Espanha) – Localizado nas proximidades de Madri, o monastério existe desde 1584. Fundada pelo rei Filipe 2°, a biblioteca foi idealizada para guardar o acervo real. Hoje tem mais de 40 mil volumes impressos, além de cerca de 1.300 manuscritos latinos. Na foto, o salão principal, com 54 metros de profundidade, 9 metros de largura e 10 metros de altura, tem o teto coberto por afrescos Jose Maria Cuellar/Flickr
Biblioteca do Monastério Real de San Lorenzo de El Escorial (Espanha) – Localizado nas proximidades de Madri, o monastério existe desde 1584. Fundada pelo rei Filipe 2°, a biblioteca foi idealizada para guardar o acervo real. Hoje tem mais de 40 mil volumes impressos, além de cerca de 1.300 manuscritos latinos. Na foto, o salão principal, com 54 metros de profundidade, 9 metros de largura e 10 metros de altura, tem o teto coberto por afrescos. Fotografia: Jose Maria Cuellar/Flickr
Biblioteca de livros raros e manuscritos Beinecke da Universidade de Yale (EUA) – Um dos maiores edifícios do mundo inteiramente dedicado aos livros e manuscritos raros, a biblioteca tem espaço na torre central para 180 mil volumes e nas estantes de livro subterrâneos para mais de 600 mil volumes. Hoje o edifício contém cerca de 500 mil volumes Lauren Manning/Flickr
Biblioteca de livros raros e manuscritos Beinecke da Universidade de Yale (EUA) – Um dos maiores edifícios do mundo inteiramente dedicado aos livros e manuscritos raros, a biblioteca tem espaço na torre central para 180 mil volumes e nas estantes de livro subterrâneos para mais de 600 mil volumes. Hoje o edifício contém cerca de 500 mil volumes. Fotografia: Lauren Manning/Flickr
Biblioteca do Mosteiro de Admont (Áustria) – Esse é um mosteiro beneditino localizado na cidade de Admont. Contém a maior biblioteca monástica no mundo. A abadia é conhecida por sua arquitetura barroca, arte e manuscritos. O teto é adornado por afrescos feitos por Bartolomeo Altomonte entre 1775 e 1776. Eles mostram imagens do juízo final, céu e inferno. O acervo da biblioteca é composto por cerca de 200 mil volumes. Os tesouros mais valiosos são os mais de 1.400 manuscritos (o mais antigo do século 8) e os 530 incunábulos (livros impressos antes de 1500) Ognipensierovo/Flickr
Biblioteca do Mosteiro de Admont (Áustria) – Esse é um mosteiro beneditino localizado na cidade de Admont. Contém a maior biblioteca monástica no mundo. A abadia é conhecida por sua arquitetura barroca, arte e manuscritos. O teto é adornado por afrescos feitos por Bartolomeo Altomonte entre 1775 e 1776. Eles mostram imagens do juízo final, céu e inferno. O acervo da biblioteca é composto por cerca de 200 mil volumes. Os tesouros mais valiosos são os mais de 1.400 manuscritos (o mais antigo do século 8) e os 530 incunábulos (livros impressos antes de 1500). Fotografia: Ognipensierovo/Flickr
Biblioteca Geral Histórica, da Universidade de Salamanca (Espanha) – A origem da biblioteca data do século 13, quando nasceu o centro de estudo Salmantino. Já como biblioteca universitária, o prédio recebeu no século 18 a maior parte do acervo do Colégio Real da Companhia de Jesus de Salamanca Divulgação/Universidade de Salamanca
Biblioteca Geral Histórica, da Universidade de Salamanca (Espanha) – A origem da biblioteca data do século 13, quando nasceu o centro de estudo Salmantino. Já como biblioteca universitária, o prédio recebeu no século 18 a maior parte do acervo do Colégio Real da Companhia de Jesus de Salamanca. Fotografia: Divulgação/Universidade de Salamanca
Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (Portugal) – Criada em 1513, a biblioteca tem cerca de 1,5 milhão de obras. Dentre elas, há volumes raros como a primeira edição do poema épico “Os Lusíadas”, de Camões, e a Bíblia Hebraica Ilustrada. O edifício de estilo barroco foi construído com madeiras exóticas e ouro Wikimedia Commons
Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (Portugal) – Criada em 1513, a biblioteca tem cerca de 1,5 milhão de obras. Dentre elas, há volumes raros como a primeira edição do poema épico “Os Lusíadas”, de Camões, e a Bíblia Hebraica Ilustrada. O edifício de estilo barroco foi construído com madeiras exóticas e ouro. Fotografia: Wikimedia Commons
Biblioteca do Monastério de Strahov (República Tcheca) – A biblioteca histórica conserva mais de 200 mil volumes entre os quais 3.000 manuscritos. A biblioteca de Strahov é composta por duas salas e uma grande galeria. O destaque é para a ornamentação do teto na sala teológica Rafael Ferreira/Flickr
Biblioteca do Monastério de Strahov (República Tcheca) – A biblioteca histórica conserva mais de 200 mil volumes entre os quais 3.000 manuscritos. A biblioteca de Strahov é composta por duas salas e uma grande galeria. O destaque é para a ornamentação do teto na sala teológica. Fotografia: Rafael Ferreira/Flickr
Biblioteca Mitchell ou Biblioteca Pública de New South Wales (Austrália) – Construída em 1910, a maior parte do acervo da biblioteca pública é sobre história da Austrália, cultura e literatura. O acervo contém cerca de 5 milhões de itens, entre livros, imagens, músicas, jornais e microfilmes Christopher Chan/Flickr
Biblioteca Mitchell ou Biblioteca Pública de New South Wales (Austrália) – Construída em 1910, a maior parte do acervo da biblioteca pública é sobre história da Austrália, cultura e literatura. O acervo contém cerca de 5 milhões de itens, entre livros, imagens, músicas, jornais e microfilmes. Fotografia: Christopher Chan/Flickr
Biblioteca Nacional (China) – Esta enorme biblioteca tem espaço para 12 milhões de livros. A coleção de livros pode ser vista de todos os andares da biblioteca. A capacidade da sala de leitura do edifício é de cerca de 2 mil pessoas Wikimedia Commons
Biblioteca Nacional (China) – Esta enorme biblioteca tem espaço para 12 milhões de livros. A coleção de livros pode ser vista de todos os andares da biblioteca. A capacidade da sala de leitura do edifício é de cerca de 2 mil pessoas. Fotografia: Wikimedia Commons
Real Gabinete Português de Leitura (Rio de Janeiro) – Criado em 1837 por um grupo de portugueses, o Real Gabinete Português reúne cerca de 350 mil volumes no acervo. O local recebe de Portugal um exemplar de cada obra publicada naquele país, e tem também obras impressas em outros países.Com ar sóbrio e estilo manuelino, o gabinete serviu de cenário para inúmeras gravações, como a do filme “O Xangô de BakerStreet” Ruy Barbosa Pinto/Flickr
Real Gabinete Português de Leitura (Rio de Janeiro) – Criado em 1837 por um grupo de portugueses, o Real Gabinete Português reúne cerca de 350 mil volumes no acervo. O local recebe de Portugal um exemplar de cada obra publicada naquele país, e tem também obras impressas em outros países.Com ar sóbrio e estilo manuelino, o gabinete serviu de cenário para inúmeras gravações, como a do filme “O Xangô de BakerStreet”. Fotografia: Ruy Barbosa Pinto/Flickr

Fonte: UOL.

Soltas pelo Papa, pombas “da paz” são violentamente atacadas por outras aves

Neste domingo (26), durante a tradicional celebração do Ângelus, na Praça São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco, junto com duas crianças, soltou duas pombas brancas da janela do Palácio Apostólico, num gesto simbólico pela paz mundial. Segundos após alçar voo, porém, as pombas foram violentamente atacadas em pleno ar por um corvo e uma gaivota. Dezenas de milhares de pessoas viram a gaivota agarrar-se à cauda de uma das pombas, enquanto o corvo bicava repetidamente outra. A pomba atacada pela gaivota só perdeu algumas penas; mas a outra, perseguida pelo corvo, levou muitas bicadas e não se sabe o seu destino. Muitas pessoas presentes no local interpretaram este insólito acontecimento como sendo um mau prenúncio de que tempos de guerra virão. O ataque foi flagrado por um fotógrafo da agência de notícias britânica Reuters. Veja a sequência dessa “batalha aérea” nas fotos abaixo e depois tente responder: Sinal dos tempos ou apenas uma coincidência muito cômica?

papa pombas 1

papa pombas 2

papa pombas 3

papa pombas 4

papa pombas 5

papa pombas 6

papa pombas 7

papa pombas 8

papa pombas 9

papa pombas 10

A verdadeira influência dos astros

Artigo de Adilson de Oliveira, professor de física da Universidade Federal de São Carlos, publicado em 2007. No texto, o professor explica como surgiu a astrologia e questiona sua validade para influenciar a personalidade e prever o destino dos homens.


O céu noturno é sempre uma visão maravilhosa. Se tivermos sorte de estar em um lugar pouco iluminado e sem poluição, como ainda é o caso em algumas localidades no interior, podemos ver milhares de estrelas. No alvorecer da consciência humana, há milhares de anos, aprendemos a olhar para o alto e nos impressionar com as estrelas. Aqueles pequenos pontos de luz, de diferentes tamanhos e cores, estimulavam a curiosidade de indivíduos que, embora sem entender o porquê daquele espetáculo, contemplavam e indagavam se aquilo influenciaria de alguma forma suas vidas.

As constelações eram vistas de diferentes maneiras por cada povo. Alguns enxergavam em sua disposição animais, monstros e seres mitológicos. Outros viam objetos do cotidiano. Contudo, as estrelas que constituem uma constelação não têm nenhuma ligação física entre si. A estrela Alfa-Centauri, por exemplo, a mais brilhante da constelação do Centauro, está a 4,4 anos-luz de distância da Terra. Já a segunda mais brilhante, a Beta-Centauri, está à distância de 525 anos-luz. Além disso, todas as estrelas se movimentam, girando em torno do centro da galáxia. O Sol, por exemplo, completa uma volta na Via Láctea a cada 250 milhões de anos. Portanto, as constelações, por mais bonitas que nos pareçam, são apenas figuras que queremos enxergar nos céus – uma configuração momentânea, diferente das que existiram no passado e de outras que existirão no futuro, um reflexo dos nossos sentimentos, medos e crenças.

Devido à periodicidade dos movimentos celestes foi possível aprender a fazer previsões dos seus movimentos. Em particular, o período de um ano é definido pelo tempo que o Sol leva para retornar a uma mesma posição no céu em relação às constelações. O movimento do Sol no céu, que na verdade é decorrente do movimento da Terra ao seu redor, determina as estações do ano. Dessa maneira, conhecer precisamente o início das estações do ano permite planejar plantios e colheitas. No Egito antigo, por exemplo, o cultivo às margens do Nilo era definido em função das cheias anuais do rio, que podiam ser previstas pelas observações dos astros – um segredo guardado pelos sacerdotes. Eles sabiam que as cheias começavam quando a estrela Seped, conhecida hoje como Sírius, a mais brilhante do céu, aparecia antes do amanhecer.

Por volta de 3000 a.C., os mesopotâmios e babilônios, que viveram no vale dos rios Eufrates e Tigres, onde atualmente é o Iraque, acreditavam que os movimentos dos planetas, do Sol e da Lua afetavam a vida dos reis e das nações. Nascia então a astrologia. Quando os babilônios foram conquistados pelos gregos, essa crença se espalhou de forma gradual pelo resto do Ocidente. No século 2 a.C., esse conhecimento alcançou grande disseminação e se incorporou ao cotidiano da maioria dos povos. Muitos acreditavam que a configuração dos planetas no céu no momento do nascimento das pessoas definia aspectos da sua personalidade bem como de seu destino. Esse tipo de astrologia, conhecida como astrologia natal (que faz os horóscopos), teve seu apogeu quando o astrônomo grego Ptolomeu (85-165 d.C.) publicou o livro Tetrabiblos , que representa até hoje a base da astrologia. Jornais, revistas e portais de notícias costumam apresentar previsões astrológicas (quase sempre muito genéricas) sobre o comportamento das pessoas a partir do estudo das posições das estrelas e planetas. Será que isso é de fato algo em que se pode confiar?

A astrologia precedeu a astronomia no estudo e observação do céu. A diferença fundamental entre elas é que a astronomia é a ciência que estuda os movimentos dos astros e procura compreender a sua causa com base nas leis físicas. A astrologia relaciona a posição dos planetas em relação às constelações do zodíaco e tenta correlacioná-las com o destino e com as tendências humanas. Contudo, ela não explica as causas dessa relação e suas previsões não podem ser verificadas. Por isso se diz que a astrologia é uma pseudociência, ou seja, se apresenta como ciência, mas não é.

A prática astrológica mais popular é baseada no chamado signo solar, que considera a posição do Sol em relação a uma região do céu de 30 graus, na eclíptica, que representa o caminho que esse astro faz através das constelações. O signo é definido por essa região, chamada casa zodiacal e associada a uma das 12 constelações do zodíaco (o que conhecemos como “signos”). No entanto, em seu caminho o Sol passa anualmente por 13 constelações, e não 12 (a constelação extra se chama Ofiúco, na qual o Sol transita entre 30 de novembro e 17 de dezembro). Para refletir a realidade dos astros, portanto, o horóscopo teria que conter 13 signos e não apenas levar em conta aqueles definidos pelos povos antigos há quase 2 mil anos. De acordo com essa definição, quem nasce entre o dia 22 de dezembro a 20 de janeiro será do signo de Capricórnio.

Entretanto, devido ao movimento de precessão, semelhante ao que faz um pião balançar quando começa a perder velocidade de rotação, o eixo de rotação da Terra se modifica ao longo do tempo, completando uma volta a cada 25.770 anos. Com o passar dos séculos, esse fenômeno acabou modificando nossa visão das constelações. Há 2 mil anos o Sol passava pela constelação de Capricórnio na época do ano delimitada no horóscopo. Atualmente, no entanto, no período entre 17 de dezembro e 18 de janeiro ele passa pela região da constelação de Sagitário. Como explicar então a influência dos astros sobre a vida da pessoa que nasce nesse período? Essa discrepância vale também para todas as outras constelações, ou seja, todas as datas estão equivocadas.

Haveria ainda muitos outros pontos questionáveis quanto à validade científica da astrologia, como por exemplo a possível influência de outros astros do Sistema Solar que ela não leva em conta, como os milhares de asteroides, cometas, meteoroides, etc. E como ficaria o caso de Plutão, considerado um planeta desde sua descoberta, e que em 2006 passou a ser considerado um planeta-anão, ao lado de centenas de outros corpos celestes do Cinturão de Kuiper? Além disso, depõem contra a astrologia o fato de gêmeos idênticos terem comportamentos diferentes, as grandes diferenças nos horóscopos traçados por astrólogos diferentes para os mesmos dados de nascimento, entre outros.

Talvez o argumento mais contundente, em minha opinião, seja a falta de um modelo consistente para explicar de que forma e por meio de qual interação ou força os astros influenciariam o destino e a personalidade das pessoas. Talvez as posições das estrelas no céu realmente influenciem as pessoas. A sensação de olhar para elas e contemplar toda a beleza de um céu estrelado realmente toca no fundo da alma da maioria das pessoas. Sem dúvida esta é a maior influência que elas exercem sobre nós.

Livro reune as melhores fotografias de natureza e vida selvagem do mundo

O Museu de História Natural de Londres, em parceria com a BBC, acaba de publicar o livro Masters of Nature Photography, uma seleção das melhores imagens das últimas 49 edições do concurso anual Wildlife Photography of the Year. Organizado pelas duas instituições britânicas, o renomado concurso premia todos os anos as 100 melhores fotografias retratando cenas de natureza e vida selvagem. Dez fotógrafos tiveram suas imagens selecionadas para o livro comemorativo, entre eles veteranos consagrados e jovens revelações. Cada um escolheu 10 fotos que julgaram ser mais representativas de seu trabalho ao longo dos anos. Veja algumas das fotos:

Após tirar sua primeira foto com 15 anos, o americano Jim Brandenburg focou seu trabalho na fotografia de animais e lugares selvagens, descrita por ele como “pintar a beleza da natureza com uma câmera”. Com mais de 50 anos de carreira e diversos prêmios, o americano de Minnesota tem atuado cada vez mais na Europa. Nesta imagem, dois cavalos poloneses konik foram retratados na reserva de Oostvaardersplassen, na Holanda, que tenta recriar ambientes pré-históricos da Europa (Foto: Jim Brandenburg /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Após tirar sua primeira foto com 15 anos, o americano Jim Brandenburg focou seu trabalho na fotografia de animais e lugares selvagens, descrita por ele como “pintar a beleza da natureza com uma câmera”. Com mais de 50 anos de carreira e diversos prêmios, o americano de Minnesota tem atuado cada vez mais na Europa. Nesta imagem, dois cavalos poloneses konik foram retratados na reserva de Oostvaardersplassen, na Holanda, que tenta recriar ambientes pré-históricos da Europa (Foto: Jim Brandenburg /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Criado no Quênia, o fotógrafo Anup Shah sempre esteve em meio à natureza. Mas foi somente de obter um doutorado em matemática pela London School of Economics (LSE), durante uma viagem à Índia, que ele passou a se interessar pelo assunto. Nesta imagem ele retratou a gorila Malui em uma reserva da República Centro-Africana (Foto: Anup Shah /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Criado no Quênia, o fotógrafo Anup Shah sempre esteve em meio à natureza. Mas foi somente de obter um doutorado em matemática pela London School of Economics (LSE), durante uma viagem à Índia, que ele passou a se interessar pelo assunto. Nesta imagem ele retratou a gorila Malui em uma reserva da República Centro-Africana (Foto: Anup Shah /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Embora só tenha tirado sua primeira fotografia aos 22 anos, o americano Thomas Mangelsen tornou-se um dos nomes de destaque no ramo – chegando a fazer documentários em vídeo para a BBC. A imagem foi feita no Parque Nacional de Katmai, no Estado americano do Alasca, após dias de tentativas ao lado de ursos da região (Foto: Thomas Mangelsen /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Embora só tenha tirado sua primeira fotografia aos 22 anos, o americano Thomas Mangelsen tornou-se um dos nomes de destaque no ramo – chegando a fazer documentários em vídeo para a BBC. A imagem foi feita no Parque Nacional de Katmai, no Estado americano do Alasca, após dias de tentativas ao lado de ursos da região (Foto: Thomas Mangelsen /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Assim como outros fotógrafos escandinavos, o norueguês Pål Hermansen apresenta um bom domínio de luz, motivado pelas características da região, que conta com as luzes do norte e os meses de longas noites. Seu primeiro livro foi lançado em 1985, e desde então seguiram-se outras 30 publicações. Esta imagem de 2005, tirada em Svalbard, na Noruega, mostra o “café da manhã” de um urso polar (Foto: Pål Hermansen /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Assim como outros fotógrafos escandinavos, o norueguês Pål Hermansen apresenta um bom domínio de luz, motivado pelas características da região, que conta com as luzes do norte e os meses de longas noites. Seu primeiro livro foi lançado em 1985, e desde então seguiram-se outras 30 publicações. Esta imagem de 2005, tirada em Svalbard, na Noruega, mostra o “café da manhã” de um urso polar (Foto: Pål Hermansen /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Habituado ao frio extremo, Paul Nicklen vive em uma ilha do Ártico canadense desde os quatro anos de idade. Após anos de colaboração com revistas como a ‘National Geographic’, Nicklen é considerado um profissional experiente com expedições de mais de 10 mil quilômetros pelo Ártico no currículo. Nesta imagem, ele retrata um pinguim imperador na Antártida, na região do mar de Ross (Foto: Paul Nicklen/Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Habituado ao frio extremo, Paul Nicklen vive em uma ilha do Ártico canadense desde os quatro anos de idade. Após anos de colaboração com revistas como a ‘National Geographic’, Nicklen é considerado um profissional experiente com expedições de mais de 10 mil quilômetros pelo Ártico no currículo. Nesta imagem, ele retrata um pinguim imperador na Antártida, na região do mar de Ross (Foto: Paul Nicklen/Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
David Doubilet teve sua primeira experiência subaquática aos oito anos de idade, em uma colônia de férias. Desde então desenvolveu uma paixão pela fotografia embaixo d’água, tendo vendido suas primeiras imagens para revistas logo aos 16 anos. Na ilha de Danko, na Antártida, ele flagrou esses pinguins se aventurando pelo gelo (Foto: David Doubilet /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
David Doubilet teve sua primeira experiência subaquática aos oito anos de idade, em uma colônia de férias. Desde então desenvolveu uma paixão pela fotografia embaixo d’água, tendo vendido suas primeiras imagens para revistas logo aos 16 anos. Na ilha de Danko, na Antártida, ele flagrou esses pinguins se aventurando pelo gelo (Foto: David Doubilet /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Nascido na Alemanha, Christian Ziegler tem nutrido uma fascinação por florestas tropicais desde a adolescência. Com 19 anos conheceu a Tailândia e um tempo depois fez um mestrado em biologia tropical. Nesta imagem clicada no Panamá, ele retrata um morcego após inúmeras tentativas (Foto: Christian Ziegler /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Nascido na Alemanha, Christian Ziegler tem nutrido uma fascinação por florestas tropicais desde a adolescência. Com 19 anos conheceu a Tailândia e um tempo depois fez um mestrado em biologia tropical. Nesta imagem clicada no Panamá, ele retrata um morcego após inúmeras tentativas (Foto: Christian Ziegler /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
O holandês Frans Lanting só “se deu conta” de que poderia ser um fotógrafo quando já tinha “vinte e poucos anos”, depois de um diploma em ciências sociais. Com ídolos como Ansel Adams, ele acabou se mudando para a Califórnia, onde vive até hoje, 25 anos depois de ter dado início à carreira. Aqui ele retrata um grupo de elefantes no Parque Nacional de Chobe, em Botsuana (Foto: Frans Lanting /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
O holandês Frans Lanting só “se deu conta” de que poderia ser um fotógrafo quando já tinha “vinte e poucos anos”, depois de um diploma em ciências sociais. Com ídolos como Ansel Adams, ele acabou se mudando para a Califórnia, onde vive até hoje, 25 anos depois de ter dado início à carreira. Aqui ele retrata um grupo de elefantes no Parque Nacional de Chobe, em Botsuana (Foto: Frans Lanting /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Nascido em uma família pobre do Estado americano de Alabama, Michael Nichols tirou suas primeira fotografias aos 19 anos. Algumas de suas obras mais importantes foram feitas ao lado de J Michael Fay, biólogo com quem explorou muitos países da África. Nesta imagem feita no Burundi, ele retrata o chimpanzee Whiskey – o animal foi vítima de uma série de abusos e chegou a ser preso pelo seu dono (Foto: Michael Nichols /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Nascido em uma família pobre do Estado americano de Alabama, Michael Nichols tirou suas primeira fotografias aos 19 anos. Algumas de suas obras mais importantes foram feitas ao lado de J Michael Fay, biólogo com quem explorou muitos países da África. Nesta imagem feita no Burundi, ele retrata o chimpanzee Whiskey – o animal foi vítima de uma série de abusos e chegou a ser preso pelo seu dono (Foto: Michael Nichols /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Vincent Munier ganhou sua primeira câmera dos pais aos 12 anos de idade, e desde então optou por unir a paixão pelas imagens com a obsessão pela natureza. O francês natural de um vilarejo da região de Lorraine diz ter tido a sorte de poder trabalhar com o que mais ama. Nesta imagem, dois pássaros dançam em Hokkaido, no Japão (Foto: Vincent Munier /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).
Vincent Munier ganhou sua primeira câmera dos pais aos 12 anos de idade, e desde então optou por unir a paixão pelas imagens com a obsessão pela natureza. O francês natural de um vilarejo da região de Lorraine diz ter tido a sorte de poder trabalhar com o que mais ama. Nesta imagem, dois pássaros dançam em Hokkaido, no Japão (Foto: Vincent Munier /Museu de História Natural de Londres/Masters of Nature Photography).

Fonte: BBC Brasil.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 3 de 5Pág. 1 de 5...234...Pág. 5 de 5
%d blogueiros gostam disto: