O ritmo do tempo

pontualidade tempo

Se você levantar no meio da madrugada e ficar em silêncio na sua varanda poderá ouvir um barulho. Se for muito alto pode dar nos nervos, caso contrário apenas preencherá o ambiente. Pode aumentar ou diminuir de volume, mas com alterações raramente perceptíveis. É um som contínuo, quase sempre despercebido. Um ruído muito monótono, sem começo nem fim. O mesmo ruído ecoa a noite toda. São apenas grilos. Agora outro tipo de ruído. Neste exato momento estou ouvindo “As Quatro Estações” de Vivaldi. Também cheio de ruídos. Barulhos que começam e param, vêm e vão. Algumas notas sustentam uma melodia por segundos. Os violinos tocam, agora o piano, as cordas ressoam… Todos aqueles sons trabalham juntos para criar algo atraente, inspirador, belo, que evoca e propicia muitos estados de espírito. Dois tipos de ruído, duas variações. Um desses sons chamamos de música e o outro são apenas grilos.

Essa diferença nos leva a pensar sobre o tempo, pois o tempo é muito parecido com o som. A música acontece porque os ruídos e sons, tons e acordes, estão arranjados em uma percepção exata do tempo. A medição do tempo é que divide a música em batidas, dando-lhe um fluxo, um padrão, um ritmo. Todos nós experimentamos o desespero que se instala na alma quando nossos dias apenas misturam despertar com tomar café, escovar os dentes, ir ao trabalho ou faculdade, fazer compras, pagar as contas, encher o tanque, comer… E dormir para fazer tudo novamente no dia seguinte. Um dia parece igual ao outro, a vida parece ser o equivalente existencial do ruído dos grilos.

Isso, naturalmente, nos leva de volta para o Êxodo. A história dos escravos hebreus resgatados das mãos do Faraó não é apenas sobre o Deus que salva as pessoas de precisarem fazer tijolos todos os dias. Ela fala sobre o Deus que também salva as pessoas de outros tipos de escravidão: da que envolve o tempo. A vida no Egito era apenas fazer diariamente tijolos para o Faraó, durante o tempo todo. Tijolos, tijolos, tijolos, comer, dormir, mais tijolos e tijolos. Amanhã será como hoje: tijolos, tijolos… No entanto, quando os israelitas foram resgatados, Deus deu-lhes ordens. Uma das mais urgentes foi separar o sábado do resto da semana, fazer dele um dia diferente dos outros. Seis dias terá trabalho, mas no sétimo não. Por isso é algo fantástico. Deus lhes dá ritmo! Mas não o ritmo do som, é o ritmo do tempo. A vida antes era uma sucessão interminável de dias iguais, como o barulho perturbador de um grilo no silêncio da noite. Mas agora seu tempo é dividido, medido: seis e um, seis e um, seis e um…

Precisamos de ritmo em nosso tempo. É isso o que faz um momento ser diferente do outro. Ele dá forma e cor para toda a vida. Nossos antepassados compreenderam que o tempo, assim como o som, é melhor quando é separado, dividido e organizado em padrões e ritmos. Então eles criaram o calendário e o relógio: Uma maneira de organizar o tempo, uma forma de trazer variação aos nossos dias, uma maneira de encontrar música durante a passagem do tempo. Hoje, dia 31 de dezembro, acontece uma virada, dentre tantas viradas dessa música. A partir de amanhã começa um novo ritmo, uma nova batida. O Charlezine deseja que você encontre a batida perfeita. E que seja uma batida feliz. Feliz como um ano novinho em folha!

FELIZ ANO NOVO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

13 opiniões sobre “O ritmo do tempo

  • 31 de dezembro de 2010 em 0:48
    Permalink

    Charles, que o bom Deus nos auxilie na árdua dança que se desenvolve ao longo dessa (in)terminável música. Forte abraço. Feliz 2011!!!

    Resposta
    • 31 de dezembro de 2010 em 1:36
      Permalink

      Feliz 2011, cara! Boas blogadas lá no Celebrai! Abraço.

      Resposta
  • 31 de dezembro de 2010 em 1:20
    Permalink

    Texto muito bem escrito… altos devaneios…
    Cenário inspirador: quarto pequeno, note no colo, balanço da rede, ao som de Vivaldi… EU VII! =)

    Resposta
    • 31 de dezembro de 2010 em 1:34
      Permalink

      Eh, viu.. Leitora mais que privilegiada! hehe ;D

      Resposta
  • 31 de dezembro de 2010 em 1:38
    Permalink

    Opa, ia esquecendo.. Créditos da imagem: @rayanrod, grande parceiro.

    Resposta
  • Pingback: Tweets that mention Se você ficar em silêncio na sua varanda poderá ouvir um barulho.. O Ritmo do Tempo (post especial de fim de ano). -- Topsy.com

  • 31 de dezembro de 2010 em 15:06
    Permalink

    Texto mt bom Charleeees! xD
    E inspirador..
    Que venha 2011 como 22/11 do TM!
    beeijo

    Resposta
    • 31 de dezembro de 2010 em 19:27
      Permalink

      Ótima pedida, Brisa!
      Vamo torcer pra q este ano eles deem o ar da graça por aqui em Jampa.. (Banda “O Teatro Mágico, pra quem boiou rsrs).

      Resposta
  • 2 de janeiro de 2011 em 23:20
    Permalink

    Adorei o POST Charles. kkkk
    Feliz ano novo pra tu cheio de Deus para todo mundo. Pois só precisamos disso! Tudo mais nos será dado como acréscimo! =D
    Xero pra tu!

    Resposta
    • 2 de janeiro de 2011 em 23:24
      Permalink

      6:33 hehe.. Obrigado, Aryene! Se cuida..

      Resposta
  • 3 de janeiro de 2011 em 10:35
    Permalink

    Ótimo texto. És um escritor nato. Parabéns!

    “dentre tantas viradas dessa música..” alguém mais entendeu? Posso ouvir um amém? rs #drums

    Valeu Brow o/ Felicitações..

    Resposta
    • 3 de janeiro de 2011 em 18:18
      Permalink

      Haha valeu, brow! Feliz 2011 pra vc!

      Resposta

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: