Mudou a música ou mudaram os caipiras?

Coluna de André Barcinski para a Folha de S.Paulo, publicada em 4 de junho de 2012.

Dia desses, participei de uma entrevista com um músico que admiro muito: Renato Teixeira. Certa hora, alguém pediu ao Renato para listar as diferenças entre a música sertaneja antiga e a atual. A resposta dele surpreendeu a todos: “Não há diferença alguma”, disse. “Como assim?” reagiu o entrevistador. “A música caipira sempre foi a mesma”, explicou o músico. “É uma música que espelha a vida do homem no campo, e a música não mente. O que mudou não foi a música, mas a vida no campo”. Faz todo sentido: a música caipira de raiz exalava uma solidão, um certo distanciamento do país “moderno”. Exigir o mesmo de uma música feita hoje, num interior conectado, globalizado e rico como o que temos, é impossível. Para o bem ou para o mal, a música reflete seu próprio tempo. Fiquei pensando muito sobre a frase do Renato Teixeira. Será que nossa nostalgia por uma música melhor não reflete nossa nostalgia por outros tempos? Será possível, nos tempos atuais, ter uma música popular de qualidade e mais “autêntica”? Será que a decadência cultural e a globalização permitiriam ao público jovem apreciar uma música que não refletisse a confusão de estilos e tendências que é a marca da modernidade? “Ai Se Eu Te pego” é sertanejo? Segundo a teoria de Renato Teixeira, sim. Talvez não o “sertanejo” a que nos acostumamos, ou o que gostaríamos que fosse. Mas um sertanejo que é inescapável.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: