Pesquisadores brasileiros tentam decifrar o enigmático Manuscrito Voynich

Físicos brasileiros utilizaram uma técnica de análise de textos desenvolvida por eles para estudar o manuscrito Voynich, um livro misterioso supostamente escrito no início do século 15 em um alfabeto desconhecido. A esperança é que a descoberta ajude a decifrar o texto, considerado um dos mais enigmáticos que se conhece. Por meio de ferramentas estatísticas avançadas, o físico Diego Amâncio, da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos, se esforça para descobrir se o manuscrito é um texto coerente ou apenas um amontoado aleatório de símbolos sem sentido.

Leia mais na reportagem O código Voynich. Leia o artigo científico citado no vídeo.
Veja o Manuscrito Voynich, disponibilizado pela Universidade Yale (EUA).


Codex Seraphinianus: o misterioso livro
escrito em uma língua que não existe

Em 1981, o artista e arquiteto italiano Luigi Serafini publicou uma enciclopédia com mais de mil ilustrações e extensos textos sobre animais, plantas, roupas e pessoas. Nada de mais até aí. O que intrigou na época e continua um mistério até hoje é que o livro é escrito em uma língua que, até onde se sabe, não existe, e as ilustrações parecem interpretar zoologia, mineralogia, botânica, antropologia, física e arquitetura de uma maneira que simplesmente não existem no mundo que conhecemos. O artista italiano passou 30 meses dedicado a escrever o Codex, que tem quase 400 páginas.

Serafini nega que o texto do livro tenha qualquer significado – alega que são caracteres inventados e é tudo uma obra de ficção. Eu não acredito nele (e muita gente também não), mas ninguém teve sucesso, até hoje, em desvendar a escrita de Serafini ou encontrar ao menos uma sintaxe entre as “letras”. O texto inclui também palavras em inglês e francês usadas aleatoriamente e de maneira incompreensível no contexto. Alguns dizem que o Codex é diretamente inspirado no Manuscrito Voynich – as ilustrações, no entanto, retratam coisas que conhecemos.

A editora italiana Rizzoli está lançando uma nova edição do Codex Seraphinianus. O Dangerouns Minds entrevistou o editor responsável pelo lançamento, Charler Miers. Curiosamente evasivo, em um tom quase humorístico, ele disse ao site que Serafini existe e não é um pseudônimo, que o autor tem casas em Roma e em Milão e uma oficina de cerâmica na Umbria, e que a nova edição traz, além de novas ilustrações, 22 páginas inéditas em que o autor explica a origem do livro: um gato vira-lata branco teria se juntado ao autor enquanto ele escrevia a obra e a teria transmitido telepaticamente para ele (isso é sério). O vídeo abaixo tem uma porção de páginas do Codex:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 opiniões sobre “Pesquisadores brasileiros tentam decifrar o enigmático Manuscrito Voynich

  • 15 de dezembro de 2015 em 19:05
    Permalink

    A maior “trolada” de todos os tempos, rsrsrs. O maluco que fez o livro inventou tudo só pra tirar uma onda e dizer que era um livro sagrado e tals. Se duvidar que o fez nem sabia escrever e inventou as letras.

    Resposta
  • 1 de abril de 2016 em 23:31
    Permalink

    o livro trais como conteúdo as fazes da gravidez ,e ciclo da gravidez e as plantas medicinais.
    as planta , o criador do livro estudava o ciclo de gestação da mulher es planta e mais um do conteúdo do livro estudo de planta para tratar algumas doenças do XIX e algumas planta retratada no livro são brasileira e foram os padres jesuíta e tava na expedição um pesquisador de 35 a 45 de idade estudante com conhecimento de medicina colendo informação de plantas na sua expedição na costa brasileira no período do XVI do ano de 1549 a 1566 o livro foi criado e retornou provamento no ano de 1575. e terminando em 1585 e mesmo viveu ate 69 anos de idade .

    Resposta

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: