Machado de Assis é o autor brasileiro mais citado em teses de doutorado

Machado de AssisO Itaú Cultural divulgou, durante a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty-RJ) deste ano, novas pesquisas sobre o estudo da literatura brasileira, aqui e no exterior. A doutoranda da Universidade de Brasília (UnB) Laeticia Jensen Eble mapeou os escritores nacionais mais citados nos trabalhos de doutores em literatura brasileira no país. A pesquisa teve como base os currículos disponibilizados na plataforma Lattes, banco de dados mantido pelo CNPq, de 2.176 pesquisadores. Machado de Assis lidera a lista com 122 citações. Depois dele, nos primeiros 5 lugares, aparecem Guimarães Rosa (100 citações), Clarice Lispector (63), Graciliano Ramos (54) e Mário de Andrade (44). Entre os autores vivos, Milton Hatoum é o mais citado, com 22 menções, à frente de Rubem Fonseca (20), Manoel de Barros (18) e Chico Buarque (13). A pesquisa identificou 477 autores diferentes. As mulheres são uma parte quase ínfima do grupo – apenas 21%. Depois de Clarice Lispector, Cecília Meireles é a segunda mulher mais lembrada.

O professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) João Cezar de Castro Rocha apresentou uma pesquisa semelhante, só que realizada com 224 pesquisadores que vivem no exterior. Também neste grupo Machado de Assis lidera, com 135 menções. Depois estão Clarice Lispector (117), Guimarães Rosa (102) e Jorge Amado (82). Castro Rocha chamou a atenção para as diferentes posições ocupadas por Amado nas duas listas (ele é o 4º na lista dos pesquisadores que vivem no exterior e o 19º na dos brasileiros). “Isso ocorre porque, nos anos 1940 e 1950, Jorge Amado foi fundamental para a difusão da literatura brasileira no mundo. Mesmo que aqui no Brasil não seja mais tão estudado hoje, permanece como um símbolo da literatura brasileira no exterior”, comentou o professor. Castro Rocha também destacou que, proporcionalmente, pesquisadores estrangeiros citam mais autores contemporâneos do que os pesquisadores brasileiros ou residentes no Brasil. “Para o pesquisador fora do Brasil, a atualização é um valor em si. Já para os pesquisadores daqui, dedicar-se aos cânones é uma forma mais segura para conseguir fundos de pesquisas”, afirmou.

O jornalista Felipe Lindoso apresentou dados sobre a proliferação de feiras literárias no Brasil nos últimos anos. O portal da Biblioteca Nacional, comentou, tem 261 feiras registradas país. Lindoso apontou a mudança de perfil desses eventos. Até o final dos anos 1990, as feiras eram majoritariamente encontros comerciais, voltadas para a venda de livros. Nos últimos anos, contudo, ganharam relevo os debates e a troca de ideia entre o público e os escritores. “E de 2001 em diante, surgiram depois os festivais literários – Flip, Fliporto, Fórum das letras – nos quais a venda de livro é secundária”, afirmou. Luiz Ruffato relacionou esse crescimento das feiras literárias à profissionalização da carreira de escritor. “O ano da primeira Flip, 2003, é para mim um ano marcante da profissionalização da profissão de escritor. Foi quando eu larguei o jornalismo para me dedicar apenas à literatura”, explica. “Há 10 anos vivo como escritor profissional. Vivo de cachê de festival, júri de concursos literários. Vivemos um momento muito interessante. Antes eu era um dos poucos casos. Hoje sou só mais um”.

Fábio Malini, professor de jornalismo da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), apresentou uma pesquisa sobre a presença da literatura brasileira na internet, em especial no Facebook e no Twitter. Nas redes sociais, Caio Fernando Abreu, Clarice Lispector e Carlos Drummond de Andrade são os campeões de popularidade. Clarice, por exemplo, tem 743 mil “fãs” no Facebook. Caio tem 373 mil e Drummond, 108 mil. A lista no Twitter é liderada por Paulo Leminski, autor que alcançou a lista de mais vendidos com “Toda Poesia”. O cruzamento dos dados indica que fãs de Clarice tendem a ser fãs de Caio também. Representam um grupo mais heterogêneo, com usuários de perfis diferentes “curtindo” os dois autores. Já os que preferem Leminski e Machado formam um grupo mais homogêneo e especializado nesses dois escritores, com pouca relação com outros assuntos das redes sociais.

Fonte: Folha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: