Novas escavações sugerem que neandertais realizavam rituais funerários complexos

neandertaisSe você pensa que o homem de Neandertal era apenas um ogro rude e primitivo, talvez seja hora de reconsiderar. Segundo estudo recém-publicado, o Homo neanderthalensis parece ter sido protagonista de um comportamento simbólico deveras complexo e bem mais sofisticado do que se supunha até então: eles enterravam seus mortos! Isso é algo que já se suspeitava há algum tempo. Também se sabia que, em alguns casos, as sepulturas parecem ter sido adornadas com penas ou conchas, que aparentemente não tinham qualquer função que não fosse meramente decorativa. Especulava-se, pois, que neandertais eram dotados de algum tipo de cultura simbólica e, quem sabe, mesmo ritualística. A novidade é que, agora, essa interpretação ganha mais força do que nunca.

Pesquisadores franceses e americanos confirmaram, em escavações conduzidas entre 1999 e 2012, que uma sepultura do sítio arqueológico de La Chapelle-aux-Saints, na França, foi de fato construída intencionalmente. A constatação elucida um antigo debate. “Céticos argumentavam que os supostos ‘cuidados’ que os neandertais tinham com seus mortos eram fruto de interpretações equivocadas, baseadas em escavações antigas e metodologicamente inadequadas”, contextualiza o arqueólogo Cédric Beauval, da empresa de arqueologia Archéosphère, em Bordeaux (França). Ele foi um dos autores do estudo, publicado no periódico americano Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) e liderado pelo arqueólogo William Rendu, do Centro Internacional de Pesquisas em Humanidades e Ciências Sociais (Cirhus), em Nova York. “Os novos dados reforçam clamores segundo os quais havia, sim, comportamento simbólico complexo entre os neandertais da Europa ocidental”, lê-se no artigo. Ao longo do último século, foram reportadas mais de 40 estruturas arqueológicas assemelhadas a sepulturas neandertais na Europa e na Ásia. “Algumas delas”, diz o estudo, “refletem práticas funerárias complexas”.

Os arqueólogos descobriram, ainda, outra evidência que endossa a hipótese que os autores chamam de “sepultamento intencional”. Nos arredores das sepulturas, eles notaram que restos mortais de bisões e renas apresentavam diversas avarias ou rachaduras – indicando exposição a intempéries ou mesmo ataques de animais oportunistas que teriam se aproveitado daqueles cadáveres. Esperava-se que danos análogos fossem observados, também, em ossadas neandertais. Mas não foi o que se verificou. Ao contrário, as ossadas estavam relativamente bem preservadas. Infere-se, assim, que eles dedicavam cuidados especiais e ofereciam algum nível de proteção aos restos mortais dos que se foram. “É provável que os neandertais tivessem, realmente, capacidade cognitiva para executar esse procedimento funerário”, afirmam os pesquisadores.

Durante a pesquisa, a equipe de arqueólogos acabou encontrando novos remanescentes de duas crianças e de um adulto – ambos da espécie Homo neanderthalensis. Outros fragmentos de ossadas de neandertais, que complementam achados antigos, foram identificados. O sítio arqueológico de La Chapelle-aux-Saints é uma espécie de Meca dos paleoantropólogos. Foi lá que, em 1808, uma dupla de abades descobriu a primeira sepultura neandertal de que temos notícia. Desde então, especula-se muito acerca do comportamento funerário desses hominídeos. Teriam eles desenvolvido uma forma de cultura? Ainda não há consenso a respeito.

caverna neandertais

Quem foram os neandertais?

Homo neanderthalensis é o arquetípico “homem das cavernas”, define a Enciclopédia Britânica. Viveu entre 300 mil e 35 mil anos atrás – apesar de essas datas ainda serem tópico de disputa. Ao que tudo indica, ocupou territórios na Europa e na Ásia central. O nome Neandertal é uma referência ao Vale de Neander, próximo a Düsseldorf, na Alemanha – onde, no ano de 1865, o primeiro remanescente dessa antiga espécie foi encontrado. Fisicamente, era muito parecido com o Homo sapiens. Acredita-se, aliás, que as duas espécies tenham coexistido em algum momento. Mas, por razões que ainda ocupam o terreno da especulação, os neandertais foram extintos – enquanto ao Homo sapiens o destino reservou melhor sorte. “Há 50 mil anos, os neandertais foram os únicos habitantes da Europa. Até a década de 1980, eles eram considerados hominídeos brutais; mas estudos recentes mostram que eles usavam pigmentos, colecionavam conchas e, como demonstramos agora, dedicavam tempo a cuidar de seus mortos. Esses dados atestam que os neandertais não eram tão diferentes de nós”, diz Beauval.

Fonte: Ciência Hoje.

human evolution

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: