Profecias do fim do mundo que falharam

Profecia do fim do mundo com data marcada é um fenômeno sazonal. Mal uma é desmascarada como falsa, e já surge outra no seu lugar.  É um caso cíclico de lendas e mitos divulgados por pessoas que se acham iluminadas, mas não aprendem com os erros dos “profetas” que lhes antecederam. Na edição de 20 de maio de 2011, ainda sob o impacto do “fim do mundo” que Harold Camping havia previsto exatamente para aquele dia, a revista Time publicou a sua lista das 10 mais famosas profecias apocalípticas que falharam. Agora, diante da perspectiva de mais um dia do fim do mundo fracassado, no caso ontem (21/12/2012), nada melhor do que relembrar aquela matéria da Time.


Os anabatistas de Münster, 1530

Nos conturbados anos que se seguiram à Reforma Protestante, surgiram não só as igrejas reformadas tradicionais que conhecemos hoje em dia, mas várias seitas apocalípticas que incomodaram profundamente os próprios reformadores. Entre os anabatistas não estavam somente “pessoas que batizam de novo”, como a raiz grega do nome evoca, mas anarquistas e revolucionários de todo tipo que pregavam um mundo sem ordem e hierarquias enquanto aguardavam – para muito breve – o retorno de Cristo.

Na década de 1530, milhares de camponeses alemães tomaram a cidade de Münster, e ali ficaram entrincheirados numa espécie de sociedade comunista medieval, dizendo que Münster era a Nova Jerusalém, na qual esperavam a segunda vinda de Jesus. Entre eles estava Jan Bockelson, um alfaiate de origem holandesa, que se declarou o “messias dos últimos dias”, virou polígamo, emitiu moedas que profetizavam o apocalipse urgentemente vindouro e dominou cruelmente toda a população de Münster. O fim veio para Bockelson em 1535, quando a cidade foi tomada e a população dizimada pelas forças dos príncipes alemães. Detalhe: há quem diga que os testículos de Bockelson foram pregados no portão de entrada de Münster.


Londres e o incêndio de 1666

O número 666 tem um significado místico-cabalístico que transcende aquele registrado como “a marca da besta” no livro de Apocalipse (13:18). As pessoas até suspeitam que o número 666 tem alguma, digamos, “maldição embutida”, embora nem sempre saibam exatamente a sua origem. Imagine agora como se sentiam os europeus às vésperas do ano 1666, sobretudo no ano 1665, quando uma praga matou 100 mil pessoas em Londres, o que equivalia a 20% da população local à época. Se já havia rumores de que o fim do mundo se aproximava, a praga só os reforçou, até que no dia 2 de setembro de 1666 um incêndio aparentemente inofensivo começou numa padaria da Pudding Lane e rapidamente se alastrou pela cidade, cerca de 13 mil edifícios e dezenas de milhares de casas durante 3 dias do mais absoluto terror. Apesar do pânico gerado, quando o fogo baixou e as cinzas se assentaram, pouco menos de 10 pessoas morreram, e o fim do mundo foi adiado mais uma vez.


William Miller, 1844

O pastor William Miller, a quem a revista Time chama de “provavelmente o mais famoso falso profeta da história”. Miller começou a pregar o fim do mundo no começo da década de 1840, dizendo que Jesus retornaria à Terra e o planeta arderia em fogo em algum ponto entre 21 de março de 1843 e 21 de março de 1844. A mensagem de Miller foi amplamente divulgada e cerca de 100 mil seguidores seus venderam tudo o que tinham e foram para as montanhas esperar o fim predito. Entretanto, quando o período anunciado passou em brancas nuvens, Miller disse que havia cometido um “equívoco” nos cálculos, e marcou a nova data do fim do mundo para 22 de outubro de 1844. Novo fiasco. Esse dia entrou para a história americana como o “Dia da Grande Decepção”, mas boa parte dos seguidores de Miller se reagrupou alguns anos depois sob o comando de Ellen G. White, vindo a formar a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que manteve o dia 22 de outubro de 1844 como a sua peculiar doutrina do “juízo investigativo”, em que Cristo teria retornado aos céus para terminar sua obra de expiação dos pecados.


Testemunhas de Jeová, 1914

Os Testemunhas de Jeová fazem de tudo para que o mundo esqueça que seu fundador, Charles Taze Russell, havia previsto  a segunda vinda de Jesus para 1914. O início da 1ª Guerra Mundial neste ano fez com que Russell decretasse o “fim da era dos gentios”, o que se confirmou, na verdade, como mais uma previsão furada. Ele morreria em 1918,  deixando aos seus sucessores a difícil tarefa de explicar por que o fim não chegou no ano previsto. A solução destes foi apontar 1914 como o retorno invisível de Jesus (que já tinha sido previsto por Russell para 1874). Afinal, a 1ª Guerra Mundial era um evento importante demais para não ser aproveitado como evidência, já que eles haviam previsto alguma coisa estranha para aquele ano.


Testemunhas de Jeová, 1925

Só que as previsões para o fim do mundo não parariam por aí. O segundo presidente da Sociedade Torre de Vigia, Joseph Franklin Rutherford, faria ainda uma previsão para 1925, quando os profetas do Antigo Testamento seriam ressuscitados. Para acomodá-los (fisicamente falando), ele construiu a casa conhecida como Beth Sarim (“Casa dos Príncipes”), e depois de 1925 a “hospedaria profética” sem uso acabou se tornando sua própria residência, onde morreria em 1942.


Testemunhas de Jeová, 1975

Um novo fim do mundo seria ainda previsto para 1975. A Torre de Vigia alegava que a criação do homem completaria 6 mil anos naquele ano específico. Em uma semana cujos dias equivalem a mil anos (2 Pedro 3:8) os próximos mil anos seriam uma espécie de “milênio sabático”. Mais uma vez a data passou em branco.


William Branham, 1977

O pastor pentecostal estava numa de suas pregações públicas em 1963 no Estado do Arizona (EUA), quando uma “linda e misteriosa nuvem” teria deslizado pelo deserto. William Branham então subiu à montanha Sunset, onde, segundo alegou posteriormente, teria se encontrado com 7 anjos que revelaram a ele o significado dos 7 selos do livro do Apocalipse. Alguns dias depois, já no Tabernáculo Branham de Jeffersonvile (Indiana), o pastor pregou 7 sermões por 7 noites, explicando o significado dos selos e das 7 visões que ele teria recebido, concluindo que Jesus retornaria à Terra em 1977. Não houve tempo, entretanto, para que Branham visse sua previsão dar com os burros n’água, já que ele morreu na noite de Natal de 1965, 6 dias após um motorista bêbado ter colidido seu carro com o do pastor.


David Koresh, 1983

Depois de uma infância pra lá de problemática e passagens pelas igrejas batista e adventista, David Koresh (cujo nome verdadeiro era Vernon Wayne Howell) se juntou em 1981 à seita Ramo Davidiano, um grupo dissidente dos adventistas que se formou na década de 1950. A seita davidiana era sediada em Waco, no Estado do Texas (EUA), num rancho que eles denominaram de Monte Carmelo. Não demorou muito, entretanto, para que Koresh decidisse alçar, digamos, voos próprios. Em 1983, ele se autoproclamou profeta, e após uma sucessão de intrigas dentro da seita, que incluíram assassinatos de líderes concorrentes, Koresh convenceu vários seguidores a se juntarem a ele no rancho em Waco para aguardar o fim do mundo. Só que o fim do mundo para Koresh veio na forma de um cerco das autoridades americanas, que durou 50 dias e exterminou da face da Terra dezenas de seguidores de Koresh, além dele próprio e alguns policiais.


Hal Lindsey e Edgar Whisenant, 1988

Hal Lindsey é um pastor e escritor americano que ficou muito conhecido nos anos 1970 por seu livro best seller “The Late, Great Planet Earth”, traduzido no Brasil por “A Agonia do Grande Planeta Terra”, publicado no Brasil pela editora Mundo Cristão. Lindsey foi um grande expoente do dispensacionalismo (corrente teológica que divide a história do mundo em “eras” ou “dispensações” dos desígnios de Deus), e no livro em questão, tomando como base sobretudo o retorno do povo judeu a Israel algumas décadas antes, predisse que o mundo terminaria em alguma data pouco antes de 31 de dezembro de 1988. Na esteira das previsões de Hal Lindsey, Edgar Whisenant publicou em 1988 o livro “88 Reasons Why the Rapture Will Be in 1988” (“88 razões pelas quais o arrebatamento acontecerá em 1988”), que (como todo bom “fim do mundo”) vendeu pra caramba, 4,4 milhões de cópias, deixando seu autor envergonhado pela falsa profecia, mas com uma gordíssima conta bancária para afogar suas lágrimas de crocodilo.

Os ensinos de Lindsey continuam populares até hoje, já que a famosa série “Left Behind” (“Deixados para Trás”), de Tim LaHaye e Jerry Jenkins, continua vendendo muito bem, obrigado, e não é nada mais nada menos do que a oferta das mesmas ideias requentadas da agonia do planeta Terra da década de 1970. Não vai tardar muito, portanto, para reaparecer uma nova “profecia do fim do mundo” nesses mesmos moldes. Dá grana! Aliás, esse é outro detalhe curioso. Porque esses “profetas” gostam tanto de ganhar dinheiro com isso se não terão tempo de gastar esse dinheiro?


bug do milênio, 2000

Os mais jovens não se lembrarão disso, mas a maioria recordará o furor que tomou conta do mundo por ocasião da virada do ano 1999 para o ano 2000. O temor de uma catástrofe mundial se baseava no fato de que a imensa maioria dos computadores de então, por uma questão de economia de equipamento, havia previsto apenas duas casas para designar o ano na data. Desta maneira, quando 1999 virasse para 2000, o risco era que, naquela meia-noite específica, os computadores de bancos, empresas aéreas, fornecedoras de serviços públicos, etc., entendessem que o mundo havia voltado a 1900 e alastrassem o caos pelo planeta. Associe a esse dado tecnológico ao ditado popular “até 2000 chegarás, de 2000 não passarás” (que de bíblico não tem nada), e – pronto! – a confusão está estabelecida. Apesar de todo o pânico prévio gerado pelo bug do milênio, nenhum incidente cibernético de monta foi registrado nos primeiros dias do ano 2000. Outro grande logro que também vendeu pra caramba.


Harold Camping, 1994 e 2011

O pastor americano é reincidente na triste função de falso profeta. Em 1992 ele já havia previsto a segunda volta de Cristo e o fim do mundo para alguma data em meados de setembro de 1994. Depois que sua profecia fracassou, Camping disse que estava triste mas isso não o incomodava nem um pouco. No entanto, o segundo fracasso, em 2011, parece que convenceu o frustrado pastor futurólogo a aposentar sua bola de cristal.


Calendário Maia, 2012

Ontem, 21 de dezembro de 2012, foi exatamente o dia em que o calendário maia terminou, segundo algumas fontes. Entretanto, existe uma grande controvérsia sobre se o calendário maia foi corretamente interpretado, o que não impediu que muita gente entrasse em pânico com a simples possibilidade de que ele pudesse estar certo. De qualquer maneira, filmes foram produzidos, livros foram escritos e – como sempre – muito dinheiro se ganhou com o pânico gerado pela previsão midiática. Sinal de que, diante do fracasso do apocalipse maia, novas profecias virão em seguida, a fim de que alguns espertalhões continuem ganhando muita grana às custas dos incautos.

Fonte: O Contorno da Sombra.

As linguagens míticas da Bíblia

Crônica de Sóstenes Lima.

Quando cito um trecho do mito de Prometeu, não preciso dizer a ninguém que não estou tomando a narrativa como história, mas como mito. Mas se eu resolver citar um trecho da história da Torre de Babel, devo começar dizendo que se trata de um mito, para não ser tachado de estúpido. Por que preciso dizer que a Torre de Babel é um mito? Isso deveria ser um pressuposto básico. Quando digo que Prometeu é o inventor da tecnologia ninguém acha que estou tratando Prometeu como um sujeito histórico. Mas se falo de Jó, a maioria das pessoas acha que estou me referindo a um sujeito histórico. Caso eu queira ser compreendido de outra forma, devo dizer expressamente que Jó é personagem de uma narrativa da sabedoria trágica-épica judaica, não um sujeito histórico como Moisés.

Gostaria que certos pressupostos básicos aplicados às narrativas míticas e fantásticas também fossem aplicados a certas narrativas bíblicas. Por exemplo, quando conto a história da Branca de Neve, ninguém me pergunta se eu acredito ou não em Branca de Neve. As pessoas simplesmente ouvem e deixam a história fluir, tirando dela lições éticas e até valores transcendentes. Por que, então, quando conto a história da Serpente no Éden, as pessoas não aplicam o mesmo pressuposto? Por que preciso responder se acredito ou não em serpentes falantes? Rubem Alves dizia que Deus é poeta, não repórter ou historiador. Ele diz: “Eu leio os textos sagrados como quem lê poesia e não como quem lê jornal. Prefiro pensar que Deus é poeta a imaginá-lo como jornalista. Existirá ofensa maior para um poeta do que perguntar se o seu poema é reportagem?”.

Na Somália, crianças declamam o Alcorão em competição para ganhar fuzis e granadas

Uma emissora de rádio FM na Somália premiou com fuzis e granadas crianças que participaram de um concurso de declamação do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. A competição da rádio Andulus também avaliou conhecimentos gerais. Quatro crianças, de idades entre 10 e 17 anos, foram escolhidas para representar cada distrito na competição realizada durante o Ramadã, o mês sagrado dos muçulmanos, que terminou em agosto. O grupo que venceu a competição recebeu um fuzil AK-47 e US$ 700. O segundo colocado recebeu um AK-47 e US$ 500. E o terceiro, duas granadas de mão e US$ 400. “Os jovens devem usar uma mão para educação e com a outra segurar uma arma para defender o Islã”, disse um dos organizadores aos vencedores da competição em Elasha, cerca de 20 km da capital Mogadíscio. Os vencedores também receberam livros religiosos. A rádio é controlada pelo grupo extremista islâmico Al Shabab, que tem ligações com a Al Qaeda e controla grande parte do sul e do centro da Somália. O país atravessa uma severa seca e muitas áreas controladas pelo grupo sofrem com fome.

Com informações de: BBC

Matrix e a verdadeira vida

Crônica de Rubem Amorese publicada na revista Ultimato em 2004.

“Cristo salva de quê? Não estou morrendo afogado!” — disse o colega, ao ver o adesivo colado no vidro do meu carro. Na hora, dei uma resposta padrão, evangelística. No entanto, senti que eu mesmo não conseguia verbalizar convincentemente um “Cristo salva” para gente como aquele colega. O que poderia ser dito ao jovem saudável, de família abastada e vida profissional promissora que o fizesse ver a necessidade de salvação? Dizer-lhe que nasceu em pecado, que o salário do pecado é a morte, mas que em Cristo pode ter vida abundante, se o receber em arrependimento e fé, como senhor e salvador de sua vida? Sim, certamente. Mas não sentiria estar comunicando. Precisava de uma parábola.

Quem poderia supor que ela adviria da trilogia Matrix? Pois veio. Assisti aos três filmes, aficionado que sou por tecnologia de ponta, ficção científica e efeitos especiais. Mas fiz uma leitura teológica. Não sei se intencionalmente, Matrix versa sobre trevas e luz; perdição e resgate; escravidão e redenção. Ao reagir à invasão alienígena de seres tanto mecânicos quanto orgânicos e espirituais, os humanos do futuro pensam que podem cortar-lhes a fonte de energia, cobrindo o sol do planeta com uma nuvem atômica de proporções apocalípticas. Mas os invasores descobrem uma nova fonte de energia: os próprios seres humanos, agora cultivados em imensas plantações.

Cada pessoa que nasce é colocada num casulo gosmento e ligada a tubos que lhe fornecerão alimento e lhes extrairão calor do corpo. E os humanos passam a vida, de nenê a adulto, como baterias humanas, a energizar essa rede formidável. O detalhe é o tubo que entra na cabeça de cada um, pela nuca. Por esse terminal, o sistema fornece a cada vítima um sonho, uma “vida”. O computador que tudo gerencia, chamado Matrix, lhe “fornece” estudos, trabalho, família, vida profissional e tudo o mais, instilado, como um filme, diretamente no cérebro. E as pessoas não têm consciência de que estão vegetando no casulo gosmento, em posição fetal. Quando morrem, ou perdem a “energia”, com a idade, são transformadas em compostos alimentícios para aqueles que vão nascendo. Reciclagem. A cena da grande “plantação”, com sua malha de tubos e adutores, é tétrica.

A história começa com um resgate. Morfeu, o líder de um pequeno grupo de pessoas “desplugadas”, que vivem na realidade lutando contra os invasores, passou a vida à procura daquele que teria o dom de “ver” a Matrix, com seus mecanismos, programas e fraquezas. Teria, portanto, o poder de conduzi-los à vitória. Então, resgata da Matrix um rapaz que, mesmo vivendo a vida fictícia fornecida pelo sistema, em seus sonhos tem visões da “realidade real” e desconfia da “realidade artificial” em que está. “Deve haver algo mais”, pensa ele. E, mesmo na vida alienada, torna-se um hábil hacker de computador que invade o sistema, rouba e vende informações sigilosas — informações sobre a verdadeira realidade, eu concluo — e foge da polícia dos invasores.

Interessante: essa “vida” criada pela Matrix é tão “real” e satisfatória que muitos, ao serem “desplugados”, pedem para retornar. Não suportam a realidade. Nesta, eles são renegados, vivendo nos escombros da civilização pós-cataclisma nuclear; naquela, ordeiros cidadãos, vivendo uma vida normal, organizada e prazerosa. E, então, eu me dou conta da “parábola” de que somos “escolhidos”, isto é, “desplugados” por Cristo de um sistema diabólico, onde já nascemos “mortos” (Efésios 2:1) em uma “realidade falsa”. Imediatamente ouço outra vez meu colega dizer: “Cristo salva de quê?”. Coitado de Moisés! Imagino-o tendo de suportar de seus irmãos, no Egito:

— Libertação de quê?

E a resposta “pouco convincente”:

— Desta vida falsa, desta vida de escravidão.

— E para onde vamos, Moisés?

— No momento, para o deserto…

Links de teologia reformada

500 anos da Reforma – Site comemorativo da IPB.

WRF – Fraternidade Reformada Mundial.

Ministério Fiel – Portal de teologia reformada.

Monergismo (site novo) – Portal de teologia reformada.

Monergismo (site antigo) – Portal de teologia reformada.

Monergism – Portal de teologia reformada (em inglês).

ARPAV – Associação Reformada Palavra da Verdade.

Cosmovisão Calvinista – Grupo de estudos de teologia reformada.

Academia Reformada – Cursos online de teologia reformada.

Escola Spurgeon – Cursos online de teologia reformada.

Projeto Charles Spurgeon – Textos do teólogo traduzidos.

Projeto Charles Ryle – Textos do teólogo traduzidos.

Projeto Castelo Forte – Textos reformados traduzidos.

Got Questions – Perguntas e respostas sobre a Bíblia.

Perguntar Não Ofende – Perguntas e respostas sobre a Bíblia.

Em Poucas Palavras – Programa de rádio com Augustus Nicodemus.

Soundcloud PIPGO – Sermões em áudio de Augustus Nicodemus.

Mensageiro Luterano – Revista da Igreja Luterana.

Revista Ultimato – Voltada ao público evangélico em geral.

Teologia Brasileira – Revista voltada a estudantes de teologia.

Curso de Hebraico Bíblico – Videoaulas de Wilson Porte Jr.

Curso de Grego Bíblico – Videoaulas de Wilson Porte Jr.


EDITORAS CRISTÃS 

Cultura Cristã | Fiel | Monergismo | Hagnos

Mundo Cristão | Vida Nova | Vida | Shedd


IGREJAS HISTÓRICAS

Igreja Presbiteriana do Brasil

Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Igreja de Confissão Luterana no Brasil

Igreja Anglicana Reformada do Brasil

Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

Igreja Evangélica Congregacional do Brasil

Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro

Catedral Presbiteriana de São Paulo


SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS

Seminário Presbiteriano do Sul (Campinas-SP)

Seminário Presbiteriano do Norte (Recife-PE)

Seminário Presbiteriano Brasil Central (Goiânia-GO)

Seminário Presbiteriano de Brasília (Brasília-DF)

Seminário Presbiteriano do Nordeste (Teresina-PI)

Seminário Presbiteriano Simonton (Rio de Janeiro-RJ)

Seminário Presbiteriano Rev. DNE (Belo Horizonte-MG)

Seminário Presbiteriano Rev. JMC (São Paulo-SP)

Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo-SP)

Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper (São Paulo-SP)

Instituto Reformado de São Paulo (São Paulo-SP)

Westminster Theological Seminary (Pennsylvania, USA)


CREDOS E CONFISSÕES DE FÉ

Credos, confissões, declarações, símbolos, catecismos
e outros documentos históricos da fé cristã reformada.

Credo Apostólico (século I d.C.)

Confissão de Fé Valdense (1120)

Confissão de Fé Valdense (1544)

Confissão de Fé da Guanabara (1558)

Confissão de Fé Francesa (1559)

Confissão de Fé Escocesa (1560)

Segunda Confissão Helvética (1562)

39 Artigos da Religião (1563)

Catecismo de Heidelberg (1563)

Confissão de Fé Belga (1566)

Os Cânones de Dort (1619)

Confissão de Fé de Westminster (1646)

Breve Catecismo de Westminster (1649)

Catecismo Maior de Westminster (1649)

Confissão de Fé Batista de Londres (1689)

Confissão Batista de New Hampshire (1833)

Mensagem e Fé Batista (1925)

Pacto de Lausanne (1974)

Declaração de Chicago (1978)

A Razão da Nossa Fé (1981)

Declaração de Cambridge (1996)

Declaração de Fé da WRF (2000)


Veja também:

Links de utilidade pública

Links de utilidade acadêmica

Links sobre cultura clássica

Links de filosofia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 7 de 7Pág. 1 de 7...567
%d blogueiros gostam disto: