O cinema de antigamente

Crônica de Luis Fernando Verissimo.

Os filmes que víamos antigamente não nos prepararam para a vida. Em alguns casos, ainda continuam nos iludindo. Por exemplo: briga de socos. Entre as convenções do cinema que persistem até hoje está a de que socos na cara produzem um som que na vida real nunca se ouviu. O choque de punho contra o rosto fazia estrago nos rostos — ou não, já que era comum lutas em que os brigões quase se matavam a murros terminarem sem nenhuma marca nos rostos — mas poupava os punhos. E como bem deve saber quem, mal informado pelo cinema, entrou numa briga a socos, o punho quando acerta o alvo sofre tanto quanto o alvo.

No cinema de antigamente você já sabia: quando alguém tossia, era porque iria morrer em pouco tempo. Tosse nunca significava apenas algo preso na garganta ou uma gripe passageira — era morte certa. Quando um casal se beijava apaixonadamente e em seguida desparecia da tela era sinal que tinham se deitado. E depois, não falhava: a mulher aparecia grávida. Nunca se ficava sabendo o que acontecia, exatamente, depois que o casal desaparecia da tela, a não ser que o filme fosse francês. Pode-se mesmo dizer que o começo da mudança do cinema americano começou na primeira vez em que a câmera acompanhou a descida do casal e mostrou o que eles faziam deitados. Depois desse momento revolucionário, não demoraria até aparecerem o beijo de língua e o seio de fora. E assim chegamos ao cinema americano de hoje.

Se a vida fosse como o cinema nos mostrava, nunca faltaria bala nas nossas pistolas ou gelo no balde para o nosso uísque quando chegássemos em casa. E sempre que tivéssemos de sair às pressas de um restaurante, atiraríamos dinheiro em cima da mesa sem precisar contá-lo e sem esperar que o garçom trouxesse a nota. Seria uma vida mais simples, em cores ou em preto e branco, interrompida a intervalos por números musicais em que cantaríamos acompanhados por violinos invisíveis; e quando dançássemos com nossas namoradas seria como se tivéssemos ensaiado durante semanas, e não erraríamos um passo, e seríamos felizes até the end.

De volta para o futuro

Olha só que ótima ideia e que belo trabalho da fotógrafa argentina Irina Werning. Ela pegou fotos antigas de várias pessoas e recriou praticamente a mesma foto, no mesmo cenário, com os mesmos objetos, as mesmas pessoas, vestidas com as mesmas roupas, usando os mesmos acessórios, nas mesmas posições, mas com um pequeno detalhe: as pessoas estão bem mais velhas. Ela intitulou esse trabalho de “Back to the Future”; e até já lançou um livro com o mesmo título. Veja as fotos:

11_back232  11_back229 11_back228 11_back225 11_back221 11_back216 11_back214 11_back213 11_back212 11_back210 11_back28 11_back27 11_back26   11_back21  10_back124  10_back120 10_back119 10_back118 10_back117 10_back116 10_back115 10_back114 10_back112 10_back111 10_back110  10_back18  10_back12 10_back11

9-620x408

41-620x827

171-620x749

18-620x936

13-620x718

1-620x602

18033582_1415411135164338_1917306039552833567_n 18033127_1415411141831004_4121334348948588557_n 18010254_1415411245164327_412429228157179184_n 18010793_1415411311830987_7600925568950928337_n 17952614_1415411315164320_8138028483096586504_n 18056836_1415411431830975_6328324734464890584_n 18034267_1415411498497635_6265203965379500075_n 18056899_1415411578497627_707088855058862586_n 17991075_1415411711830947_7023537958915170111_n

Da formação tática no futebol

Crônica de Luis Fernando Veríssimo,
publicada no jornal O Estado de S.Paulo do dia 23/08/1993.


O melhor momento do futebol para um tático é o minuto de silêncio. É quando os times ficam perfilados, cada jogador com as mãos nas costas e mais ou menos no lugar que lhes foi designado no esquema e parados. Então o tático pode olhar o campo como se fosse um quadro-negro e pensar no futebol como uma coisa lógica e diagramável. Mas aí o começa o jogo e tudo desanda. Os jogadores se movimentam e o futebol passa a ser regido pelo imponderável, esse inimigo mortal de qualquer estrategista. O futebol brasileiro já teve grandes estrategistas, cruelmente traídos pela dinâmica do jogo. O Tim, por exemplo, tático exemplar, planejava todo o jogo numa mesa de botão. Da entrada em campo até a troca das camisetas, incluindo o minuto de silêncio. Foi um técnico de sucesso, mas nunca conseguiu uma reputação no campo a altura de sua reputação de vestiário. Falava um jogo e o time jogava outro. O problema do Tim, diziam todos, eram que seus botões eram mais inteligentes do que seus jogadores.

A música por trás de uma foto

No TEDx São Paulo de 2009, o músico Jarbas Agnelli conta a história por trás da música Birds on the wires (pássaros nos fios), inspirada numa famosa fotografia de pássaros pousados nos fios de um poste, a qual ele associou a uma partitura. Segundo Agnelli, não foi ele, mas os pássaros que compuseram a canção. Ele apenas enxergou isso e executou a obra. O resultado é belo e inspirador. Assista:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pág. 2 de 8123...Pág. 8 de 8
%d blogueiros gostam disto: