Graduação: Qual é a diferença entre bacharelado, licenciatura e tecnológico?

Veja também: Diferença entre especialização, mestrado e doutorado

Ao concluir o ensino médio, além de se preocupar com que curso fazer, o estudante precisa ter em mente o tipo do curso. Há quatro opções de graduação: bacharelado, licenciatura, curso tecnológico e curso sequencial. A principal diferença, além do conteúdo, é o tempo que o aluno passa estudando: enquanto um bacharelado leva, em média, quatro anos para ser concluído, um curso tecnológico pode levar apenas dois.

O bacharelado, segundo o MEC, é o curso superior que “confere ao diplomado competências em determinado campo do saber para o exercício de atividade acadêmica ou profissional”. A licenciatura, por sua vez, prepara o estudante para dar aula como professor na educação básica. Os dois costumam dividir boa parte do currículo, mas quem prefere a licenciatura pode ter matérias específicas, mais focadas em aspectos pedagógicos. Para dar aula no ensino fundamental e médio, o estudante precisa ter cursado uma área do conhecimento como matemática, física, química, biologia, geografia, história, letras ou filosofia. Um aluno formado em engenharia, por exemplo, não pode dar aula de química. O tempo de curso, seja bacharelado ou licenciatura, depende de cada instituição de ensino superior, mas, em média, um bacharelado leva quatro anos – período que pode ser ligeiramente maior no segundo caso.

Os cursos que oferecem graduação em apenas dois anos são os chamados cursos “tecnológicos”. Além do tempo reduzido, eles têm um objeto de estudo bastante específico. Por exemplo: não há um curso tecnológico de jornalismo, mas é possível encontrar um de fotografia. Como a carga de conteúdo é menor e mais centralizada, os estudos são mais focados. De acordo com o MEC, os cursos tecnológicos também conferem diploma aos concluintes. Como todo curso de graduação, é aberto a quem terminou o ensino médio (ou nível equivalente) e passou por algum processo seletivo. Existem também os cursos sequenciais. O MEC não os considera como graduação e eles são voltados a quem já é formado em alguma área e procuram uma certa especialização. Há dois tipos: o de formação específica, que, se for reconhecido pelo MEC, pode conceder diploma; e o de complementação de estudos, que não tem esse poder.

Fonte: UOL Vestibular.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta:

%d blogueiros gostam disto: